FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Jackie

(Jackie, 2016)
Por Marcelo Leme Avaliação:               7.0
Uma elaboração a rés do luto.
imagem de Jackie
O filme inicia com um plano aberto, com um enquadramento arquitetônico rigoroso. Este apuro estético é uma insinuação a personalidade da protagonista. Outros planos seguintes se assemelham sempre minuciosos, com o objeto focal no centro. Poderia-se colocar uma moldura e enquadrar tais imagens, especialmente aquelas que trazem a personagem título com seu vestuário impecável, tanto nos closes ou nos planos médios, dinamizando a beleza da ordem na Casa Branca com o caos da tragédia estampando os noticiários pelo mundo. 

O signo da tragédia surge na marca de sangue como mácula no rosto, nas mãos, nas unhas e no vestido de Jacqueline Kennedy. As cenas se congregam a imagens de arquivo e a historia se constrói a partir da personagem diante uma lógica narrativa por vezes documental arranjada numa montagem fragmentada. Filmes dentro de um filme, sendo cada um uma parte de memórias que se defrontam.

Jackie é a primeira incursão cinematográfica do cineasta chileno Pablo Larrain nos Estados Unidos. Na bagagem levou um dos temas que mais aprecia: contextos políticos. São dele os longas No (No, 2012) e o recém-lançado Neruda (Neruda, 2016). O contexto em questão diz respeito a um dos momentos mais aterradores da história estadunidense: o assassinato de John F. Kennedy, presidente dos Estados Unidos à época. Mas o filme fala de sua esposa, Jacqueline, a icônica primeira dama; e de seus interesses pessoais após a trágica morte do marido. Ela vislumbra um testamento midiático sobre quem fora o presidente – seu legado é comparado a Camelot. E em induções, também vislumbra um registro de quem fora ela, a inesquecível primeira dama. 

A obra não é uma cinebiografia, trata basicamente dos quatro dias após o assassinato, um recorte temporal explanando o processo de luto até o funeral luxuoso, intercalado com cenas de entrevistas e um documento de apresentação da reforma da Casa Branca, proposta pela própria Jacqueline Kennedy. A edificação de salas e objetos que pertenceram a outros presidentes como memoria imortalizada do país é discutido num grau de comparação relevando importâncias. Numa cena em um carro, Jackie pergunta sobre ex-presidentes mortos. Todos são recordados. Kennedy também será? Nesse ponto passamos a conhecer um pouco mais de Jackie e o torno em volta do mito construído em cima de seu nome. 

O filme está estruturado sobre a entrevista concedida a um repórter da revista Life, em Hyannis Port. É uma entrevista carregada de certa estranheza, já que a intimidade da ex-primeira dama se desvela num subjetivo testemunho que dá margens a lembranças, como uma reconstrução pessoal dos acontecimentos, elaboração da experiência singular da tragédia. A reconstrução é restrita a uma visão privada e os fatos como ocorreram pouco importam ao cineasta, mas sim as descrições desses fatos segundo a entrevistada. Ela precisa comentar sobre a tragédia com os filhos; ela precisa dizer sobre a tragédia para o mundo. E que interessante são suas palavras proferidas, sendo a mentira um adorno da verdade. Jackie traga um cigarro e logo diz: eu não fumo. Nem tudo se difunde e cada linha de seu discurso só poderá ser publicada mediante sua aprovação.  

Natalie Portman encarna a personagem com a devoção de uma entusiasta. A dicção, a serenidade calculada no tom de sua voz e a relutância dá a ela uma potencialização da personalidade absorvida, dividida entre a figura política edificada com a figura humana e suas emoções elucidadas na interpretação. Sua performance é elegante e estudada e o filme depende exatamente disso, da força de uma grande protagonista. Penso, assim, no que seria do filme se não tivesse uma atriz com a competência de Natalie Portman para segura-lo. O filme é dela, a aposta certeira do ascendente Larrain.
Por Marcelo Leme, em 03/02/2017
Avaliação:               7.0
Notas - Equipe
• Daniel Dalpizzolo 4.0
• Régis Trigo 5.0
• Silvio Pilau 7.0
• Heitor Romero 5.0
• Marcelo Leme 7.0
• Felipe Leal 4.5
•  Média 5.4
Notas - Usuários
6.6/10 (110 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (3)
Por Letícia Coelho, em 04/02/2017 | 15:38:01 h
Eu acho a Portman uma ótima atriz, mas não sei se é impressão só minha, entretanto, acho ela parecida em quase todos os papéis que faz, com a voz meio baixa e rouca, mas enfim, ela, é que de fato sustenta o filme.
Por Ricardo Amaral Guedes, em 04/02/2017 | 12:16:07 h
Achei a atuação da Portman tão... fake. Assim como todo o filme, sinceramente.
Por Matheus Johan Darswik Rodrigues Barbosa, em 03/02/2017 | 22:42:22 h
Bela crítica Marcelo,Natalie Portman tem uma atuação extraordinária,grande candidata ao prêmio Oscar 2017 de Melhor Atriz.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #007 Stranger Things
• #006 45 anos de O Poderoso Chefão
• #005 Branca de Neve e os Sete Anões
• #004 Halloween
• #003 Blade Runner / Blade Runner 2049
• #002 De Volta Para o Futuro
• #001 Os Goonies
• #000 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Jackie
(Jackie, 2016)
• Direção:
- Pablo Larrain
• Elenco Principal:
- Natalie Portman
- Peter Sarsgaard
- Greta Gerwig
• Sinopse: A estória de Jacqueline Kennedy (Natalie Portman), que inesperadamente viúva, lida com o trauma nos quatro dias posteriores ao assassinato de seu marido, o então presidente dos Estados Unidos, John F. Kennedy.
 FILMES RELACIONADOS
• Neruda
• No
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE