FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Clash

(Eshtebak, 2016)
Por Francisco Carbone Avaliação:               7.5
A falta de entendimento interno e externo.
As cartelas iniciais nos colocam a par do momento egípcio onde o filme Clash se situa, logo após os eventos de junho de 2013 quando o presidente Hosni Mubaraki renunciou ao cargo. Conflitos civis eclodiram no país e o filme irá acompanhar um desses dias num ponto de vista bem inusitado. O cineasta local Mohamed Diab (do igualmente exasperante Cairo 678) consegue com seu novo filme um feito invejável, que poucos cineastas ousam tentar: prender cerca de 15 personagens num espaço exíguo de uma cela-móvel em uma van policial e criar não apenas tensão, como também interesse contínuo. Como os personagens que gradativamente chegam até o mesmo espaço, a câmera está confinada nesse ambiente que durante a projeção mudará de característica a cada novo viés proposto por Diab, que manuseia o público de maneira muito inteligente. 

Do elenco coral, Diab vai quebrando nossas percepções ao intercalar visões daquele mundo. De um lado, o grupo Irmandade Islâmica; do outro, pessoas a favor do exército e das forças oficiais; entre eles, alguns outros que só anseiam sobreviver e resistir aos conflitos de forma pacífica. Esses universos tão dispares presos no mesmo ambiente durante um dia promovem todo tipo de interação possível. Do conflito inicial esperado, violento e abrupto, vamos passando por outros lugares comuns das relações interpessoais de hoje em dia, uma representação gráfica de como observamos a nossa "bolha". Pessoas gritando, pessoas descontroladas, pessoas apaziguadoras, enquanto outras lutam e se descabelam: o retrato da maior parte das timelines de qualquer rede social. Um dos méritos de Diab é transpor essa realidade para fora do virtual. 

Com uma realização que intercala planos contínuos a uma montagem febril e pulsante, estamos literalmente no olho do furacão. Se no longa anterior o diretor já tinha trabalhado com o conceito do espaço fechado como vetor de conflitos, dessa vez ele centraliza sua trama inteiramente em um espaço fechado, e o coloca tanto como testemunha ocular dos acontecimentos, quanto como seu palco. O que poderia representar o maior problema da produção é travestido de qualidade nas escolhas precisas de Diab como realizador e sua mão cheia para radiografar tensão. Num registro naturalista e acessível, o filme apresenta seu elenco coral com muita propriedade, dando a possibilidade do público se identificar com cada uma das personagens e dilemas apresentados, um mérito também do roteiro. Em pouco tempo mesmo integrantes das forças armadas estarão compelidos a observar os manifestantes de forma mais compassiva, porque mesmo eles já estarão do outro lado. 

Tendo aberto a Un Certain Regard do Festival de Cannes 2016, provavelmente foram as características políticas que levaram o filme à Croisette. Através do retrato objetivo e cheio de humanidade pintado por Diab, cada personagem em cena importa e vai imprimindo registros morais completamente diferentes do lugar onde eles se encontram no final. A relação silenciosa que um menino lida com seu adversário em um jogo da velha é uma das chaves emocionais potentes acionados por Diab na condução de sua narrativa. Ajudam também a sublinhar o longa com eficiência o trabalho do som, uma reconstrução fiel de um dia explosivo e repleto de adrenalina que dá quase uma conotação de cinema de gênero a um autor muito disposto a olhar pro seu país e ver não apenas o mundo todo, como também principalmente ver um retrato da ausência de união nos dias de hoje em qualquer lugar, do Egito ao Brasil. 
Por Francisco Carbone, em 08/05/2017
Avaliação:               7.5
Notas - Equipe
• Francisco Carbone 7.5
•  Média 7.5
Notas - Usuários
8.1/10 (4 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #002 De Volta Para o Futuro
• #001 Os Goonies
• #000 O Piloto
 LEIA TAMBÉM

 FICHA DO FILME

 Clash
(Eshtebak, 2016)
• Direção:
- Mohamed Diab
• Elenco Principal:
- Nelly Karim
- Hani Adel
- El Sebaii Mohamed
• Sinopse: Passado inteiramente em um caminhão da polícia que não mede mais do que oito metros, vários detentos de opiniões políticas e origens sociais distintas enfrentam o seu destino inevitável, durante os acontecimentos que se seguiram após a queda do presi...
 FILMES RELACIONADOS
• Cairo 678
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE