FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Com Amor, Van Gogh

(Loving Vincent, 2016)
Por Heitor Romero Avaliação:               7.5
Sonhos em pinturas a óleo.
imagem de Com Amor, Van Gogh
A animação Com Amor, Van Gogh (Loving Vincent, 2016) já denuncia em seu próprio título o caráter de homenagem e tributo a um dos maiores artistas de todos os tempos. Anunciada como revolucionária, por misturar a técnica de rotoscopia sobreposta por milhares de pinturas feitas à mão por uma equipe diversa de animadores, a iniciativa chama a atenção principalmente pela aproximação que procura trazer entre o cinema e a pintura, artes tão distintas e mesmo assim cheias de pontos em comum. Retratando os últimos anos de vida do pintor holandês, os diretores Dorota Kobiela e Hugh Welchman resumem toda a empreitada na simples ideia de declaração de amor à arte. 

As características barrocas de Van Gogh inspiram não de hoje inúmeros cineastas em composições de quadro, e inclusive muitos se sentiram motivado a fazer homenagens diretas a ele, como Woody Allen em Meia-Noite em Paris (Midnight in Paris, 2011), Akira Kurosawa e Martin Scorsese em Sonhos (Yumi, 1990), Maurice Pialat em Van Gogh (idem, 1991), além de uma cinebiografia dirigida por Robert Altman e estrelada por Tim Roth também nos anos 1990. Contudo, a experiência mais física e próxima entre o cinema e a arte do pintor tinha sido realizada em um curta experimental do francês Alain Resnais nos anos 1940, no qual ele partida dos quadros estáticos de Van Gogh e lhes adicionava os movimentos e insinuações de histórias próprios do cinema. 

Ao contar a história do próprio artista por meio de suas pinturas, a animação de Kobiela e Welchman tem como ambição refletir os sentimentos e histórias dele em suas próprias manifestações artísticas. A escolha da animação como gênero não é mera coincidência ou sequer se resume a uma ambição de aproximar estética e estilisticamente frames de cinema com imagens pintadas, mas sim uma opção que potencializa ao máximo o alcance das pinceladas de Van Gogh. Muito adepto de retratar naturezas-mortas através de cores vibrantes e traços expressionistas, o pintor atribuía uma atmosfera onírica a paisagens comuns. Essa impressão de uma visão particular sobre o cotidiano, própria de qualquer artista, casa muito bem com a tradição do cinema de animação, o mais livre que pode existir em cores, traços, ângulos, formas e texturas. 

O chamariz de toda a produção está na dificuldade e perícia técnica em captar digitalmente a expressão de atores e aplicar sobre esses esboços as camadas de tinta a óleo de forma artesanal, um trabalho minucioso e detalhista que mistura o vintage com o moderno. O resultado é uma atmosfera de estranheza e beleza incomum, capaz de revelar tanto sua modernidade e vanguarda quanto sua raiz old fashion. Mas a maior beleza em Com Amor, Van Gogh reside na fidelidade com que os diretores captaram a alma da obra original do pintor e a preservaram em cada frame do filme, sem necessariamente soar como um pastiche sem imaginação. 

Há momentos em que tudo se perde no deslumbramento com o próprio universo e isso por vezes impede o avanço da narrativa, mas é muito difícil não se deixar levar pelo poder dessas imagens, o que torna quase todos os deslizes perdoáveis, lembrando que é muito próprio de obras pioneiras como esta cair cedo ou tarde em situações de desorientação e falta de domínio completo de criação, como se a própria arte ganhasse em determinado ponto vida própria e fugisse do alcance de seus criadores. Diante de um cinema de animação cada vez mais limitado e pouco imaginativo, de visual cada vez mais padronizado, é um alívio ver o respiro que experimentações como essa trazem, além da nova oportunidade de conhecer em mais detalhes de composição e processo criativo a mente de um dos maiores gênios de todos os tempos.  
Por Heitor Romero, em 22/11/2017
Avaliação:               7.5
Notas - Equipe
• Daniel Dalpizzolo 4.0
• Heitor Romero 7.5
•  Média 5.8
Notas - Usuários
7.3/10 (14 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #10 Assassinato no Expresso Oriente
• #9 Onde os Fracos Não Têm Vez
• #8 Liga da Justiça
• #7 Stranger Things
• #6 45 anos de O Poderoso Chefão
• #5 Branca de Neve e os Sete Anões
• #4 Halloween
• #3 Blade Runner / Blade Runner 2049
• #2 De Volta Para o Futuro
• #1 Os Goonies
• #0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Com Amor, Van Gogh
(Loving Vincent, 2016)
• Direção:
- Dorota Kobiela
- Hugh Welchman
• Elenco Principal:
- Saoirse Ronan
- Helen McCrory
- Aidan Turner
• Sinopse: A vida de Vincent Van Gogh, contada através de mais de 55 000 fotografias, pintadas à mão por 30 artistas, feitas especificamente para parecerem que todo o filme se passa dentro dos quadros do pintor holandês.
 FILMES RELACIONADOS
• Meia-Noite em Paris
• Sonhos
• Van Gogh
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE