FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Custódia

(Jusqu'à la garde, 2017)
Por Marcelo Leme Avaliação:                 8.0
Bestialidades.
Fatores e níveis de violência têm inspirado histórias no cinema contemporâneo mundial. Ao explorar o tema, alguns filmes conduzem discussões sobre formas e tipos de violência, o que rende interessantes argumentos para a concepção de roteiros. Os filmes não terminam com os créditos. 

O diretor e roteirista Xavier Legrand, através da mise en scène, cria rivalidade entre seus personagens centrais, como vemos logo no início no segundo plano numa audiência de custódia, com um homem e uma mulher opostos brigando pela guarda do filho enquanto nós, espectadores, nos colocamos em frente a eles, observando-os. O homem está cercado por outras mulheres – advogadas e juíza. A juíza, no centro, divide o casal que não se encara, com semblantes sisudos, impacientes pela indefinição que os cerca e que os mantém indesejavelmente juntos. É a abertura de um processo de análise subjetiva, cuja interpretação dos atores direciona nosso olhar. 

As advogadas explicitam características do casal junto aos filhos – recurso interessante para nos fazer conhece-los, plantar a dúvida sobre quem é cada um deles e quem diz a verdade. O pai, Antoine Besson (Denis Menochet), é tido como alvo das imputações, um homem violento (?) que ali se mostra pacífico e interessado pela guarda compartilhada. Ele enfatiza: as denúncias contra ele são falsas, partiram da mulher, Miriam (Léa Drucker), que o demoniza, colocando o caçula contra ele. O contexto e os personagens nos são apresentados para após sermos inseridos na rotina de afastamento quando o filme se desenvolve. 

Bestialidades são postas à vista. 

E aí uma história sobre possível violência doméstica se inicia, trazendo as implicações da pós-separação, tratadas pelo roteiro de maneira inteligente por estabelecer um núcleo de interações e revelar comportamentos de cada indivíduo, sempre num clima apreensivo e pouco amistoso, explorando o dia a dia e como se dá cada contato. Uma criança está no centro do núcleo e mostra-se quase incapaz de olhar para os olhos de qualquer um. Quando está junto ao pai, a tensão se estabelece exprimindo em planos fechados uma sensação de opressão a ponto de estalar.

Sem pressa e com precisão, o roteiro externa a família acuada, num emaranhado de agonias enquanto o pai, abominado, manifesta suas frustrações dentro do carro ou em uma mesa de jantar. Seria mesmo um pai violento? 

A violência eclode súbita e repentinamente neste filme de desamor cujos impactos derivam da brutalidade desenfreada e injustificável. Um caso como tantos outros escondido atrás de portas e janelas fechadas. Certa cena específica é imprescindível para essa percepção do que está escondido ou visível o bastante a ponto de exigir esforço para fingir que não se percebe. De trás da porta, uma vizinha ouve um barulho. Da porta de entrada, ela enxerga o infortúnio. 
Por Marcelo Leme, em 12/06/2018
Avaliação:                 8.0
Notas - Equipe
• Marcelo Leme 8.0
•  Média 8.0
Notas - Usuários
7.9/10 (18 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
#49 Neorrealismo Italiano
#48 O Exorcista
#47 Wall-E
#46 The Last of Us
#45 60 anos de Tim Burton
#44 Meu Amigo Totoro
#43 Missão: Impossível - Efeito Fallout
#42 Filmes da Sessão da Tarde
#41 Batman: O Cavaleiro das Trevas
#40 100 anos de Ingmar Bergman
#39 Os Incríveis 2
#38 Era Uma Vez no Oeste
#37 Jurassic Park e Jurassic World
#36 O Bebê de Rosemary
#35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
#34 Han Solo: Uma História Star Wars
#33 Deadpool 2
#32 Um Corpo que Cai
#31 Stephen King no Cinema
#30 Vingadores: Guerra Infinita
#29 A Franquia 007
#28 Um Lugar Silencioso
#27 2001: Uma Odisseia no Espaço
#26 Jogador Nº1
#25 Planeta dos Macacos
#24 Quentin Tarantino
#23 75 anos de David Cronenberg
#22 Projeto Flórida
#21 Trama Fantasma
#20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
#19 Oito e Meio de Fellini
#18 A Forma da Água
#17 The Post e os filmes de Jornalismo
#16 Indicados ao Oscar 2018!
#15 20 Anos de Titanic
#14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
#13 Melhores de 2017
#12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
#11 Especial Natalino
#10 Assassinato no Expresso Oriente
#9 Onde os Fracos Não Têm Vez
#8 Liga da Justiça
#7 Stranger Things
#6 45 anos de O Poderoso Chefão
#5 Branca de Neve e os Sete Anões
#4 Halloween
#3 Blade Runner / Blade Runner 2049
#2 De Volta Para o Futuro
#1 Os Goonies
#0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Custódia
(Jusqu'à la garde, 2017)
• Direção:
- Xavier Legrand
• Elenco Principal:
- Léa Drucker
- Denis Menochet
- Thomas Gioria
• Sinopse: Um casamento desfeito leva a uma luta pela custódia de um filho, que se vê dividido pela batalha.
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE