FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Crônica de um Verão

(Chronique d'un Été, 1961)
Por Francisco Carbone Avaliação:                     10.0
A verdade, de acordo com o cinema.
imagem de Crônica de um Verão
O Olhar de Cinema desse ano não forneceu apenas ao espectador uma homenagem aos cineastas Djibril Diop Mambéty e Jean Rouch, mas acima de tudo um intensivo para conhecer e captar a essência do que esses dois autores comunicaram. Assumo minhas deficiências anteriores ao festival com Rouch, mas saí dele com sede do cineasta e etnografo francês, que viveu anos no Níger como arquiteto e lá, fascinado pelos hábitos e principalmente pela população local, criou uma série de filmes e dispositivos fílmicos particulares, que permitiram não apenas que o seu nome fosse usado hoje como referência no cinema, como também moldasse o próprio cinema a partir de seus experimentos.

Crônica de um Verão se enquadra entre os títulos principais de sua carreira, talvez o mais estudado e referenciado. A resposta para tal está no próprio filme, que justifica tudo a respeito de Rouch e seus métodos. Ao lado e com a ajuda do sociólogo Edgar Morin (que acaba assinando a direção do longa junto com ele), o francês parte de uma pergunta muito simples - "você é feliz?" - para criar discussões e alternativas muito especiais sobre o momento que a França vivia em 1961, 7 anos antes dos acontecimentos de maio de 68, que já eram uma inquietação do povo ali. Ao mesmo tempo, Rouch não se furta em voltar a flertar com a inter-relação étnica que cerca sua filmografia, observando os diferentes olhares entre europeus e africanos em contexto tão direto, que se complexifica ao longo da projeção. 

A ideia dos autores ao propor tal pergunta era fazer um painel do estado de espírito da época, e a partir dele montar leituras mais profundas de personagens específicos. As pessoas passam a ser abordadas na rua por duas das personagens (uma delas, Nadine, estrela também A Pirâmide Humana) e se saem com tiradas cada vez mais reais e menos posadas, e a base da melancolia do tempo começa a ser feita. Após essas questões, o filme se debruça então nos seres individualizados, que vão forçar a pergunta rumo a um desdobramento filosófico muito imperceptível, onde cada um relata seu cotidiano, suas perdas e ganhos, e assim acabam por criar uma teia psicológica inerente à França dos anos 60, um caldeirão de inquietações e frustrações que não poderia realmente ter um prosseguimento tranquilo.

Dentro das possibilidades criadas, fica claro como o interesse pelo humano e as conexões que criamos são a matéria-prima do 'cinema verité' que Rouch cunhou (inclusive literalmente; a palavra aparece pela primeira vez em audiovisual aqui), e que tem como base não apenas descortinar as relações humanas, mas criar integração entre esse interesse e o fazer cinematográfico por excelência, em imagens tão bem pensadas quanto poderiam ser. Rouch não apenas tinha excelentes argumentos para seus longas, mas essencialmente conseguia revestir em suas análises critérios e motivações que apenas o cinema pode compreender. O momento em que Angelo, um francês empregado de uma fábrica da Renault, e Landry, africano também visto anteriormente em A Pirâmide Humana, se conhecem é uma das cenas que definem não apenas o filme, como também todo o processo de estudo gerado pelo mesmo, assim como o encontro com Marilou, mulher jovem de emocional instável que versa sobre sua própria desintegração emocional. Talvez sejam esses três personagens que movem o longa até sua reflexão final.

Hoje em dia é fácil observar obras de Eduardo Coutinho, João Moreira Salles, Sarah Polley e tantos outros e perceber de onde vieram essas questões que perpassam tais autores. Assim como a ideia do cinema verdade, Rouch definiria aqui um modelo muito próprio de realizar cinema e construir o máximo em reflexão com o aparentemente mais simples em realização. As sequências finais, onde eles levam seus personagens para acompanhar uma exibição particular do filme, e as conclusões entre ele e Morin, enquanto caminham em círculos, são daqueles momentos do cinema onde tudo vale a pena e faz sentido, onde cada discussão se faz válida e onde a sala escura justifica a paixão e a obsessão de tanta gente por aqueles momentos que nos prendem à experiência de filmar corpos e matérias, para projeta-los depois.

Filme visto no Olhar de Cinema de Curitiba
Por Francisco Carbone, em 17/06/2018
Avaliação:                     10.0
Notas - Equipe
• Francisco Carbone 10.0
•  Média 10.0
Notas - Usuários
7.9/10 (19 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
#69 Indicados ao Oscar 2019
#68 Creed II
#67 Vidro
#66 Homem-Aranha no Aranhaverso
#65 WiFi Ralph e O Retorno de Mary Poppins
#64 Melhores Filmes de 2018
#63 Duro de Matar
#62 Roma
#61 O Senhor dos Anéis
#60 Scarface
#59 Infiltrado na Klan
#58 Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald
#57 O Legado de Stan Lee
#56 O Roteiro de Cinema
#55 Halloween (2018)
#54 O Primeiro Homem
#53 Nasce Uma Estrela
#52 Musicais no Século XXI
#51 70 anos de John Carpenter
#50 Breaking Bad - 10 Anos
#49 Neorrealismo Italiano
#48 O Exorcista
#47 Wall-E
#46 The Last of Us
#45 60 anos de Tim Burton
#44 Meu Amigo Totoro
#43 Missão: Impossível - Efeito Fallout
#42 Filmes da Sessão da Tarde
#41 Batman: O Cavaleiro das Trevas
#40 100 anos de Ingmar Bergman
#39 Os Incríveis 2
#38 Era Uma Vez no Oeste
#37 Jurassic Park e Jurassic World
#36 O Bebê de Rosemary
#35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
#34 Han Solo: Uma História Star Wars
#33 Deadpool 2
#32 Um Corpo que Cai
#31 Stephen King no Cinema
#30 Vingadores: Guerra Infinita
#29 A Franquia 007
#28 Um Lugar Silencioso
#27 2001: Uma Odisseia no Espaço
#26 Jogador Nº1
#25 Planeta dos Macacos
#24 Quentin Tarantino
#23 75 anos de David Cronenberg
#22 Projeto Flórida
#21 Trama Fantasma
#20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
#19 Oito e Meio de Fellini
#18 A Forma da Água
#17 The Post e os filmes de Jornalismo
#16 Indicados ao Oscar 2018!
#15 20 Anos de Titanic
#14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
#13 Melhores de 2017
#12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
#11 Especial Natalino
#10 Assassinato no Expresso Oriente
#9 Onde os Fracos Não Têm Vez
#8 Liga da Justiça
#7 Stranger Things
#6 45 anos de O Poderoso Chefão
#5 Branca de Neve e os Sete Anões
#4 Halloween
#3 Blade Runner / Blade Runner 2049
#2 De Volta Para o Futuro
#1 Os Goonies
#0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Crônica de um Verão
(Chronique d'un Été, 1961)
• Direção:
- Edgar Morin
- Jean Rouch
• Elenco Principal:
- Régis Debray
- Marceline Loridan Ivens
- Marilù Parolini
• Sinopse: Paris, verão de 1960. O cineasta e etnólogo Jean Rouch, acompanhado do sociólogo Edgar Morin, leva a câmera às ruas para colher respostas à seguinte pergunta: “Você é feliz?” O que tem início como uma simples enquete logo se transforma num ambicioso ...
 FILMES RELACIONADOS
• A Pirâmide Humana
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2019) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2019)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE