FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Kong: A Ilha da Caveira

(Kong: Skull Island, 2017)
Por Cesar Castanha Avaliação:               7.0
As ilhas de Kong.
imagem de Kong: A Ilha da Caveira
A primeira fala do filme Kong: A Ilha da Caveira, depois de seu prólogo na Segunda Guerra Mundial, é dita pelo personagem de John Goodman enquanto ele desce de um carro, em 1973, sob os gritos manifestantes que exigiam, em frente à Casa Branca, o fim da Guerra no Vietnã. “Nunca vai haver uma época mais ferrada do que esta em Washington”, diz o personagem. A ironia dessa fala é um dos primeiros sinais do comentário político a que o filme se propõe.

Ambientado, em sua maior parte, nos dias que seguem a rendição americana no Vietnã, o filme constrói seus personagens à sombra da guerra perdida. É embriagado pelo rancor da derrota que o general Preston Packard (Samuel L. Jackson) comanda a expedição sugerida ao governo americano pelo geólogo Bill Randa (John Goodman), que alega estar interessado na natureza peculiar de uma ilha não colonizada no Sul do Pacífico. Juntam-se à expedição um rastreador free lancer (Tom Hiddleston) e a fotógrafa de guerra Mason Weaver (Brie Larson).

Obviamente, a Ilha se revela mais do que parece ser. Nela, habitam Kong, mais um conjunto de animais gigantes e John C. Reilly. Logo, o lugar se torna para os personagens como uma continuação do Vietnã. Surge ali a oportunidade de recuperar o sentido da Guerra; e Packard se agarra a essa oportunidade, reafirmando sua responsabilidade de acabar com “o monstro” antes que ele alcance o mundo fora da Ilha, mesmo que Kong esteja completamente alheio à existência desse mundo.

O filme nos convida repetidamente à comparação do conflito contra Kong àquele do Vietnã. Essa metáfora é trazida pela fala dos personagens, que eventualmente conversam sobre a natureza da guerra; pela estrutura narrativa do filme, que opõe, por exemplo, a fotógrafa pacifista ao militar rancoroso; e, também, pela sua imagem. Não poucas vezes, a fotografia do filme coloca Kong à frente do céu alaranjado que conhecemos tão bem por filmes como Apocalypse Now, e as batalhas do exército americano são acompanhadas com cores quentes, um aspecto tão particular do imaginário que se criou sobre o Vietnã que é notável até mesmo no cenário da peça musical Miss Saigon.

Seria interessante, no entanto, observar como o filme, mesmo estando tão envolvido na sua metáfora — e com razão, afinal é uma ótima metáfora — e no seu discurso pacifista, funciona como filme de guerra/ação e segue rigorosamente a cartilha do que se espera do gênero. Ou seja, como um filme declaradamente pacifista em seu discurso opera dentro do que se espera do gênero de ação.

Este, ainda mais, é um filme que se apoia muito em suas sequências de ação e que pega emprestado dos filmes de guerra alguns vícios e clichês, como o comandante carismático e cego de ódio, a comoção por soldados que não conseguem voltar para casa e o uso constante de artifícios como bombas, urros masculinos e tiros de metralhadora. Não resta dúvida de que Kong: A Ilha da Caveira aplica cada um desses recursos de seu gênero para cumprir com o que se espera de um filme de ação. Essa já é uma promessa, aliás, feita pelos letreiros estrondosos que antecedem o filme numa sala Imax (o tipo de espaço onde ele claramente foi concebido para ser visto): “Prepare-se para sentir o impacto, para a imersão total”. Como, então, cumprir essa promessa sem abrir mão do discurso pacifista?

Não é um problema que o filme resolve com facilidade. Algumas vezes, parece que a ação do filme é cuidadosamente aplicada a favor de seu discurso — como, por exemplo, ao observar à ação a partir de como ela é vivida por Kong. Outras vezes, o filme parece estar se apoiando demais na excitação que a destruição e os esmagamentos causam no público para sustentar sua tese pacifista. São os frutos da negociação entre o comentário político de Kong e o gênero cinematográfico a que pertence. E ainda que as contradições que surgem daí sejam a fraqueza do filme, esse parece o tipo de conflito que o cinema de gênero em Hollywood terá que enfrentar nos próximos anos. E é realmente fantástico testemunhar isso na tela grande.
Por Cesar Castanha, em 07/03/2017
Avaliação:               7.0
Notas - Equipe
• Silvio Pilau 8.0
• Heitor Romero 3.0
• Pedro Tavares 3.5
• Cesar Castanha 7.0
• Felipe Leal 7.0
•  Média 5.7
Notas - Usuários
6.7/10 (72 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (8)
Por Luiz Fernando de Freitas, em 24/03/2017 | 16:36:20 h
O filme me desapontou bastante, lembrando em vários momentos a limitada versão de 76 do personagem (só que pior). O roteiro é vazio e os personagens unidimensionais e a direção apesar de estilosa, é fria e distante do espectador. O público tem que ter um mínimo de simpatia pelo personagem para um filme como Kong funcionar, o que não acotece aqui, infelizmente. Ainda assim o filme tem um visual caprichado, cenas de ação e efeitos visuais realistas e alguns momentos de humor que funcionam. John Goodman é o melhor do elenco também, o que não quer dizer muita coisa afinal.
Por DEMETRIO ISLAUSKAS DEMOSTENES IVANOFF, em 24/03/2017 | 15:03:38 h
Vi Kong. Bobinho. Aqueles filmes em que deve-se deixar o cérebro junto com o chapéu e a bengala, antes de adentrar na sala de projeção...Por falar nisso, já é tempo de se obrigar esses eatabelecimentos a possuirem uma chapelaria. Ainda que sejam poucos os que fazem uso desse expediente, a atual produção de filmes, parece (culpa do rock com certeza)que não quer que precisemos entrar com o cérebro.
Por Samuel Lima, em 13/03/2017 | 14:48:54 h
É uma lindo fime do Kong, sim, seu bando de hipócritas! Kong está belíssimo, um baita de um Rei. Nota 10. Filmão. E faz jus à figura de King Kong.

Parem de mi mi mi, por favor.
Por Alexandre Koball, em 13/03/2017 | 07:38:18 h
Realmente a obra de 33 não deve ser superada (Jackson chegou perto com seu filme-homenagem, mas por definição não conseguiria superar). Aqui parece um filme super divertido de monstros.
Por Felipe Ishac, em 13/03/2017 | 02:32:22 h
australiano?
Por DEMETRIO ISLAUSKAS DEMOSTENES IVANOFF, em 12/03/2017 | 09:22:30 h
Nada contra teu escrito meu jovem, tampouco duvido da parte estética da presente obra. Não acredito porém nesse filme. Um filme ambientado pós década de 60, ou melhor, após a segunda Guerra Mundial não me convencerá. A tecnologia bélica evoluiu tanto que Kong não amedrontaria mais ninguém. A verdadeira besta é o homem. Jackson ao menos ambientou a obra num momento apropriado. Valha-me Senhor! Dever-se-ia ter mais respeito para com o legado do passado. No caso de kong, trata-se de algo sacro: nada e ninguém superará a obra de 1933. A homenagear como fez o australiano tudo bem, agora as outras tentativas (inclusive o Filho de King Kong de 1933 também) são é desrespeito. Dos produtores e de quem as prestigiar.
Por Alexandre Koball, em 08/03/2017 | 07:18:19 h
Foto show, espero que os efeitos sejam desse nível e não aquela coisa computadorizada artificial.
Por Alex Paiva, em 07/03/2017 | 23:22:29 h
Esta foto não é do King Kong do Peter Jackson?
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #002 De Volta Para o Futuro
• #001 Os Goonies
• #000 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Kong: A Ilha da Caveira
(Kong: Skull Island, 2017)
• Direção:
- Jordan Vogt-Roberts
• Elenco Principal:
- Tom Hiddleston
- John Goodman
- Samuel L. Jackson
• Sinopse: Uma expedição irá revelar a origem de King Kong e os mistérios de seu local de nascimento, a Ilha da Caveira.
 FILMES RELACIONADOS
• Apocalypse Now
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
       
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

        
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE