FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Era Uma Vez Brasilia

(Era Uma Vez Brasilia, 2017)
Por Pedro Tavares Avaliação:         4.0
Viva a imagem, a imagem viva.
imagem de Era Uma Vez Brasilia
Era Uma Vez Brasília abre com um encontro casual em uma passarela de Brasília. Nele, os personagens falam sobre violência, abuso, política e missões extraterrestres. O campo do filme assim está pavimentado. Era Uma Vez Brasília, a partir daí, antes mesmo dos créditos, se entrega ao poder específico da imagem; à imagem, segundo Adirley Queirós, cabe o resumo do processo de impeachment de Dilma Rousseff. 

A passarela do primeiro encontro segue o formalismo de Branco Sai, Preto Fica, filme anterior do diretor e que resvala à inventividade a cada momento por se assumir um filme de adaptação e narrativa social. Em Era Uma Vez Brasília ela será um campo de isolamento e preparação para uma missão, que encontra o passado brasileiro para justificar o momento atual da nossa política. Neste pequeno jogo de associações entre passado e presente, o que permanece é a imagem; a mesma que outrora carregava um peso fundamental em Branco Sai, Preto Fica, neste, está em ofício do esvaziamento. 

O rito da observação carrega certo luto que vem ao campo através de áudios que norteiam os momentos que tiraram Dilma da presidência: sua defesa, a votação dos parlamentares, o discurso de posse de Temer e os novos planos para o país. O estímulo é o de lamento, mas em sua fachada está a busca por momentos significativos puramente estéticos – a imagem viva. 

A ficção científica, o gênero que hospeda o filme, enfim, também será o motim para uma subversão, talvez a mais viva de Era Uma Vez Brasília – os personagens buscam, mas quase não há ação; soluções, tampouco. A viagem de quem não sai do lugar, uma metáfora desleal ao espectador, aponta: não há o que oferecer na terra que está em chamas – aqui, o voyeurismo de Adirley é mais evidente, com seus carros em chamas e os terrenos inóspitos que também servirão de autocitação, já que visitamos esses mesmos espaços e meandros racionais em A Cidade é Uma Só? e no ultra citado Branco Sai, Preto Fica

No páreo ficção científica versus realidade, o que impera é a sensação de sufocamento; a falta de espaço é a mesma quando Adirley filma em close ou plano-geral. O entorno estará dominado por grades, fumaças, chamas. As mesmas que acendiam a sensação de impunidade outrora, agora trazem a certeza de letargia. Uma imobilidade puramente cinematográfica, ou seja, a imagem que necessita estar viva, neste caso está morta. 

Cabe a questão se Era Uma Vez Brasília é mesmo um filme político propício à dualidade entre imagem e contexto. Pois se o filme se esvai, como um autoboicote em forma de queixa, a imagem morre mais uma vez. A lamúria treme ante ao discurso e sobra muito pouco a tirar desta experiência. Não é só a nave que se esfacela no encontro ao chão. 

Visto na 9ª Semana - Festival de Cinema
Por Pedro Tavares, em 19/11/2017
Avaliação:         4.0
Notas - Equipe
• Pedro Tavares 4.0
•  Média 4.0
Notas - Usuários
5.9/10 (5 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #10 Assassinato no Expresso Oriente
• #9 Onde os Fracos Não Têm Vez
• #8 Liga da Justiça
• #7 Stranger Things
• #6 45 anos de O Poderoso Chefão
• #5 Branca de Neve e os Sete Anões
• #4 Halloween
• #3 Blade Runner / Blade Runner 2049
• #2 De Volta Para o Futuro
• #1 Os Goonies
• #0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Era Uma Vez Brasilia
(Era Uma Vez Brasilia, 2017)
• Direção:
- Adirley Queirós
• Elenco Principal:
- Wellington Abreu
- Andreia Vieira
- Marquinhos do Tropa
• Sinopse: Em 1959, o agente intergaláctico WA4 é preso por fazer um loteamento ilegal e é lançado no espaço. Recebe uma missão: vir para a Terra e matar o presidente da República, Juscelino Kubitschek, no dia da inauguração de Brasília. Sua nave perde-se no te...
 FILMES RELACIONADOS
• A Cidade é Uma Só?
• Branco Sai, Preto Fica
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE