FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Dogman

(Dogman, 2018)
Por Francisco Carbone Avaliação:                 8.5
A ascensão do animal.
imagem de Dogman
Ano passado os diretores Alexandre Baxter e Felipe Fernandes apresentaram na Mostra Tiradentes o longa Eu Não Sou Daqui (mais um daqueles crimes do cinema nacional, sem estrear até hoje), estrelado por Rômulo Braga e Rui Resende. Lá, o protagonista, encontrado na rua e acolhido por um técnico de futebol de várzea, passa por um claro processo de transformação aos olhos do público. O homem na verdade nunca foi homem, mas um cão - e rememorar o filme é ter a certeza de que todas as dicas são dadas a esse respeito. A representação canina nas relações de micro poder não é uma primazia do nosso cinema e nem estreou por lá, mas é complexo observar que 1 ano e meio depois o italiano Matteo Garrone propõe algo tão parecido quanto menos poético.

A violência no cinema de Garrone é conhecida desde Gomorra, filme-sensação que partiu da observação real sobre a moderna máfia italiana e se desdobrou numa série de TV, transformando a carreira de seu diretor, e o novo longa se distancia desse justamente ao olhar para esse elemento. Enquanto no filme de 2008 a violência é mais pontual porém eficaz, em Dogman uma espécie de conto moral se desenha e com isso a violência é mais gráfica, contornando a narrativa de maneira mais ampla e significativa, sem nunca deixar de se fazer notar, ainda que nem tudo seja traduzido de maneira sangrenta. As relações se dão num código tácito entre dominador e subjugado, saindo da esfera pessoal até alcançar a social.

Marcello é o foco e vetor do roteiro. Se na primeira metade observamos uma opressão submetida corpo a corpo, da metade em diante temos uma mudança estética no filme aliada à nova forma de abordagem do protagonista, que sai de sua linha esperada para uma abordagem menos defensiva, até se fazer ativo de fato. Como dito no início da análise, é construído aqui um novo viés de subserviência e servidão. Se no longa nacional, o abandono já era justificativa suficiente para compreender o jogo narrativo, aqui a percepção é fugidia. Porque Marcello é tão refém da atenção de Simone? Esses dois personagens se complementam na simbiose doentia que estabelecem, e na primeira metade o 'homem-cachorro' do título poderia ser comparado a um vira-lata promovido, que conseguiu até constituir uma família desarranjada. Logo o vira-lata se transformará em um doberman raivoso, quando todos a sua volta não forem mais que animais ferozes com sede de sua pele.

A interação entre Marcello Fonte e Edoardo Pesce é a tônica do filme, e o roteiro vai saindo de um escopo mais aberto para afunilar exatamente neles. Para tal, Garrone precisava de mais do que dois atores talentosos e carismáticos, mas de uma dupla em confluência total. Enquanto Pesce é uma massa de virulência, cujo rosto e tamanho são uma espécie de conjunto ameaçador, Fonte é a imagem da fragilidade aparente - pequeno, dócil, amoroso, diminuto em altura e ainda mais sensível ao ser filmado ao lado de seu companheiro de cena. Ambos se potencializam e transformam essa alegoria num confronto emocionante de acompanhar, e muitas vezes agoniante, uma experiência de destruir os nervos. Fonte acabou por levar o prêmio de ator em Cannes há 3 meses merecidamente, e a transformação que o personagem sofre da primeira pra segunda parte com certeza foi definidor da distinção.

O que não se pode acusar o filme é acerca do trabalho de Garrone enquanto maestro. Se tinha se enchido de pretensão e feito um filme 'gordo' anteriormente ainda que não sem talento (O Conto dos Contos), aqui um dos poucos representantes de brilho do combalido cinema italiano atual volta a entregar um trabalho bastante acima da média. O trabalho visual do filme é impecável e Garrone retorna fazendo o que de melhor criou como característica e que faz intersecção nos seus trabalhos - a construção espacial. Ele nos leva para aquele ambiente afastado e decadente, aquela praça única onde se passa toda a ação, abandonada e feia, envelhecida. Rapidamente somos arremessados àquele lugar, e tal atmosfera contamina e define nossa relação direta com o filme. A luz do filme a cargo de Nicolai Brüel também faz parte do pacote de excepcionalidade, e que também trafega da primeira para a segunda parte em contraste, saindo de uma atmosfera realista para um tom acinzentado, como a indicar o dilúvio emocional onde estão mergulhados todos aqueles homens, transformados em bichos.

Filme visto em 8 ½ - Festa do Cinema Italiano 
Por Francisco Carbone, em 05/08/2018
Avaliação:                 8.5
Notas - Equipe
• Francisco Carbone 8.5
•  Média 8.5
Notas - Usuários
aguardando 3 votos
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #41 Batman: O Cavaleiro das Trevas
• #40 100 anos de Ingmar Bergman
• #39 Os Incríveis 2
• #38 Era Uma Vez no Oeste
• #37 Jurassic Park e Jurassic World
• #36 O Bebê de Rosemary
• #35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
• #34 Han Solo: Uma História Star Wars
• #33 Deadpool 2
• #32 Um Corpo que Cai
• #31 Stephen King no Cinema
• #30 Vingadores: Guerra Infinita
• #29 A Franquia 007
• #28 Um Lugar Silencioso
• #27 2001: Uma Odisseia no Espaço
• #26 Jogador Nº1
• #25 Planeta dos Macacos
• #24 Quentin Tarantino
• #23 75 anos de David Cronenberg
• #22 Projeto Flórida
• #21 Trama Fantasma
• #20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
• #19 Oito e Meio de Fellini
• #18 A Forma da Água
• #17 The Post e os filmes de Jornalismo
• #16 Indicados ao Oscar 2018!
• #15 20 Anos de Titanic
• #14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
• #13 Melhores de 2017
• #12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
• #11 Especial Natalino
• #10 Assassinato no Expresso Oriente
• #9 Onde os Fracos Não Têm Vez
• #8 Liga da Justiça
• #7 Stranger Things
• #6 45 anos de O Poderoso Chefão
• #5 Branca de Neve e os Sete Anões
• #4 Halloween
• #3 Blade Runner / Blade Runner 2049
• #2 De Volta Para o Futuro
• #1 Os Goonies
• #0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Dogman
(Dogman, 2018)
• Direção:
- Matteo Garrone
• Elenco Principal:
- Adamo Dionisi
- Francesco Acquaroli
- Edoardo Pesce
• Sinopse: Um drama de vingança na periferia de Roma, inspirado por um homicídio cometido por um cuidador de cães durante o final dos anos 80.
 FILMES RELACIONADOS
• Gomorra
• O Conto dos Contos
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE