FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos

(Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos, 2018)
Por Francisco Carbone Avaliação:                 8.0
Do direito de ter dúvida.

Nas primeiras cenas do longa de João Salaviza e Renne Nader Massora já entendemos que terá uma tentativa de adequar o caráter indígena, como registram tudo que vem sendo feito no cinema ultimamente. Nem exaltar a pureza de sua vida intocada, nem retirá-lo de seu habitat natural por completo e naturalizar uma cultura. Caminham lado a lado na produção as duas vertentes de adequação, criando um modelo híbrido que deve ser o comum a tantas tribos hoje - como esse ano já vimos, por exemplo, em Ex-Pajé. Ao confrontar uma realidade paralela a um personagem típico da nossa cinematografia e desestigmatizar a própria relação do personagem com suas crenças, sua formação e sua história, talvez aí sim pela primeira vez vejamos as contradições do nativo.

Não se trata de reinventar o que se espera de si para tornar-se outro (como o protagonista de Antes o Tempo não Acabava, de Fábio Baldo e Sérgio Andrade), mas de não se enxergar nos costumes de seu povo, renega-los, até mesmo teme-los, e ousar não querer sua função, determinada à sua revelia. Como já visto em tantos recortes e tempos da sociedade, porque o índio não pode fugir à sua pré-determinação? O futuro chegou a todos, e Ihjâc também quer poder escolher o seu destino, e não ser subjugado a ele. Com essa proposta de discussão, o casal de diretores enfoca essa relação universal familiar da continuidade, do caráter provedor adquirido pelo homem e alimentado pela sociedade machista, e da negação da herança hereditária.

Ihjâc é um jovem pai, casado, aparentemente feliz com sua estrutura familiar tão recente. Só que a abertura do filme já abre seu conflito, ao observar o protagonista em contato com o espírito de seu pai recém falecido, o pajé de sua tribo. Esse cargo agora, de óbvia responsabilidade, recairá sobre ele, e ele não esconde de ninguém sua recusa para com o fardo. Ele simplesmente não quer, não aceita, tem medo da função, a ponto de abandonar seu núcleo inteiro para trás; está confuso, e se isola sozinho na cidade mais próxima. Ihjâc não difere de nenhum jovem adulto apreensivo com o fim da adolescência: decisões precisam ser tomadas, muitas serão definitivas, em uma idade injusta para tal.

Impetuoso e cheio de personalidade, o personagem é um achado no cinema recente e dentro dos exemplares que retratam essa parcela brasileira (que muitos querem fingir não existir) é dos melhores. Ihjâc é pura angústia e faz valer suas vontades, numa sociedade onde os ancestrais têm palavra final. Além do próprio protagonista, o dia a dia da tribo dos krahôs do qual ele faz parte é mostrado de maneira carinhosa e com certo detalhe, inclusive os preparativos para o que seria uma passagem de bastão, de pai para filho. O naturalismo utilizado nos dois lados (a rotina daquele universo e a tentativa de integração de Ihjâc na cidade próxima) é patente e enriquece ainda mais o longa.

Apesar de colocar em cima da mesa os prós e contras das decisões de Ihjâc e sua liberdade de escolha , João e Renee acabam tomando um rumo com sua narrativa que fará dividir seu público, quando talvez fosse melhor deixar no terreno do ambíguo os rumos que o personagem tomasse, tendo em vista a maneira imparcial com que o filme apresenta seu conflito. Mas não deixa de provocar também um debate sobre o estado das coisas, sobre a liberdade que se anseia e a tradição que se constrói, e de como já vimos esse conflito tão próximo a nós mas longe do cinema, e mais longe ainda dessa parcela. As escolhas de Ihjâc no fim das contas soam menos importante do que o direito dele de tê-las, e questionar sua validade.

Filme visto no Festival de Cinema do Rio de Janeiro
Por Francisco Carbone, em 09/11/2018
Avaliação:                 8.0
Notas - Equipe
• Francisco Carbone 8.0
•  Média 8.0
Notas - Usuários
aguardando 3 votos
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
#69 Indicados ao Oscar 2019
#68 Creed II
#67 Vidro
#66 Homem-Aranha no Aranhaverso
#65 WiFi Ralph e O Retorno de Mary Poppins
#64 Melhores Filmes de 2018
#63 Duro de Matar
#62 Roma
#61 O Senhor dos Anéis
#60 Scarface
#59 Infiltrado na Klan
#58 Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald
#57 O Legado de Stan Lee
#56 O Roteiro de Cinema
#55 Halloween (2018)
#54 O Primeiro Homem
#53 Nasce Uma Estrela
#52 Musicais no Século XXI
#51 70 anos de John Carpenter
#50 Breaking Bad - 10 Anos
#49 Neorrealismo Italiano
#48 O Exorcista
#47 Wall-E
#46 The Last of Us
#45 60 anos de Tim Burton
#44 Meu Amigo Totoro
#43 Missão: Impossível - Efeito Fallout
#42 Filmes da Sessão da Tarde
#41 Batman: O Cavaleiro das Trevas
#40 100 anos de Ingmar Bergman
#39 Os Incríveis 2
#38 Era Uma Vez no Oeste
#37 Jurassic Park e Jurassic World
#36 O Bebê de Rosemary
#35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
#34 Han Solo: Uma História Star Wars
#33 Deadpool 2
#32 Um Corpo que Cai
#31 Stephen King no Cinema
#30 Vingadores: Guerra Infinita
#29 A Franquia 007
#28 Um Lugar Silencioso
#27 2001: Uma Odisseia no Espaço
#26 Jogador Nº1
#25 Planeta dos Macacos
#24 Quentin Tarantino
#23 75 anos de David Cronenberg
#22 Projeto Flórida
#21 Trama Fantasma
#20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
#19 Oito e Meio de Fellini
#18 A Forma da Água
#17 The Post e os filmes de Jornalismo
#16 Indicados ao Oscar 2018!
#15 20 Anos de Titanic
#14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
#13 Melhores de 2017
#12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
#11 Especial Natalino
#10 Assassinato no Expresso Oriente
#9 Onde os Fracos Não Têm Vez
#8 Liga da Justiça
#7 Stranger Things
#6 45 anos de O Poderoso Chefão
#5 Branca de Neve e os Sete Anões
#4 Halloween
#3 Blade Runner / Blade Runner 2049
#2 De Volta Para o Futuro
#1 Os Goonies
#0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos
(Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos, 2018)
• Direção:
- Renée Nader Messora
- João Salaviza
• Elenco Principal:
- Henrique Ihjãc Krahô
- Raene Kôtô Krahô
• Sinopse: Ihjãc, um jovem do povo Krahô, aldeia localizada no interior do Brasil, decide organizar uma festa de fim de luto após receber uma visita do espírito de seu pai.
 FILMES RELACIONADOS
• Antes o Tempo não Acabava
• Ex-Pajé
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2019) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2019)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE
Apoiadores
Promobit: O site para encontrar aquela promoção imperdível