FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Corpo e Alma

(Teströl és lélekröl, 2017)
Por Francisco Carbone Avaliação:               7.5
Doce estranheza.
imagem de Corpo e Alma
Observar a trajetória anterior e o que provavelmente virá em torno de Ildikó Enyedi é uma tarefa interessante tanto como crítico quanto como cinéfilo. De filmografia curta, porém restrita a sua Hungria natal, Ildiko tem 62 anos e está na ativa há pelo menos 30 anos como realizadora. Há quase 20 anos não entregava um novo longa-metragem, e na década passada apenas dirigiu episódios de uma série local. Na Hungria, Ildikó tem toda uma importância, embora isso não se reverta em realização cinematográfica constante nos últimos 18 anos. 

Porque a diretora, que em seu segundo longa-metragem há quase 30 anos ganhou o prestigiado Camera D'Or em Cannes, foi escasseando depois disso até sumir? A verdade é que Ildikó chegou a Berlim esse ano pela primeira vez na competição, com seu oitavo longa e condição de azarona. Saiu de lá com uma unanimidade rara, diria até raríssima: Urso de Ouro, FIPRESCI e júri ecumênico, todos para Corpo e Alma, sua alegoria romântica que vai deixando de ser estranha aos poucos para ser apenas terna.

O filme causa estranheza por se tratar de uma aparente história de amor (ou que irá se tornar de amor) passada num matadouro bovino. Não, Ildikó não ameniza o público do lugar onde está, e ao menos uma cena explícita retratando a rotina local faz um estômago mais fraco revirar. O curioso é que o roteiro "brinca" com essa situação, quando durante a contratação de um novo funcionário o chefe de departamento avisa a ele que deveria desistir do trabalho se não estava preparado para a realidade dali. Esse mesmo chefe é um dos protagonistas da trama, um homem solitário com o braço esquerdo paralisado, de mais de 50 anos, e que leva seu trabalho de forma mecânica, porém sem grandes arroubos de sonhos. Até a chegada de uma nova inspetora de qualidade, extremamente "caxias" e enérgica, além de muito fechada, que vai desestabilizar logo de cara tanto o ambiente de trabalho quanto principalmente nosso herói.

Ildikó sabe retrabalhar a estranheza que seu filme propõe. Ela apresenta um quadro de coloquialidade que vai sendo desconstruído e retransformado em algo fantástico, mas nada inacessível ou bizarro. É algo esquisito, porém doce, e bem gradual para não afastar ninguém. Quando finca os pés nesse lugar, sem ninguém notar, Ildikó começa a fazer o caminho de volta rumo a "vida real", e os protagonistas começam a desenhar possibilidades concretas para além do onírico. Isso não significa felicidade, mas apenas um quadro reconhecível para qualquer público. No fim das contas não consigo entender o choque inicial das pessoas com o filme, visto que ele é bem tranquilo e suave, talvez até demais. Acho as premiações de Berlim inclusive mais curiosas do que necessariamente merecidas, ainda que eu não tenha visto muito da competição até agora. É uma vitória surpreendente e ao mesmo tempo delicada, o que raramente acontece em festivais europeus.

O filme lida basicamente com os desvalidos emocionais e talvez por isso estereotipe um tanto o grupo de pessoas retratadas, sejam os protagonistas ou seus coadjuvantes. Apesar disso, os protagonistas são tão fluidos e simpáticos, tão rapidamente compramos aquela realidade melancólica, mas que ainda assim não é amarga ou contestada, apenas o roteiro dá um tratamento naturalista a duas pessoas comuns e suas idiossincrasias. A direção de Ildikó é clara e sem maquiagem excessiva, e atinge graus de lirismo nas sequências de sonho que unem os personagens centrais. A estranheza calculada ainda assim é sedutora e ajuda o filme a ter um diferencial, que raramente vemos alcançar um topo de conversas. Essa busca pela simplicidade dentro de um universo desenhado como 'abstrato' transforma a experiência de conhecer o talento de Ildikó Enyedi numa procura por mais (e pelos anteriores) e a vontade de saber o que ela poderá fazer agora no topo, quando o júri de Paul Verhoeven decidiu fazer por ela o que todo festival deveria fazer por um cineasta: jogar luz. 

Visto no Festival do Rio 2017
Por Francisco Carbone, em 17/10/2017
Avaliação:               7.5
Notas - Equipe
• Francisco Carbone 7.5
•  Média 7.5
Notas - Usuários
aguardando 3 votos
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #007 Stranger Things
• #006 45 anos de O Poderoso Chefão
• #005 Branca de Neve e os Sete Anões
• #004 Halloween
• #003 Blade Runner / Blade Runner 2049
• #002 De Volta Para o Futuro
• #001 Os Goonies
• #000 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Corpo e Alma
(Teströl és lélekröl, 2017)
• Direção:
- Ildikó Enyedi
• Elenco Principal:
- Géza Morcsányi
- Alexandra Borbély
- Zoltán Schneider
• Sinopse: Maria é uma recém contratada de um abatedouro. Mulher reservada, acaba descobrindo, ao aproximar-se de seu chefe, que eles possuem os mesmos sonhos. Juntos, tentam realizá-los.
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE