FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
CRÍTICA

Colateral

(Collateral, 2004)
Por Alexandre Koball Avaliação:             6.0
Um filmaço de Michael Mann... até seu final extremamente clichê.

Colateral é magistralmente dirigido.  Pudera: Michael Mann é quem está na cadeira do diretor. Seguindo seu estilo realista, ele sabe contar a história com um clima de documentário que parece que toda a ficção encontrada em suas histórias realmente pode ter ocorrido na vida real. O início do filme é a melhor parte, quando Mann consegue desenvolver e criar um clima promissor para a história e seus personagens. Infelizmente, a partir de sua metade (e em alguns momentos já antes dela), o roteiro cai em clichês escandalosos e termina como um suspense policial que qualquer diretor menor poderia ter produzido. Uma pena.

As interpretações, como em todos os filmes do diretor, são magistrais. Acredito que ele tenha o dom para dirigir seus atores, ou pelo menos maquiar interpretações comuns através de suas lentes apuradas. Tom Cruise faz o vilão, pra variar um pouco. Mas não é um personagem tão diferente de seu repertório, afinal o mesmo estilão boa pinta, moderno e dono de si continua presente aqui. O real protagonista do filme é Jamie Foxx, que faz Max, um motorista de táxi experiente que acaba se encontrando por "sorte" com Vincent (Cruise), um assassino profissional no auge de uma importante missão. Max acaba sendo refém de Vincent durante tal missão. Será uma noite infernal de muitos assassinatos, discussões filosóficas sobre a importância da vida humana e o descaso entre as pessoas e, claro, tiroteios policiais.

O roteiro é cheio de altos e baixos. Pelo menos a premissa inicial é interessante. Mas ele acaba recorrendo a clichês irritantes, inocentes e que um diretor como Michael Mann não deveria aceitar dirigir. Só vou citar um exemplo: a cena em que Vincent e Max são parados por uma viatura e, na hora H da revista do porta-malas, os policiais são chamados pelo rádio para "resolverem um caso de emergência". Para não falar de toda a sequência final, um lugar-comum dos filmes policiais que não condiz com o bom nome de Mann. Fogo Contra Fogo é uma obra prima do gênero, Colateral dificilmente conseguiria se igualar, mas poderia ter sido executado de forma bem melhor. Uma boa enxugada no roteiro teria sido de suma importância para transformar Colateral em um ótimo filme. Algumas cenas, mesmo assim, são geniais: a cena em que Max pára seu taxi para deixar dois coiotes atravessarem a rua, em um momento de grande tensão para os personagens, simboliza toda a diferença que os dois possuem como seres-humanos. Esplêndido.

Os coadjuvantes não são de muita importância para a história. Jada Pinkett Smith, como a advogada Annie, tem a maior função, que é criar o clima para desenvolver o personagem de Max, o que é conseguido com um timing perfeito pelo diretor. A partir daí, foi criado um clima de tensão crescente entre os personagens, pena que, como já foi citado, todo o miolo e o final do filme sejam irregular e não muito interessantes (ficando, inclusive, entediante em alguns momentos). Mas o melhor do filme mesmo é a sua direção. Mann conseguiu fazer a partir do roteiro irregular um trabalho excepcional, assim como havia criado uma biografia de Ali não lá muito interessante em um bom filme sobre o pugilista em 2001.

Michael Mann é um daqueles diretores dos quais seus filmes são facilmente identificáveis pelo estilo visual e/ou narrativo. É só passar o olho em uma cena e você já sabe que está vendo "um filme do cara". Só para citar mais um exemplo, Tim Burton é outro diretor de identidade visual própria, ainda mais intensa e única que a de Mann, mas isso é outra história. Em colateral Mann nos mostra uma Los Angeles de amplitude enorme, mas sem um pingo de humanidade. A cidade não é retratada como um lugar de sonhos, como ocorre nos filmes geralmente. Os personagens, ainda que estereotipados pelo roteiro - ladrões, traficantes, mafiosos - são tão frios quanto a cidade. Não é um filme bonito de se ver. E o estilo Mann, com sua câmera na mão e fotografia escura (mas em belíssimo contraste com as luzes da cidade), ajuda a passar uma sensação de desconforto. Um desconforto que significa que o objetivo foi atingido. Ponto para o filme!

Uma curiosidade para os amantes do cinema: filmes como Sem Novidades no Front e Testemunha de Acusação são citados pelos personagens de diversas formas. Mann é, além de um ótimo diretor, um conhecedor do bom cinema. Se tivesse se livrado dos maiores clichês Colateral seria um filmão. Mas não dá pra exigir muito de qualquer forma. Afinal, creio que nos dias atuais, poucos filmes policiais conseguem ser totalmente alheios a estes, e mesmo obras ótimas como Narc têm elementos já aproveitados exaustivamente por tantos outros títulos no mercado. É, ainda assim, um filme acima da média, que vale ser recomendado para quem é fã de policiais.

Por Alexandre Koball, em 01/09/2004 Avaliação:             6.0
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 6.0
• Daniel Dalpizzolo 7.5
• Rodrigo Cunha 7.0
• Régis Trigo 7.0
• Silvio Pilau 8.0
• Vlademir Lazo 8.5
• Heitor Romero 8.0
•  Média 7.4
Notas - Usuários
7.6 (537 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (4)
Por Cristian Oliveira Bruno, em 23/11/2013 | 18:43:13 h
Um filmaço!! A química entre Cruise e Foxx é ótima. Os clichês sempre irão diminuir uma obra dessas pois, esperamos um final à altura de tudo que nos foi apresentado até então.
Por Raphael da Silveira Leite Miguel, em 16/05/2013 | 01:22:45 h
Concordo que a crítica foi um pouco pesada com o filme, alguns clichês são justificáveis como o Alexandre apontou, aliás, o que ele disse é a grande mensagem do filme.

Atualmente não surgem policiais tão bons como esse...
Por Alexandre Barbosa da Silva, em 09/11/2012 | 04:08:55 h
Concordo com o vinícius aranha. Um filme incompreendido. Embora tenha seus clichês meio sem motivo (como a cena dos policiais que o koball falou), a maioria das "coincidências" e deus ex machina do filme são propositais e totalmente justificáveis dentro da história. O filme fala algumas vezes sobre acaso, sobre a vida ser curta e poder acabar a qualquer momento e sobre a importância de se fazer o que se quer ao invés de arrumar desculpas para correr atrás dos sonhos, e isso ajuda a prover significado as coincidências e clichês. Não é que o roteirista criou a história dessa forma por que estava com preguiça de inventar formas mais criativas de tirar (ou colocar) seus personagens de situações complicadas.
Por Vinícius Aranha, em 18/09/2012 | 14:09:04 h
Incompreendido.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Colateral
(Collateral, 2004)
• Direção:
- Michael Mann
• Elenco Principal:
- Tom Cruise
- Jamie Foxx
- Jada Pinkett Smith
• Sinopse: Vicent é um matador de aluguel de alta classe que é contratado para fazer alguns serviços durante uma única noite na cidade de Los Angeles. Seu envolvimento com o taxista Max é iminente a partir do momento em que Vicent entra em seu táxi para cumprir...
 FILMES RELACIONADOS
• Fogo Contra Fogo
• Testemunha de Acusação
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2014) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
MAPA DO SITE
ANUNCIE CONOSCO