FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Corpo Elétrico

(Corpo Elétrico, 2017)
Por Bernardo D.I. Brum Avaliação:             6.5
Pequenas transformações.
imagem de Corpo Elétrico
Dotado de má vontade, um espectador pode até ser tentado a definir que o longa-metragem de estréia de Marcelo Caetano como um daqueles filmes onde “nada acontece”. Mas tal impressão pode ocorrer por justamente sempre ter algo acontecendo na vida dos seus personagens. O dia-a-dia do jovem desenhista de roupas Elias não tem uma perturbação central que o jogará em uma jornada de protagonismo individual que ruma para uma catarse, mas várias pequenas revoluções que juntam costuram o que é percebido por sua rotina. Em um certo sentido, o filme passado em São Paulo e dirigido por um mineiro tem semelhanças com um certo nicho recente do nosso cinema - egresso dos curtas, Caetano trabalhou como diretor de elenco em Aquarius e assistente de direção em Boi Neon e Tatuagem

Do filme de Kléber Mendonça Filho, parece ter tirado o estudo de personagem intenso. Do longa sobre vaquejada de Gabriel Mascaro, a observação de uma realidade crua e alienante minando a sensibilidade de um indivíduo; e do longa sobre homossexualidade durante a ditadura de Hilton Lacerda, o olhar extremamente íntimo e naturalista sobre seus personagens. 

Um destaque de Corpo Elétrico é justamente evitar a teatralidade tanto em seu roteiro - sem viagens psicológicas com pontos culminantes - quanto na linguagem de sua direção, apostando não em movimentos de câmera e cortes que dialoguem, mas sim longos planos sequência que podem dar conta de conversas, mas também centram-se exaustivamente sobre olhares, silêncios e inquietações. 

Testemunhar o relato de um acontecimento muitas vezes é para Caetano mais importante do que narrar eventos excepcionais em si. Pois dentro de Elias, que divide o tempo entre seus muitos relacionamentos com ex-namorados, flertes de boates e casos atuais,  seu trabalho em uma confecção e as idas à bares e festas com colegas de trabalho, há outros filmes existindo.

Quando vemos uma cena onde flerta com o segurança de o shopping, não vemos todo esse relacionamento em sua plenitude; ele terá a metade supostamente mais interessante para outros filmes contado na cama do ex-namorado, onde entre cigarros e desvios do assunto original tal momento especial dentro do seu cotidiano ganha contornos de mais uma experiência que afeta seu corpo presente na câmera. 

Corpo esse que é desnudado logo na segunda cena, fisicamente. Que é desnudado enquanto personagem e pessoa em breves esboços de conflito que a trama pinga aqui e ali de maneira algo artificial e didática, pois destoam das conversas naturalistas mas não apresentam maiores consequências. 

Com Hilton Lacerda como roteirista, o drama de observação aborda o mundo operário e LGBTQ de maneira não excludente. Aos poucos descobrimos as origens de Marcelo, seus interesses e suas falhas não apenas através de seus relatos e de suas respostas mas de suas ações. Quando leva sem pedir tecidos que foram jogados fora no depósito de sua confecção para drag queens de periferia (interpretadas por Márcia Pantera e MC Linn da Quebrada), conhecemos não apenas seu círculo social, mas sua generosidade, sua disposição de colocar a necessidade dos outros antes da sua. 

Da mesma forma, quando é reticente em uma reunião com o chefe, não sabendo planejar seu futuro, ou quando é deliberada e assumidamente responsável contemplamos sua falta de ambição, sua falta de vontade em transcender as próprias barreiras; o mundo onde vive têm pessoas leais, que o tratam bem e lhe tem amizade. Entre suas muitas saídas para beber, seja com todos os colegas, com o imigrante de Guiné-Bissau Fernando, coleciona revelações para si; após sair com as drags, explora sua sexualidade de maneira não vista antes nem depois; quando sai com os colegas, tanto reafirmações quanto desavenças vêm à tona; junto com o colega imigrante, descobre que não o atrai sexualmente mas que tem sua amizade.

Com o título extraído do poema de Walt Whitman “Eu Canto o Corpo Elétrico”, exaltação do poeta americano aos trabalhadores do mar e sua glória física em trabalhar no campo, o filme de Caetano muito recorda em um estado ainda amadurecendo trabalhos de chineses mestres da observação como Wang Bing, Jia Zhang Ke e Tsai Ming-Liang, que cultivam um interesse quase documental em estudar seu personagem, observando-os antes de desenvolverem e sendo alguns dos principais responsáveis por divulgar ao mundo apenas por seus longos silêncios e câmeras incisivas a transformação da sociedade e dos indivíduos da China nas últimas décadas. 

Amadurecendo porque mesmo terminando de forma abrupta, o longa já esticava-se em seu ponto (“dessacralizar o sexo”, como define o diretor em matéria para o UOL, tornando-o normal e parte da vida) de maneira redundante, esboçando mas não resolvendo conflitos, sendo que a emoção de seu filme vem toda da observação, da mágica dos pequenos momentos, de nunca atravessar um cena sem levar algo da mesma. Quando quer sugerir a constatação de algo, provando um ponto, o filme cai; quando apenas observa em sua economia formal, sabe trabalhar a naturalidade para despertar o interesse de olhos e ouvidos muito bem, nos fazendo caminhar lado a lado de um Brasil ignorado. Ainda fica aquém do que poderia ter sido, mas cultiva elementos de um projeto de uma filmografia autoral que começa de maneira mais discreta e mais bombástico que muito de seus colegas, sendo portanto uma obra de interesse para se pensar os rumos que nosso cinema esboça para o futuro. 
Por Bernardo D.I. Brum, em 16/08/2017
Avaliação:             6.5
Notas - Equipe
• Daniel Dalpizzolo 4.0
• Heitor Romero 7.0
• Bernardo D.I. Brum 6.5
• Felipe Leal 3.5
•  Média 5.3
Notas - Usuários
6.0/10 (19 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #007 Stranger Things
• #006 45 anos de O Poderoso Chefão
• #005 Branca de Neve e os Sete Anões
• #004 Halloween
• #003 Blade Runner / Blade Runner 2049
• #002 De Volta Para o Futuro
• #001 Os Goonies
• #000 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Corpo Elétrico
(Corpo Elétrico, 2017)
• Direção:
- Marcelo Caetano
• Elenco Principal:
- Kelner Macêdo
- Lucas Andrade
- Welket Bungué
• Sinopse: Elias trabalha como assistente da estilista Diana numa confecção de roupas femininas. Ao se ver apaixonado por Filipe, um imigrante africano que trabalha na linha de produção, ele começa a organizar festas de equipe para ter motivos extras para encon...
 FILMES RELACIONADOS
• Aquarius
• Boi Neon
• Tatuagem
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE