FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Cinquenta Tons de Liberdade

(Fifty Shades Freed, 2018)
Por Rafael W. Oliveira Avaliação:       3.0
O coito final.
imagem de Cinquenta Tons de Liberdade
Não estou entre os grandes detratores de Cinquenta Tons de Cinza. Claro, toda a concepção cênica e ideológica do início da franquia sobre a descoberta do prazer sexual acompanhada de atos supostamente sadomasoquistas era tão pueril quanto questionável em sua representação, mas a primeira a assumir um capítulo da trilogia, Sam-Taylor Johnson, sabia como filmar os enormes espaços luxuosos, límpidos e brancos por onde a história entre Anastasia e Christian passeava, a trilha sonora reunia vozes e compositores competentes (apesar das canções mal encaixadas) e, claro, havia a curiosidade em acompanhar um blockbuster de público fiel abordar o sexo como grande ponto de sua narrativa.

Mas como qualquer objeto de consumo popular que tenha começado sua jornada como uma fanfic, e não ajuda em nada o fato da obra literária original de E.L. James ter nascido como uma releitura da Saga Crepúsculo, a franquia inevitavelmente se tornou alvo dos extremos, dividida entre as(os) consumidoras vorazes das adaptações e os que realmente contestavam o potencial de Cinquenta Tons como uma trama que necessitava do cinema para ser contada. De fato, independente da linguagem pela qual a história chegue até o público, grande parte das deficiências de cada capítulo estão no proposto jogo de ambientação, desenvolvimento e alguma eficácia interna que justifique a explosão das figuras de Ana e principalmente Christian entre o gosto popular (com grande espaço entre o público feminino).

Após as descobertas do primeiro longa e as bizarras aceitações do infame Cinquenta Tons Mais Escuros, resta agora para Ana (Dakota Johnson) e Christian Grey (Jamie Dornan) o desfrutar da convivência à dois após ele ter aberto mão de sua vida desprovida de envolvimentos emocionais e aceitar se casar com a moça recém-desvirginada. E como nem só de “sexo para as mamães” sobrevive um casamento, novos percalços dignamente plagiados de uma novela de Aguinaldo Silva irão se colocar frente à rotina do casal.

Como resultado de um processo de aceitação e mudança entre os dois protagonistas, Cinquenta Tons de Liberdade chega como o ponto de consequência entre o que pode vir após as turbulências emocionais entre o fascínio da estimulação sexual para Anastasia (e que aqui o ponto máximo é meramente um vibrador passeando por partes íntimas) e a auto-permissão de Grey em experimentar o amor, ou algo que o valha para a sua moral de imposições e exigências. O roteiro de Niall Leonard não parece compreender os próprios segmentos que constrói ou como expandi-los para fora do círculo de onde não há o mínimo interesse em escapar, e nisto as quase duas horas de projeção apenas rodeiam entre o anseio de Anastasia de ser uma boa esposa modelo, sem deixar de se impor contra as vontades autoritárias do marido, e a insegurança de Grey em perseguir e controlar insistentemente os passos de sua esposa como se acreditasse que, a qualquer momento, apesar da devoção da mesma, poderá ser abandonado. Coloque ali pelo meio uma trama de vingança e sequestro que irá ocupar menos de um terço da projeção, mas que precisa estar ali para gerar alguma movimentação aos conflitos expostos através de diálogos risíveis, e voilá, Cinquenta Tons de Liberdade está entregue.

É de se reconhecer, entretanto, os esforços do diretor James Foley (de Caminhos Violentos e O Sucesso a Qualquer Preço) em buscar o mínimo de naturalidade entre a interação dos personagens e o desenrolar da narrativa, por mais que seja o próprio material base e as típicas imposições comerciais que impeçam o filme de encontrar sua organicidade. Quando parte para o que há de mais picante, novamente há o mesmo desconforto como resultado da falta de sintonia entre Dakota e Dornan; ele novamente é prejudicado por sua própria falta de empatia e inexpressividade, sempre disposto ao overacting e uma total crença de que tirar a camisa e andar de jeans (se assemelhando muito a um comercial estendido de calças) lhe dará algo mais do que uma posição engessada em cena. 

Aliás, é importante ressaltar o quanto Grey sempre foi o grande elo fraco da franquia, uma vez que é para ele que Anastasia se entrega de corpo (literalmente) e alma. E não falamos aqui somente de seu sadomasoquismo para quem acha que o “papai-e-mamãe” é a posição mais revolucionária do sexo, mas como esse discurso sobre o fetiche entre quatro paredes sempre esteve posicionado como justificativa para comportamentos obsessivos e a falsa sensação de liberdade (é impressionante como qualquer viagem compra Anastasia), derrubada pelos ciúmes constantes de Grey apenas por ela ir tomar drinks com uma amiga ou estar atendendo a um cliente em seu próprio escritório. Felizmente, nada chega ao nível fora do aceitável como a ex-namorada que se ajoelha para Christian como se estivesse enfeitiçada que vimos no longa anterior.

No fim, o clímax entre essa busca do equilíbrio entre o casal mantém o seu aspecto de videoclipe de luxo com suas cenas de sexo higienizadas ao máximo (ou alguém acredita que um close nos seios à mostra de Dakota Johnson quebram essa definição?) e embaladas por uma trilha sonora pop com alguma edição ligeira que tornem tais cenas mais picantes e excitantes do que realmente são. Mas é broxante (sem trocadilhos) como o sexo se torna um mero elemento sem qualquer influência nos conflitos desta vez, algo que nem a inexplicável inserção de um antagonista vingativo e umas cenas de perseguições e chantagens conseguem salvar.
Por Rafael W. Oliveira, em 13/02/2018
Avaliação:       3.0
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 0.0
• Marcelo Leme 5.0
• Rafael W. Oliveira 3.0
•  Média 2.7
Notas - Usuários
3.5/10 (24 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (3)
Por Eduarda Teixeira Cardoso , em 14/02/2018 | 01:38:46 h
Excelente crítica, Rafael! Um tapa na cara dos fãs da trilogia Fifty Shades.
Por Alexandre Koball, em 13/02/2018 | 18:50:16 h
Nota muito alta.
Por Davi de Almeida Rezende, em 13/02/2018 | 17:13:39 h
Parei no título.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #32 Um Corpo que Cai
• #31 Stephen King no Cinema
• #30 Vingadores: Guerra Infinita
• #29 A Franquia 007
• #28 Um Lugar Silencioso
• #27 2001: Uma Odisseia no Espaço
• #26 Jogador Nº1
• #25 Planeta dos Macacos
• #24 Quentin Tarantino
• #23 75 anos de David Cronenberg
• #22 Projeto Flórida
• #21 Trama Fantasma
• #20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
• #19 Oito e Meio de Fellini
• #18 A Forma da Água
• #17 The Post e os filmes de Jornalismo
• #16 Indicados ao Oscar 2018!
• #15 20 Anos de Titanic
• #14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
• #13 Melhores de 2017
• #12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
• #11 Especial Natalino
• #10 Assassinato no Expresso Oriente
• #9 Onde os Fracos Não Têm Vez
• #8 Liga da Justiça
• #7 Stranger Things
• #6 45 anos de O Poderoso Chefão
• #5 Branca de Neve e os Sete Anões
• #4 Halloween
• #3 Blade Runner / Blade Runner 2049
• #2 De Volta Para o Futuro
• #1 Os Goonies
• #0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Cinquenta Tons de Liberdade
(Fifty Shades Freed, 2018)
• Direção:
- James Foley
• Elenco Principal:
- Jamie Dornan
- Dakota Johnson
- Arielle Kebbel
• Sinopse: O terceiro e final capítulo da trilogia Cinquenta Tons de Cinza, inspirado nos romances de sucesso da escritora E.L. James.
 FILMES RELACIONADOS
• Caminhos Violentos
• Cinquenta Tons Mais Escuros
• Cinquenta Tons de Cinza
• Crepúsculo
• O Sucesso a Qualquer Preço
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE