FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Jovem Mulher

(Jeune femme, 2017)
Por Francisco Carbone Avaliação:                   9.5
Uma mulher sob (forte) influência.
imagem de Jovem Mulher
Paula está agitada. Ela bate na porta, ela esmurra, ela grita, ela chora, ela xinga, bate com a cabeça. Mais de uma vez, e de propósito. Desmaia. Acorda então num hospital, medicada, onde é examinada por um psicólogo de plantão. O que Paula queria naquela porta? Entrar. O apartamento do ex-namorado é a primeira de muitas portas fechadas que ela terá ao longo de Jovem Mulher, longa de estreia de Léonor Serraille, Camera D'Or no Festival de Cannes desse ano - com justiça. O filme chega num momento crucial da mulher moderna, onde o cinema as entende dotadas da complexidade que outrora foi negada às personagens femininas, e que hoje não pode nem é mais postergada ou mitigada. Independente da enorme relevância comportamental, Jovem Mulher é um estudo de personagem, dentro da linguagem cinematográfica. É na verdade 'O Estudo', talvez o maior momento de 2017 nessa área.

Observando e bebendo a fonte inesgotável que John Cassavetes deu ao mundo, o vigoroso e explosivo mergulho de Serraille é uma estreia impressionante sob qualquer aspecto. Filmando de maneira impactante, é uma espécie de desabafo sobre o desamor próprio e os descaminhos de desconstrução e reconstrução mental. A cineasta francesa cola sua câmera rente a Paula, uma jovem mulher que literalmente já viveu de um tudo. Febril como sua protagonista, a narrativa segue o ritmo ágil imprimido pela dupla, criadora e criatura, que não dá descanso ao espectador e instiga com suas elipses e seu gradativo descortinamento das ações e reações, do passado recente e do presente imediato, um caleidoscópio imprevisível em pleno movimento. As respostas sobre quem é essa jovem mulher e porque ela se encontra no momento frágil atual vem como em peças de um quebra-cabeça afetivo e emocional, que recria aos poucos o furacão Paula, que como todo fenômeno climático provoca destruição por onde passa; no caso dela, a destruição também é interna.

Se a estrutura do roteiro, também de autoria de Serraille, não é inovadora nem tem sacadas originais, a qualidade do todo vem da carpintaria com a qual se constrói a narrativa. O desenho de Paula é muito refinado e crível, uma personagem que é a síntese da idiossincrasia, tendo um manancial delas. Mulher repleta de desilusões desde o entrecho familiar até o convívio social, extremamente difícil sempre, Paula é uma pessoa que afasta muito mais do que aproxima. Geniosa, aparentemente em constante desequilíbrio e numa eterna corda bamba sobre a perda da razão, o filme até acompanha sua anti-heroina por passagens mais suaves, mas acabamos criando uma espécie de arquitetura do desconforto diante de sua imprevisibilidade emocional. Carente, Paula é um ser humano que passeia por rabiscos dos Coen, de Woody Allen, mas que é abençoada pelo já citado Cassavetes, e acaba emergindo desse grupo de referências como alguém possível e extremamente humano, além de fresco. Pontos para sua idealizadora, mas nunca só ela.

Extremamente centrado, talvez o filme nem precisasse ter um elenco tão incrível, mas tem. Lógico que tudo seria em vão se Laetitia Dosch não estivesse no auge de sua capacidade. Atriz praticamente novata, com currículo cinematográfico curto, Dosch deveria facilmente ganhar todos os prêmios do ano em qualquer país, de língua francesa ou não. Sua entrega em cena deveria ser militricamente analisada em cursos de atuação e invejada por seus colegas. O tanto que é uma personagem fascinante, é o equivalente a ela entregar uma atuação simplesmente inesquecível. Paula é um missel sem rumo, que eventualmente explode nos lugares e nas ocasiões menos apropriadas, e o trabalho conjunto de Serraille e Dosch é primordial para o efeito pretendido, e alcançado. E dramaturgicamente, que ela seja criada do avesso de como qualquer um trataria, é um presente do filme para o espectador e para a própria Dosch, que mostra um ser humano real de fora pra dentro. Vísceras expostas, diretora e atriz tratam de gradativamente radiografar o interior fraturado de uma mulher cujo maior traço de modernidade talvez seja não medir as consequências, para os acertos e para os erros.

Numa temporada de filmes marcado por grandes temas perpassando a vida até comum das pessoas comuns assoladas pelo extraordinário, Jovem Mulher pega carona na delicadeza de Paterson e Manchester a Beira-Mar para emoldurar uma alma fraturada pelos anos e em processo de reconstrução compulsória. A partir da chegada de determinado personagem vivido por Grégoire Monsaingeon e da relação muito destrutiva entre ele e Dosch, o filme observa então um processo de descoberta do feminismo que provavelmente Paula nem tinha criado em si, e que o faz da maneira mais natural e menos didática possível. Com um trabalho de montagem primoroso que define desde o frenético ritmo da vida absolutamente frugal de Paula até a necessária placidez que ela precisa adquirir para compor sua sanidade, Jovem Mulher é um daqueles belos casos onde uma narrativa muito focada precisa de inúmeros profissionais para dar eixo a algo muito íntimo e pessoal, e como numa espécie de reflexo irônico, o brilhantismo de sua atriz principal faz todos os elementos centrar holofotes de volta nela mesma.
Por Francisco Carbone, em 19/12/2017
Avaliação:                   9.5
Notas - Equipe
• Francisco Carbone 9.5
•  Média 9.5
Notas - Usuários
6.7/10 (5 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
#55 Halloween (2018)
#54 O Primeiro Homem
#53 Nasce Uma Estrela
#52 Musicais no Século XXI
#51 70 anos de John Carpenter
#50 Breaking Bad - 10 Anos
#49 Neorrealismo Italiano
#48 O Exorcista
#47 Wall-E
#46 The Last of Us
#45 60 anos de Tim Burton
#44 Meu Amigo Totoro
#43 Missão: Impossível - Efeito Fallout
#42 Filmes da Sessão da Tarde
#41 Batman: O Cavaleiro das Trevas
#40 100 anos de Ingmar Bergman
#39 Os Incríveis 2
#38 Era Uma Vez no Oeste
#37 Jurassic Park e Jurassic World
#36 O Bebê de Rosemary
#35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
#34 Han Solo: Uma História Star Wars
#33 Deadpool 2
#32 Um Corpo que Cai
#31 Stephen King no Cinema
#30 Vingadores: Guerra Infinita
#29 A Franquia 007
#28 Um Lugar Silencioso
#27 2001: Uma Odisseia no Espaço
#26 Jogador Nº1
#25 Planeta dos Macacos
#24 Quentin Tarantino
#23 75 anos de David Cronenberg
#22 Projeto Flórida
#21 Trama Fantasma
#20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
#19 Oito e Meio de Fellini
#18 A Forma da Água
#17 The Post e os filmes de Jornalismo
#16 Indicados ao Oscar 2018!
#15 20 Anos de Titanic
#14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
#13 Melhores de 2017
#12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
#11 Especial Natalino
#10 Assassinato no Expresso Oriente
#9 Onde os Fracos Não Têm Vez
#8 Liga da Justiça
#7 Stranger Things
#6 45 anos de O Poderoso Chefão
#5 Branca de Neve e os Sete Anões
#4 Halloween
#3 Blade Runner / Blade Runner 2049
#2 De Volta Para o Futuro
#1 Os Goonies
#0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Jovem Mulher
(Jeune femme, 2017)
• Direção:
- Léonor Serraille
• Elenco Principal:
- Laetitia Dosch
- Souleymane Seye Ndiaye
- Grégoire Monsaingeon
• Sinopse: Sem dinheiro, dona apenas de um gato e com todas as portas batendo na sua cara, Paula retorna a Paris após longa ausência. Abandonada pelo namorado, embarca em uma jornada para redescobrir a integridade de sua alma e sua independência.
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE