FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Círculo de Fogo: A Revolta

(Pacific Rim: Uprising, 2018)
Por Francisco Carbone Avaliação:       3.5
Prazer culposo sem prazer.
imagem de Círculo de Fogo: A Revolta
A intenção/diversão do criador Guillermo Del Toro a bordo do primeiro Círculo de Fogo era recriar as aventuras orientais envolvendo ataques de kaijus (os típicos monstros destruidores de cidades que construiu o lado mais óbvio da cultura nerd japonesa) dos anos 50 e 60, obviamente para homenagear e também pra pôr na rua mais um sonho de criança ao comandar uma dessas produções. Assim nascia a ideia do original que poderia tranquilamente ter construído uma franquia, que não foi adiante porque o sucesso do filme não veio. Não faltaram méritos próprios, e o filme tinha fãs que compraram a ideia de Del Toro. De visual arrojado, cores fortes e humanização certeira, o primeiro filme tinha muitos acertos mesmo. O tempo passou e Del Toro saiu do comando de sua obra, que recebeu sinal verde dada a força do público oriental. Enquanto construía a história que lhe renderia o Oscar, o novo capítulo seria conduzido pelo estreante Steven DeKnight, um cara responsável por seriados do calibre de Spartacus, Angel e Buffy.

Logo, a premissa de Del Toro (que já abrigava um universo expandido, e com certeza deve ter sido pensada assim) é explorada aqui de maneira ampla e múltipla, num processo que claramente observa o todo ainda muito maior. Logo somos apresentados por uma narração em off ao nosso protagonista: Jake, vivido por John Boyega, é filho do personagem de Idris Elba, que faleceu no capítulo anterior. Ao contrário do pai, o rapaz, se tem talento para seguir seus passos, não tem vocação. Mas isso é relativamente fácil, porque o filme mostra que os robôs 'jaegers' venceram a guerra contra os monstros 'kaijus' e o círculo de fogo foi fechado. Logo, hoje a humanidade vive de estudos da época passada e de um treinamento constante para uma nova ameaça, mesmo que ela não se concretize (são os EUA né, eles podem vencer 20 guerras mas eternamente estarão se preparando para as próximas) e nosso protagonista é encontrado pelo governo nesse início, e como é reincidentes em roubos de ferro-velho robô, não tem escolha e é reenviado para um centro de treinamento, onde obrigatoriamente será mentor de um grupo de jovens cadetes. Bom, aos poucos o filme se justificará, pois obviamente a paz está com os dias contados.

Vamos começar pelas más notícias, já que elas são muitas: os 'kaijus' mal aparecem, praticamente tudo restrito à meia hora final. Ao invés disso, os robôs lutam entre si! Pois é, no estágio da trama, um grupo (que pode ser rebelde ou traidor) dominou alguns 'jaegers', o que os levará a lutar em lados opostos. Sem disfarçar, o novo roteiro cria um jeito de colocar 'jaegers' lutando "onde nunca se viu", então luta no gelo da Sibéria e no fundo do mar. A impressão que dá é que há um esforço para construir gracinhas com esses deslocamentos pelos arredores do planeta como se fosse um filme do 007, com a diferença de que em Círculo de Fogo os lugares diferentes são claramente CGI. A boa notícia aqui nesse caso das lutas é que tudo continua bem explorado, claro e com boa visibilidade, tratando os grafismos de maneira eficiente e mantendo o visual definido e despoluído em suas linhas de design.

Outra má notícia? Bom, os 'jaegers' agora se movimentam praticamente como uma pessoa normal, sem qualquer dificuldade. O que significa que eles correm, lutam, pulam sem qualquer esforço de peso, mesmo tendo algumas toneladas provavelmente. Isso deu agilidade ao filme, mas jogou a pá de cal na verossimilhança. Mas... bem... são monstros e robôs né? Deixa essa tal verossimilhança pra lá... mas a suspensão da descrença não pode ser desligada em nenhum momento. Ah, por conta dessa conquistada agilidade, o filme "homenageia" Michael Bay (esse abertamente até) e Zack Snyder a profusão, detonando prédios a torto e direito sem qualquer preocupação com as milhares de vidas que com certeza foram perdidas no filme e nos mais de 50 prédios que vão abaixo como se fossem de papel. Ponto positivo para quem queria ação descerebrada non stop.

Quanto ao material humano na frente e atrás das câmeras... bem, o roteiro do filme entope a produção com a tal equipe de jovens cadetes, onde todos têm ao mesmo tempo personalidade e nenhuma profundidade, um grupo de estereótipos no mais. O personagem de Boyega e sua relação com uma jovem ladra que acaba caindo também nos treinamentos é boa e humana; já os retornos de Rinko Kikuchi e Charlie Day estão níveis contrários, ela desperdiçada e ele super exposto. Além disso há uma tentativa de criar um triângulo amoroso entre Boyega, Scott Eastwood e Adria Arjona que simplesmente não faz qualquer sentido e é bem sem graça. Logo, o elenco nem tem culpa do filme ter seus muitos baixos e pouquíssimos altos; não é um filme de elenco, na verdade tudo é um dispositivo meio vagabundo de desfilar um sem número de efeitos especiais bacanas em contexto aleatório e repetitivo. A primeira experiência do tal DeKnight pode até ter um certo retorno de bilheteria ou funcionar como um 'guilty pleasure', mas é difícil encontrar prazer quando o maestro condutor resolveu apenas repetir a cartilha do gênero sem qualquer traço novo. Da expressão, só fica a culpa.
Por Francisco Carbone, em 22/03/2018
Avaliação:       3.5
Notas - Equipe
• Francisco Carbone 3.5
•  Média 3.5
Notas - Usuários
5.1/10 (26 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (2)
Por Mateus da Silva Frota, em 06/06/2018 | 15:25:50 h
"são os EUA né, eles podem vencer 20 guerras mas eternamente estarão se preparando para as próximas"

hahahahaha
Por Alexandre Koball, em 22/03/2018 | 10:53:05 h
Não lembro nada do primeiro, só que foi surpreendentemente divertido (bem melhor que a franquia Transformers). Esse novo deve seguir o mesmo caminho, mas sem a "novidade", aí complica mesmo.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
#49 Neorrealismo Italiano
#48 O Exorcista
#47 Wall-E
#46 The Last of Us
#45 60 anos de Tim Burton
#44 Meu Amigo Totoro
#43 Missão: Impossível - Efeito Fallout
#42 Filmes da Sessão da Tarde
#41 Batman: O Cavaleiro das Trevas
#40 100 anos de Ingmar Bergman
#39 Os Incríveis 2
#38 Era Uma Vez no Oeste
#37 Jurassic Park e Jurassic World
#36 O Bebê de Rosemary
#35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
#34 Han Solo: Uma História Star Wars
#33 Deadpool 2
#32 Um Corpo que Cai
#31 Stephen King no Cinema
#30 Vingadores: Guerra Infinita
#29 A Franquia 007
#28 Um Lugar Silencioso
#27 2001: Uma Odisseia no Espaço
#26 Jogador Nº1
#25 Planeta dos Macacos
#24 Quentin Tarantino
#23 75 anos de David Cronenberg
#22 Projeto Flórida
#21 Trama Fantasma
#20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
#19 Oito e Meio de Fellini
#18 A Forma da Água
#17 The Post e os filmes de Jornalismo
#16 Indicados ao Oscar 2018!
#15 20 Anos de Titanic
#14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
#13 Melhores de 2017
#12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
#11 Especial Natalino
#10 Assassinato no Expresso Oriente
#9 Onde os Fracos Não Têm Vez
#8 Liga da Justiça
#7 Stranger Things
#6 45 anos de O Poderoso Chefão
#5 Branca de Neve e os Sete Anões
#4 Halloween
#3 Blade Runner / Blade Runner 2049
#2 De Volta Para o Futuro
#1 Os Goonies
#0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Círculo de Fogo: A Revolta
(Pacific Rim: Uprising, 2018)
• Direção:
- Steven S. DeKnight
• Elenco Principal:
- John Boyega
- Cailee Spaeny
- Scott Eastwood
• Sinopse: Jake, filho de Stacker Pentecost, se tornou um negociante de peças roubadas no mercado negro, após abandonar a carreira de piloto. Mas o Corpo de Defesa da Pan-Pacific quer lhe dar o cargo de instrutor, e negocia uma troca pela sua condenação. E so...
 FILMES RELACIONADOS
• Angel
• Círculo de Fogo
• Spartacus
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE