FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Cabras de Merda

(Cabros de Mierda, 2017)
Por Francisco Carbone Avaliação:           5.0
Pinochet à sombra do pequeno Vladi.
O longa de Gonzalo Justiniano começa com uma breve passagem 'atual' e rapidamente volta no tempo até 1983, ainda durante a ditadura de Pinochet no Chile. Mais precisamente durante período ainda grave dessa parte da História, ao mesmo tempo em que resolve olhar para um grupo inusitado dentro daquele universo. Aos poucos nos damos conta de que há uma tentativa de criar aquele típico filme de família desfuncional, só que nos anos de chumbo chilenos. Não dá pra negar a ousadia dessa escolha, em tese; no manancial de filmes e histórias já contadas acerca desse momento, que acabam dialogando com tantos outros momentos de repressão que o cinema já abordou, olhar com essa bússola desforme é nitidamente um respiro.

De cara, a trajetória do jovem missionário religioso que aporta numa casa repleta de Gladys (três gerações de mulheres da mesma família tem o mesmo nome), se afeiçoa para além do devido e ao invés de 'pregar a palavra do Senhor' passa a ajudá-los em suas perigosas atividades contra os desmandos do ditador, é de profundo frescor. O filme tem uma abordagem madura do tema, um desenho honesto desse protagonista, ao mesmo tempo que promove uma certa leveza nas cores de algo já explosivo. Ainda assim, o filme parece tímido com seu pano de fundo, e aos poucos o interesse romântico que surge entre os protagonistas vai criando raízes e toma conta da narrativa, criando uma estrutura renovada porém meio perdida nos propósitos.

Soma-se isso ao fato de que Justiniano não necessariamente cria uma identidade visual ao filme. Nada passa de uma assinatura convencional com um recorte que se entende como documental vez por outra, como quando o protagonista sai para exercer sua função naquela sociedade (já que ele saiu dos Estados Unidos para pregar por lá), e a câmera então passa a fotografar esses rostos reais de chilenos muito marcados, dando uma carga dramática necessária ao filme. Mas nada disso reverbera fora do imagético, e o filme não consegue criar dramaticidade narrativa com as imagens. Sam é um missionário que tem a fotografia como hobby, então o filme usa uns filtros amarelados para construir o material que o protagonista obtêm, mas também isso não tem qualquer relevância dramática aparente, ficando no ar como uma firula sem sentido.

Se tem uma coisa que é admirável em Cabras de Merda é seu elenco, que infelizmente é desperdiçado. Dos protagonistas aos coadjuvantes, passando pela figuração, o filme tem um corpo de trabalho muito acima da média. Mas apenas um nome não sai da cabeça do espectador ao sair da sessão: Vladi. Interpretado pelo pequeno Elias Collado, o garoto não é apenas um poço de carisma, como há talento real ali. Suas interações com qualquer outro do elenco resultam em cenas que passeiam por muitas emoções diferentes, injetando vigor e força cênica as cenas, de onde ele sai sempre com tiradas impagáveis e um olhar incrível, sem jamais deixar de ser a criança que ele é. Em especial a dupla que ele forma  com o Sam de Daniel Contesse move muito do interesse do público com a obra.

Infelizmente o ritmo do filme é muito comprometido com uma aceleração final meio descabida, talvez resultado de uma remontagem depois de pronto. Perdendo suas características originais para adquirir a urgência e a tensão que um clímax exige, o filme parece apontar para um lado bem diferente do original. Se os conflitos precisam ser resolvidos, não há diegese suficiente para que tudo desça com naturalidade. Também falta emoção na condução desse desfecho, e de forma burocrática empilham as soluções para simplesmente encerrar a produção. Uma pena porque, apesar de não ter um ponto alto, Cabras de Merda teria condições de se vestir como um trabalho superior, e no final das contas só temos a certeza de que o menino Collado é inesquecível, e nada mais. 

Filme visto no Cine Ceará 2018
Por Francisco Carbone, em 08/08/2018
Avaliação:           5.0
Notas - Equipe
• Francisco Carbone 5.0
•  Média 5.0
Notas - Usuários
aguardando 3 votos
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
#49 Neorrealismo Italiano
#48 O Exorcista
#47 Wall-E
#46 The Last of Us
#45 60 anos de Tim Burton
#44 Meu Amigo Totoro
#43 Missão: Impossível - Efeito Fallout
#42 Filmes da Sessão da Tarde
#41 Batman: O Cavaleiro das Trevas
#40 100 anos de Ingmar Bergman
#39 Os Incríveis 2
#38 Era Uma Vez no Oeste
#37 Jurassic Park e Jurassic World
#36 O Bebê de Rosemary
#35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
#34 Han Solo: Uma História Star Wars
#33 Deadpool 2
#32 Um Corpo que Cai
#31 Stephen King no Cinema
#30 Vingadores: Guerra Infinita
#29 A Franquia 007
#28 Um Lugar Silencioso
#27 2001: Uma Odisseia no Espaço
#26 Jogador Nº1
#25 Planeta dos Macacos
#24 Quentin Tarantino
#23 75 anos de David Cronenberg
#22 Projeto Flórida
#21 Trama Fantasma
#20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
#19 Oito e Meio de Fellini
#18 A Forma da Água
#17 The Post e os filmes de Jornalismo
#16 Indicados ao Oscar 2018!
#15 20 Anos de Titanic
#14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
#13 Melhores de 2017
#12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
#11 Especial Natalino
#10 Assassinato no Expresso Oriente
#9 Onde os Fracos Não Têm Vez
#8 Liga da Justiça
#7 Stranger Things
#6 45 anos de O Poderoso Chefão
#5 Branca de Neve e os Sete Anões
#4 Halloween
#3 Blade Runner / Blade Runner 2049
#2 De Volta Para o Futuro
#1 Os Goonies
#0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Cabras de Merda
(Cabros de Mierda, 2017)
• Direção:
- Gonzalo Justiniano
• Elenco Principal:
- Natalia Aragonese
- Daniel Contesse
- Elías Collado
• Sinopse: Um jovem missionário americano viaja ao Chile durante a ditadura de Pinochet e envolve-se romanticamente com uma mulher bonita e forte que mora em um bairro marginal. Com sua câmera, ele fará parte da luta pela democracia do país.
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE