FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Extraordinário

(Wonder, 2017)
Por Rodrigo Cunha Avaliação:               7.0
O mapa sobre o qual já vivemos.
imagem de Extraordinário
O bullying sempre existiu, mas deixou de ser um tabu discuti-lo há algum tempo e hoje até consegue ser tema principal de filmes como este Extraordinário (Wonder, 2017), um dos feel good movies da temporada, que está nos cinemas de todo o Brasil. O motivo do sucesso é simples: boa história sentimental, atores carismáticos, situações simples e cotidianas que fazem rir e chorar... Além de ser um bom filme no geral.

Auggie Pullman (o prodígio Jacob Tremblay, de O Quarto de Jack) é um jovem que teve várias complicações na formação e, por isso, acabou crescendo distante da vida social comum e amigo próximo das cirurgias. Prestes a começar a quinta série nas aulas em casa, sua mãe decide que é hora dele frequentar uma sala de aula de verdade e tentar uma vida 'normal', mesmo ciente do quão complicada essa mudança poderia ser.

Solitário, Auggie constantemente se vê como um astronauta: fã de ciência, o menino vê no espelho daqueles que vão para o espaço um reflexo de sua paz; lá, ninguém pode incomodá-lo. Não à toa, é fã de Star Wars e Halloween. O primeiro por se passar no espaço e ter seres das mais diversas fisionomias - ele seria normal naquele universo. O segundo por ser uma festa onde todos se fantasiam e ele deixa de ser uma aberração e pode viver como um garoto qualquer, nem que seja por um dia.

A real é que o bullying encontrado por Auggie é apenas uma hipérbole daquilo que acontece na sociedade como um todo: a necessidade de aceitação. Seja ele, sua irmã ou os amigos problemáticos também destacados pelo roteiro, o filme deixa Auggie como o centro de um universo muito maior e comum. Ele é o exagero extrapolado para enxergarmos aquilo que geralmente passa batido por nós. Então, quando Via, irmã de Auggie, e Miranda, sua melhor amiga, começam a serem aprofundadas, vemos que Auggie não é tão diferente assim. 

A discussão toda acaba sendo sobre inclusão social, quase uma utopia para uma faixa etária tão problemática quanto à aceitação. Não a toa que o professor que desde o início apoia Auggie é negro e provavelmente homossexual - representação de toda a luta igualitária que vem acontecendo atualmente na sociedade. Desde o almofadinha metido a bonzão até a menina negra que senta para lanchar com Auggie, todos estão ali com suas vidas, seus próprios problemas e próprios sonhos. Nessa matilha humana, vive aquele que consegue aceitar, entender e superar as próprias dificuldades.

O que chama a atenção também em Extraordinário é a sua narrativa, que toma coragem de capitular os acontecimentos de acordo com o jovem a ser abordado. Assim, mesmo Auggie sendo o cerne da história, conhecemos também sua irmã, seu melhor amigo e a melhor amiga de sua irmã, todos confirmando a teoria de que aparências enganam e a selva social é carnívora e traiçoeira. 

O pai, interpretado por Owen Wilson em um papel que já o vimos fazer diversas vezes, e a mãe, Julia Roberts, poderosíssima e uma das melhores coisas no filme, tentam de toda maneira ajudá-lo, desde conselhos politicamente incorretos até a presença constante em sua vida; mas os mesmos possuem suas próprias preocupações que nem sempre os filhos conseguem notar. No final, são crianças como você; o que você vai ser, quando você crescer?

Então, ainda que toque em assuntos relevantes, mas sem aprofundá-los, que tenha uma abordagem mais leve e músicas direcionando aquilo que devemos sentir, Extraordinário acaba sendo um filme muito bom por levantar tais questões de maneiras simples e compreensíveis até para os mais jovens - o que torna o filme obrigatório para famílias debaterem os temas e educarem os seus filhos. É uma reflexão necessária em uma época tão cruel, de tantos advogados e juízes de redes sociais, quando sempre há uma pessoa, com sentimentos a serem destruídos, por trás de todas aquelas brincadeiras maldosas. 

Como filme, é engraçado e tocante, mas como ferramenta social é um importante marco para essa nova geração Minecraft.
Por Rodrigo Cunha, em 08/12/2017
Avaliação:               7.0
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 6.0
• Rodrigo Cunha 7.0
• Régis Trigo 6.0
• Silvio Pilau 7.0
• Heitor Romero 6.0
• Marcelo Leme 6.5
• Rafael W. Oliveira 8.0
•  Média 6.6
Notas - Usuários
7.2/10 (122 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE