FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Dunkirk

(Dunkirk, 2017)
Por Heitor Romero Avaliação:               7.0
Os heróis anônimos.
imagem de Dunkirk
A situação sentencia um destino inevitável. De um lado, o litoral do canal da macha sendo bombardeado por pilotos de Messerschmitts e Heinkels em períodos de tempo aleatórios. Em terra, o exército nazista em massa tomando conta da cidade de Dunquerque e obrigando os Aliados a se refugiarem na praia, onde inevitavelmente acabam expostos ao bombardeio antes de poderem ser resgatados pelos destroiers enviados de Londres. Quem entra em cena para livrar os 400.000 soldados ingleses, belgas e franceses encurralados são os próprios civis da Inglaterra, munidos apenas de coragem e de seus barcos domésticos cheios de voluntários patriotas. A Batalha de Dunquerque, que durou entre 25 de maio e 4 de junho de 1940, é um dos episódios mais incomuns ocorridos na Segunda Guerra Mundial, visto se tratar da maior operação de resgate já registrada, e impressiona que toda a ação tenha sido comandada por civis em salvação de militares. Não é surpresa que essa passagem notável tenha sido pouco resgatada por Hollywood (com a exceção do filme de Leslie Norman em 1958), que tanto ama um filme sobre a Segunda Guerra, mas que aqui não tem o exército americano (de preferência como herói) atuando no relato. No ímpeto de continuar a sedimentar para a mídia a sua imagem de “revolucionário” diretor contemporâneo e “diferenciado”, o inglês Christopher Nolan escolheu justamente Dunkirk (idem, 2017) como exemplar de filme de guerra obrigatório no currículo de qualquer cineasta grandiloquente que se preze. E fez bem. 

Filmado em 70 milímetros e com tecnologia Imax, Dunkirk é puro som e imagem na maior nitidez que o cinema hoje pode proporcionar, inclusive parte crucial da experiência é poder assisti-lo num cinema que reproduza a película em seu formato idealizado por Nolan. Curiosamente, é um dos trabalhos mais enxutos do diretor, tendo menos de duas horas de duração, o que é impressionante diante de sua ambição de fragmentar a narrativa em três histórias paralelas ocorrendo em tempos diferentes. De certa forma, parece que a grande maioria dos filmes que ele dirigiu até então não passaram de tentativas ou degraus para que ele adquirisse a experiência e maturidade necessárias para filmar Dunkirk. Nolan apresenta aqui um senso de síntese muito maior e livra o filme da barriga e da autoexplicação que tanto prejudicaram seus ambiciosos A Origem (Inception, 2010), Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge (The Dark Knight Rises, 2012) e Interestelar (Interestellar, 2014). Também foram tentativas dele em expandir o tempo em vários níveis de velocidade em narrativas simultâneas e desenvolver um clímax ininterrupto com mais de uma hora de duração – nem todas bem sucedidas. 

Pegando esses conceitos de tempo e ápice, que já começam a formar sua almejada marca de autor, Nolan vai na contramão de qualquer narrativa convencional para um filme de guerra e já começa tudo pelo clímax. Mais ainda: ele dirige um filme composto apenas de clímaxes. Nas três histórias ele parte já do meio de uma situação-limite e estica cada uma delas o máximo possível de acordo com o tempo em que cada uma ocorre (uma semana, um dia e uma hora), equilibrando todas até um momento de convergência em que elas se chocam em um único e grandiloquente ato final. A iminência da inevitável morte para os soldados que se acreditam esquecidos ao longo de uma semana em Dunquerque, a corrida de um homem comum e na companhia de seus filhos em atravessar em um único dia o canal da Mancha em um barco doméstico na tentativa de ajuda aos militares encurralados na França e o desespero de dois pilotos ingleses enfrentando em apenas uma hora vários ases nazistas que pretendem impedir a operação de resgate no molhe da praia – essas três vertentes caminham numa desesperadora rota de colisão, e a habilidade do diretor está em acelerar ou retardar o tempo de cada uma delas para que o momento de encontro seja exato. 

Estando sempre no limite da emoção, o filme não tem muito tempo para diálogos ou esclarecimentos, o que é um alívio enorme para quem se traumatizou com as intermináveis explicações didáticas que Nolan adotou em trabalhos anteriores. A história partida em três também não permite a nenhum personagem tempo o suficiente em cena para tomar o posto de protagonista, o que acaba por expandir o quadro de um conflito sem heróis, sendo que nem mesmo os nazistas dão as caras.  A ideia de Dunkirk é muito mais imagética e por conta disso Nolan pinta longos planos abertos e mostra um cuidado quase perfeccionista na maneira como dispõe os atores em cada enquadramento, o que resulta em lindas tomadas na praia fria e pontilhada pelos soldados avistados de longe. O pânico crescente de cada uma dessas narrativas é quase todo amparado no trabalho de som, que de tão nítido e potente acaba provocando mais jump scares que qualquer filme de terror recente e frisa a sensação de total pavor daqueles homens à mercê dos ataques-surpresa nazistas, ainda que a trilha de modo geral seja bastante invasiva e incômoda.

Dunkirk foi apontado com certo exagero pela crítica internacional como um Nolan à altura de mestres como Stanley Kubrick. Obviamente não se encontra nesse patamar, mas ainda assim a empolgação em torno dele é válida, pois se trata do filme em que mais se nota o amadurecimento de Nolan, que equilibrou melhor do que nunca suas ideias grandiosas, dominou os elementos e conceitos trabalhados anteriormente com mais segurança e enxugou os excessos que lhe prejudicaram outras vezes. É uma pena que se conclua num tom meloso já desgastado pelo cinema americano e se veja na obrigação de apelar a um discurso motivacional sobre os efeitos da guerra sobre o homem, não se permitindo adentrar no sentimento de impotência, vergonha e derrota dos soldados resgatados e sim tentando levantar a moral deles com considerações edificantes que simplesmente não se encaixam com a situação. Não era necessário – depois de quase duas horas ininterruptas de ação sufocante, todos já ficaram bem convencidos sobre a conclusão de que a guerra é um veneno que atinge até mesmo os cidadãos comuns e que, da adversidade causada por ela, às vezes se contrapõe o mais inesperado sentimento de união e solidariedade. 
Por Heitor Romero, em 24/07/2017
Avaliação:               7.0
Notas - Equipe
• Daniel Dalpizzolo 4.0
• Régis Trigo 7.0
• Silvio Pilau 7.5
• Heitor Romero 7.0
• Bernardo D.I. Brum 5.0
• Rafael W. Oliveira 5.0
•  Média 5.9
Notas - Usuários
7.2/10 (135 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (6)
Por Luís F. Beloto Cabral, em 25/07/2017 | 10:42:42 h
Taí. Agora eu fiquei curioso!
Por ●•● Yves Lacoste ●•●, em 24/07/2017 | 23:56:56 h
Estou ansioso para assistir este filme. (3)

Já a primeira afirmação não!
Por Matheus Johan Darswik Rodrigues Barbosa, em 24/07/2017 | 23:17:53 h
Na grande maioria dos sites que pesquisei,o filme é muito bem elogiado,mostrando que Nolan é um visionário e gênio,todos os seus filmes são brilhantes e espetaculares.
O talento de Nolan em extrair do roteiro e do elenco,ótimas performances,coloca ele,em um seletíssimo grupo de gigantes da Sétima Arte.
Mentes brilhantes sempre enfrentam ferrenha oposição,por estarem à frente de seu tempo,Nolan é criticado,por ser um visionário,seus filmes estão muitos anos à frente de seu tempo.
E sim,sou admirador do talento do grande cineasta inglês.
Por Lucas Nunes , em 24/07/2017 | 19:41:22 h
Nolan é um gênio e sim,já está no patamar de outros gênios da Sétima Arte.
Estou ansioso para assistir este filme.[2]
Por Lucas Nunes , em 24/07/2017 | 19:41:00 h
O texto deixa bem claro que Heitor Romero não gosta muito do Nolan, mas mesmo assim Nolan conseguiu fazer um filme que até os seus haters vão conseguir aprecia-lo.
Por Matheus Johan Darswik Rodrigues Barbosa, em 24/07/2017 | 17:15:28 h
Nolan é um gênio e sim,já está no patamar de outros gênios da Sétima Arte.
Estou ansioso para assistir este filme.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #002 De Volta Para o Futuro
• #001 Os Goonies
• #000 O Piloto
 LEIA TAMBÉM

 FICHA DO FILME

 Dunkirk
(Dunkirk, 2017)
• Direção:
- Christopher Nolan
• Elenco Principal:
- Tom Hardy
- Cillian Murphy
- Mark Rylance
• Sinopse: Narra dois dos muitos episódios emblemáticos da Segunda Guerra Mundial: a Operação Dínamo e a Batalha de Dunquerque. Na notável operação militar, quase 340 mil soldados aliados foram evacuados sob intenso bombardeio, entre 26 de maio e 4 de junho, da...
 FILMES RELACIONADOS
• A Origem
• Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge
• Interestelar
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE