FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Guardiões da Galáxia Vol. 2

(Guardians of the Galaxy Vol. 2, 2017)
Por Marcelo Leme Avaliação:               7.5
Os rejeitados conquistam o espaço.
imagem de Guardiões da Galáxia Vol. 2
Guardiões da Galáxia é um filme que arriscou tudo o que podia e foi certeiro em sua concepção ao trazer subterfúgios de heróis (e não anti-heróis), sujeitos marginalizados que encontraram redenção na partilha da mesma rejeição. É o mais descompromissado filme do estúdio, reunindo heróis improváveis num contexto espacial abarrotado de guerras nas estrelas. Este Vol. 2 não necessariamente repete a fórmula do anterior, no entanto preserva inteiramente o elenco e estilo, conseguindo dar um passo além devido a possibilidade de investir na intimidade de seus personagens, já que estes já nos são conhecidos. A abordagem da vez é essa: discutir a relação entre eles, visando alguma profundidade que garanta identificação e consolidação de cada um no imaginário popular. 

Uma das cenas de abertura pode ser tranquilamente considerada como uma das mais expressivas e emblemáticas de todo o universo Marvel. Um falso plano sequência abre um arco para a história ainda nos créditos – já há mais investimento de roteiro aqui do que no episódio anterior –, acompanhando o pequeno Groot ouvindo uma balada setentista enquanto os outros duelam com um monstro. Tal cena nos leva ao encontro dos reconhecidos personagens, sem ter que esboçar cada um em suas individualidades, evidenciando o que interessa dessa vez: o grupo, ou a família, conforme reitera Drax. Aliás, essa consideração sobre um núcleo familiar envolvendo um grupo de amigos vem se repetindo com demasiada frequência em diversas franquias. 

Imediatamente após tal cena, a história tem início com o desenvolvimento do arco aberto, uma evasão desesperada pelo espaço dos disparatados heróis. A fuga dos guardiões encontra novos caminhos e possibilidades em distintos mundos, e novos personagens que trazem implicações diferenciadas a dinâmica dos relacionamentos delineados. A atenção aos relacionamentos é tão evidente e presente no desenrolar do texto que uma nova personagem com o tato sensível é capaz de sentir emoções alheias, experimentando as sensações e perturbações do outro. E há algo que a enriquece e de alguma maneira metaforiza a proposta do roteiro adaptado pelo diretor James Gunn e pelo roteirista Dan Abnett, o desconhecimento do mundo, a necessidade de desbravar o universo, do senso coletivo, da moral e da cultura. 

O desenho de produção, apesar do excessivo e por vezes entediante CGI, segue chamando atenção com a estética futurista de viés oitentista, que ainda é intensificada por trilhas sonoras precisas que não existem como enfeite aleatório, tal como no estúpido Esquadrão Suicida (Suicide Squad, 2016), de David Ayer. Aqui as trilhas tem funções narrativas. Elas pontuam as eventualidades como signos dos dramas particulares entre os envolvidos das tramas. Há repetições que ligam datas e outras que particularizam afetos. O diretor James Gunn, proveniente de uma vertente de horror-cômico, tem aqui seu melhor trabalho com criatividade e sensatez, driblando sinuosidades alegóricas para filmar uma obra que não seja somente um fanservice.

Clichês estouram, mas até eles ganham contornos que contribuem para empurrar a história, como por exemplo o Deus Ex Machina que, dessa vez, tem um sentido pertinente e serve para exprimir um drama digno de Star Wars, com a chegada de Ego, o planeta vivo (Kurt Russel),  pai do Senhor das Estrelas (Chris Pratt) – os trailers e a sinopse se adiantaram ao revelar isso. Ego é o personagem que vem tratar aspirações de conquista e descoberta, mantendo a lógica da exploração do desconhecido através de um personagem que é um planeta, com ecos distantes de Solaris (Solyaris, 1972), do Tarkovski, mas com relevância megalomaníaca que existe num campo em que o absurdo é perfeitamente aceito. 

É simples no conteúdo, mas não é simplório. É cômico, é divertido, atende a expectativa e em nenhum instante visa ser maior do que é, encontrando seu lugar no espaço-tempo da febre de adaptações de HQs, este marco contemporâneo. Seus personagens se transformam pela conveniência das circunstâncias e estabelecem um distanciamento de outros filmes da Marvel pela legitimidade subversiva, com função similar a que versões mais recreativas fizeram com subgêneros hollywoodianos, como o cinema policial oriundo da década de 70 e 80 e os westerns com presença de estrelas hollywoodianas da estirpe de Paul Newman e Robert Redford.  

De beleza plástica particular, neste é possível ter melhor dimensão espacial e compreender o conjunto. Não há tanta novidade inventiva e a tridimensionalidade que poderia ser um diferencial, não sai do lugar comum.  Ademais, é uma comédia além da ação de gênero. De tempo em tempo uma piada ou gag é lançada, adornada pelo tom geek e pelo universo cósmico. São altas doses de humor. O espectador às vezes nem terá terminado de rir de uma piada e outra logo é emendada. Há batalhas no meio disso tudo e, mais inesperado ainda, há doses de emoção que rompem com o ritmo, ofertando dramatização surpreendente sem ser piegas, sem cair na convenção barata e esquemática de um melodrama casual a fim de fascínio gratuito.  

Por Marcelo Leme, em 29/04/2017
Avaliação:               7.5
Notas - Equipe
• Heitor Romero 6.0
• Marcelo Leme 7.5
•  Média 6.8
Notas - Usuários
7.2/10 (115 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (4)
Por Jules F. Melo Borges, em 30/04/2017 | 14:31:05 h
A tão esperada sequência do Transformers gourmet (Com direito a 'Vol. 2') .
Pelo jeito, parece seguir a linha do patético filme anterior.
Me pergunto se é tão mal-editado e gratuito quanto ele.
Por Luiz Fernando de Freitas, em 30/04/2017 | 13:42:16 h
O texto ficou melhor do que o filme, realmente. Fiquei bastante desapontado, e olha que fui com as expectativas bem controladas, apesar de ser sequência do melhor filme da Marvel Studios. Tudo é muito gritado, expositivo, sem tato ou empatia. Todos os personagens voltam menores (sem relação com Groot que volta pequeno em tamanho físico também), a exceção fica por conta do Drax, que ficou mais engraçado aqui. Nem vou comentar o que fizeram com Quill e Rocky. A trilha é boa, embora sem a mesma energia e charme do original. Vale pelo elenco (Stallone destaca-se), boa parte técnica e alguns bons momentos isolados (Mary Poppins, por exemplo).
Por Matheus Johan Darswik Rodrigues Barbosa, em 29/04/2017 | 20:41:55 h
Texto fantástico Marcelo,brilhante e preciso,muito bom mesmo!
Por Tiago Cavalheiro, em 29/04/2017 | 13:50:00 h
Belo texto Marcelo! Ainda mais ansioso para ver o filme.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #002 De Volta Para o Futuro
• #001 Os Goonies
• #000 O Piloto
 LEIA TAMBÉM

 FICHA DO FILME

 Guardiões da Galáxia Vol. 2
(Guardians of the Galaxy Vol. 2, 2017)
• Direção:
- James Gunn (II)
• Elenco Principal:
- Chris Pratt
- Zoe Saldana
- Bradley Cooper
• Sinopse: Com a ‘Awesome Mixtape #2’ como pano de fundo, Guardiões da Galáxia Vol. 2 continua as aventuras da equipe ao passo que eles atravessam os confins do cosmo. Os Guardiões devem lutar para manter sua nova família unida enquanto desvendam o mistério por...
 FILMES RELACIONADOS
• Esquadrão Suicida
• Guardiões da Galáxia
• Solaris
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE