FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Em Ritmo de Fuga

(Baby Driver, 2017)
Por Cesar Castanha Avaliação:               7.0
O anti-anti-herói.
imagem de Em Ritmo de Fuga
O pastiche não é estranho a Edgar Wright. Envolvido com o cinema de gênero pelo menos desde A Fistful of Fingers (1995), seu primeiro longa-metragem, Wright já passou pelo faroeste, o filme de zumbis, policial e, claro, a comédia screwball. Em Scott Pilgrim Contra o Mundo (2010), sua adaptação para o cinema da graphic novel de Bryan Lee O’Malley, ele se aproveita de sua habilidade com o cinema de gênero para explorar referências à linguagem dos quadrinhos e do vídeo-game a partir de uma estética de excesso pop. Mas nem mesmo em Scott Pilgrim Wright se entregou ao pastiche e aos afetos da cultura mainstream de forma tão dedicada e passional quanto em Em Ritmo de Fuga.

A construção de cena do filme parece aquela cinefilia pulp dos primeiros filmes de Quentin Tarantino. E o domínio da ação em cena de Wright certamente o leva por esse caminho. Em Ritmo de Fuga, sobre um jovem motorista de carros de fuga, Baby (Ansel Elgort), fecha-se em um enredo relativamente simples. Baby, que vive com o pai adotivo idoso e com deficiência auditiva (CJ Jones), trabalha para Doc (Kevin Spacey) para pagar uma dívida de juventude. Perto de quitar essa dívida, ele conhece e se apaixona por Debora (Lily James), garçonete da mesma lanchonete onde sua mãe trabalhava antes de morrer em um acidente de automóvel. Seus planos de levar uma vida normal são frustrados quando Doc exige que ele faça mais um trabalho.

O desenvolvimento da história de Baby conecta as várias sequências de ação do filme, que geralmente envolve Baby fugindo da polícia ou de seus antigos parceiros de carro. Mas a sensação de repetição a cada nova sequência vem acompanhada de um reconhecimento de mudança na situação do personagem. Então as sequências, por mais que sejam parecidas umas com as outras, implica cada uma em um momento específico dos personagens e age sobre eles, principalmente sobre o protagonista, de modos distintos.

Apesar de a ação do filme estar sujeita aos personagens, é neles que está talvez o principal problema de Em ritmo de fuga. Wright não aceita qualquer contradição na moral do protagonista, e o afeto notável do diretor pelas figuras que criou prejudica até mesmo a coerência da relação entre eles. A estima de Wright pelo universo de seu filme é provavelmente a característica mais marcante de sua assinatura. Afinal, não se engane pelo tom de pastiche, Em Ritmo de Fuga é totalmente um filme de seu autor, pelo carinho com a cultura pop, o apego às cores e a devoção ao ritmo.

Ainda assim, o modo como Wright toma partido de seu protagonista e resiste a dissuadir dele qualquer benesse de heroísmo abre caminho para uma série de chavões, inconsistências e estereótipos. Essa invulnerabilidade do personagem é especialmente problemática quando se percebe que o filme busca nos trejeitos de Ansel Egort, no seu silêncio e isolamento, uma espécie de anti-herói. Mas o resultado é um anti-herói que vive sob todos os preceitos e valores de bom-mocismo: ele é criminoso, mas passivo no crime, não atira ou fere, apenas se for o necessário para proteger quem ama; é um anti-anti-herói.

É uma pena que não seja mais sofisticado nesses aspectos, porque o cinema de Wright, e este filme incluso, busca uma relação de proximidade muito admirável com o espectador, explorando afetos comuns e uma experiência coletiva de cinema. Não conheço as circunstâncias do seu afastamento de Homem-Formiga, mas, se foram realmente as divergências criativas com a Marvel/Disney o que lhe tirou a direção do filme, o equívoco do estúdio é indesculpável. Edgar Wright é um dos diretores que poderia trazer algo realmente interessante para esse tipo de obra sem abrir mão de seu estilo ou da personalidade comercial da produção.

Em Ritmo de Fuga poderia ter sido um filme melhor, mas ainda é totalmente Edgar Wright no que seu cinema tem de maior êxito. Os problemas do filme são atenuados pelo adorável carisma do elenco (Egort e James, principalmente) e pela prodigiosa tenacidade da direção.
Por Cesar Castanha, em 21/07/2017
Avaliação:               7.0
Notas - Equipe
• Daniel Dalpizzolo 7.5
• Silvio Pilau 7.5
• Heitor Romero 8.0
• Cesar Castanha 7.0
• Rafael W. Oliveira 7.0
• Felipe Leal 7.5
•  Média 7.4
Notas - Usuários
7.7/10 (130 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (3)
Por Kadu Mendez, em 11/10/2017 | 22:08:05 h
Na minha opinião tá fácil enganar cinefilos com um moleque que escuta rock quando dirige...olha que cool...affff.Os atores são desperdício.Perseguições vi melhores em Need for Speed ou Velozes e Furiosos.E não,não é um filme inteligente;é um engana novato de cinema.Saudades dos anos 70.Saudade da trilogia cornetto.E que final da Globo pqp.Farsa disfarçada de originalidade por causa de um mongolão com um fone de ouvido escutando clássicos do rock.Minha bagagem não permite admirar essa enganação careta.
Por Rodrigo Torres de Souza, em 07/08/2017 | 19:53:50 h
2 Coelhos é horrível!
Por Bruno Godinho, em 21/07/2017 | 18:42:31 h
Na minha opinião é o melhor filme de Edgar Wright, se bem que te o Scott Pilgrim, mas o novo é melhor.
Acho que se 2 Coelhos fosse estrangeiro, conseguiria o mesmo êxito.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #002 De Volta Para o Futuro
• #001 Os Goonies
• #000 O Piloto
 LEIA TAMBÉM

 FICHA DO FILME

 Em Ritmo de Fuga
(Baby Driver, 2017)
• Direção:
- Edgar Wright
• Elenco Principal:
- Ansel Elgort
- Lily James
- Kevin Spacey
• Sinopse: Baby é um homem surdo que precisa escutar música o tempo inteiro para impedir o zumbido que perturba seus ouvidos. Para pagar uma dívida, ele serve de motorista para qualquer gangue sob o comando de Doc, um ladrão de bancos. Mas quando um assalto n...
 FILMES RELACIONADOS
• A Fistful of Fingers
• Homem-Formiga
• Scott Pilgrim Contra o Mundo
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE