FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Inverno de Sangue em Veneza

(Don't Look Now, 1973)
Por Heitor Romero Avaliação:                     10.0
O fantasma do luto.
imagem de Inverno de Sangue em Veneza
A cena que fez Inverno de Sangue em Veneza (Don’t Look Now, 1973) entrar para a história do cinema foi a do sexo selvagem entre Julie Christie e Donald Sutherland, na cama do hotel onde os seus personagens estão hospedados durante uma temporada na cidade-título. Até hoje muito gráfica, a sequência toda é lembrada pelos cortes rápidos, pela não linearidade dos atos, pelo caráter quase amador da montagem, em um delírio visual chocante arquitetado pelo diretor Nicolas Roeg. Acima de tudo, choca por ser uma cena sem nenhum tipo de apelo sexual. Após a perda da filha, que se afoga no lago do jardim da casa, Laura e John têm seu casamento assombrado pelo fantasma da garota. Tentam superar, viajar, espairecer, lidar, mas no fundo não se reconhecem mais. Nessa cena de sexo tão estranha, bizarra e sofrida, o que temos afinal é um casal lutando desesperadamente por uma forma de se reconectar. 

Tudo em Inverno de Sangue em Veneza está fragmentado. Depois de uma abertura que vai do bucólico ao puro horror, Roeg estilhaça sua narrativa e constrói um labirinto de espelhos partidos, onde as imagens se refletem, se cruzam, rimam, porém jamais se completam, deixando sempre lacunas e uma sensação de mistério jamais de todo desvendado ou compreendido. A morte da filha promove um tipo de ruptura que atinge a trama em todos os níveis possíveis, desde as relações dos personagens até na forma como Roeg traduz em imagens o horror daquele trauma. Muito visual, é um filme em que as imagens falam por si só, em que pouco é dito ou verbalizado, mas o tempo todo é possível de alguma forma compreender o rumo das coisas em meio a tantas elipses e ocultações. 

Um dos recursos mais primários nessa concepção visual muito poderosa e atmosférica é a opção de Roeg em banir as cores quentes da maior parte dos quadros, reservando elas somente para momentos pontuais. O vermelho, em especial, que na abertura tinge a capa de chuva da garotinha que está prestes a se afogar, só retorna de tempos em tempos para nos lembrar inconscientemente da aproximação de alguma tragédia. Sempre que há vermelho no quadro, existe uma ameaça latente, e por isso, sem precisar dizer nada, Roeg nos deixa aterrorizados quando John e Laura passeiam pelas ruas cinzentas de Veneza à noite e de repente se deparam com um personagem estranho usando um traje vermelho vivo, que remete à capa de chuva que a filha deles usava quando se afogou. Pensando no filme como um todo, as cores frias quase onipresentes transmitem uma sensação morna e triste refletindo o luto dos pais, enquanto as cores quentes às vezes surgem no ímpeto de nos despertar para o perigo que ainda existe na história. 

Como em todo grande filme de horror, Inverno de Sangue em Veneza sobrevive quase que exclusivamente de sua atmosfera. Independente de roteiro, texto ou elenco, é uma obra em que as imagens aterrorizam por si só e há sempre algo de muito assustador no ar, mesmo que essa ameaça quase nunca se concretize. Afinal, o fator sobrenatural é sempre implícito e centralizado na figura da filha morta, que guarda em si tanto a ideia triste e melancólica do luto dos pais quanto a noção de um tipo de premonição nefasta de um destino que os aguarda. As irmãs com habilidades mediúnicas, capazes de enxergar o fantasma da menina, são amigáveis e não representam uma ameaça em si, mas são inevitavelmente assustadoras por não permitirem que o casal consiga enterrar de vez a memória da filha. Nesse universo em que o mal nunca é de fato esclarecido e o horror nunca corresponde a algo concreto, Roeg dá seu jeito de tratar do instintivo medo do desconhecido, capaz de se mutacionar em muitas formas. 

Logo fica claro que o que atormenta Laura e John é justamente a lembrança de uma vida que jamais poderá ser recobrada, de uma felicidade que jamais se repetirá no casamento deles. Algo além da vida da filha se perdeu no lago, uma parte de cada um se afogou ali também. Com a sensibilidade de um mestre, Roeg conclui esse triste e assustador filme com a imagem de uma Julie Christie serena e sorridente enquanto navega pelos canais de uma Veneza assombrada, desfrutando do seu recomeço. Se a primeira morte dessa história a destruiu por completo, a segunda lhe possibilitou uma oportunidade única de redenção e renascimento. 
Por Heitor Romero, em 19/08/2018
Avaliação:                     10.0
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 8.0
• Daniel Dalpizzolo 8.5
• Régis Trigo 7.0
• Silvio Pilau 6.0
• Vlademir Lazo 8.0
• Heitor Romero 10.0
• Marcelo Leme 7.0
• Bernardo D.I. Brum 8.0
•  Média 7.8
Notas - Usuários
7.9/10 (135 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #45 60 anos de Tim Burton
• #44 Meu Amigo Totoro
• #43 Missão: Impossível - Efeito Fallout
• #42 Filmes da Sessão da Tarde
• #41 Batman: O Cavaleiro das Trevas
• #40 100 anos de Ingmar Bergman
• #39 Os Incríveis 2
• #38 Era Uma Vez no Oeste
• #37 Jurassic Park e Jurassic World
• #36 O Bebê de Rosemary
• #35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
• #34 Han Solo: Uma História Star Wars
• #33 Deadpool 2
• #32 Um Corpo que Cai
• #31 Stephen King no Cinema
• #30 Vingadores: Guerra Infinita
• #29 A Franquia 007
• #28 Um Lugar Silencioso
• #27 2001: Uma Odisseia no Espaço
• #26 Jogador Nº1
• #25 Planeta dos Macacos
• #24 Quentin Tarantino
• #23 75 anos de David Cronenberg
• #22 Projeto Flórida
• #21 Trama Fantasma
• #20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
• #19 Oito e Meio de Fellini
• #18 A Forma da Água
• #17 The Post e os filmes de Jornalismo
• #16 Indicados ao Oscar 2018!
• #15 20 Anos de Titanic
• #14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
• #13 Melhores de 2017
• #12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
• #11 Especial Natalino
• #10 Assassinato no Expresso Oriente
• #9 Onde os Fracos Não Têm Vez
• #8 Liga da Justiça
• #7 Stranger Things
• #6 45 anos de O Poderoso Chefão
• #5 Branca de Neve e os Sete Anões
• #4 Halloween
• #3 Blade Runner / Blade Runner 2049
• #2 De Volta Para o Futuro
• #1 Os Goonies
• #0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Inverno de Sangue em Veneza
(Don't Look Now, 1973)
• Direção:
- Nicolas Roeg
• Elenco Principal:
- Julie Christie
- Donald Sutherland
- Hilary Mason
• Sinopse: Após o trágico acidente que culminou na morte de sua filha, o casal Laura (Julie Christie) e John Baxter (Donald Sutherland) muda-se para Veneza, afim de esquecer a tragédia. Porém, lá chegando, uma mulher diz que sua filha está enviando mensagens do...
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE