FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Lady Bird: A Hora de Voar

(Lady Bird, 2017)
Por Guilherme Bakunin Avaliação:               7.0
A impressionante estreia de Greta Gerwig na direção.
imagem de Lady Bird: A Hora de Voar
Antes de sua história, talvez o que mais tenha chamado a atenção do público para Lady Bird: É Hora de Voar foi o fato de ter alcançado 100% de avaliações positivas no site Rotten Tomatoes, feito que aparentemente havia sido conquistado apenas por Toy Story 2 (só que com menos avaliações catalogadas, vale observar). Embora a nota do filme não seja mais 100%, ele continua agradando a crítica, tendo inclusive abocanhado cinco indicações ao Oscar, todas por prêmios principais (filme, direção, roteiro, atriz e atriz coadjuvante).
Uma aclamação tão generalizada não era de maneira alguma esperada pelo primeiro trabalho atrás das câmeras de Greta Gerwig, atriz californiana reconhecida por suas participações em projetos de pequeno calibre, especialmente com Joe Swanberg e Noah Baumbach. Greta surgiu para o cinema no movimento mumblecore, caracterizado por atuações naturalistas e improvisadas, em histórias que retratavam a vida de pessoas comuns durante seus vinte e poucos anos. Em 2010, conquistou papel no elogiado Greenberg, contracenando com Ben Stiller. Greta e o diretor, Baumbach, iniciariam um ano mais tarde um relacionamento, cujo maior fruto viria em 2012 com Frances Ha, um filme inteiramente dedicado à presença & persona de Gerwig, e precisamente adequado para a época (os paralelos entre o filme e o seriado da HBO Girls, do mesmo ano, são  inconfundíveis).

A protagonista de Frances Ha é uma garota californiana lidando com a dura realidade que é sobreviver na cidade de Nova York. Lady Bird, por outro lado, talvez seja a história dessa mesma garota, dez anos antes. Christine “Lady Bird” McPherson está no último ano do colégio em uma escola católica, tem inclinações artísticas e deseja toda a cultura e sofisticação de grandes centros urbanos, algo que sua cidade natal, a pacata Sacramento, é incapaz de oferecer. Ela é ainda insegura em relação a sua aparência, a suas habilidades, a sua condição social, e precisa lidar com tudo isso enquanto enfrenta marcos naturais do final da adolescência – sexo, amizade, faculdade e etc.

Lady Bird chama atenção por ser pouco movido pelo plot, que é propositalmente disperso e evasivo. A ideia é seguir o último ano da personagem-título, buscando tocar na complexidade de emoções que a adolescente experiencia pelo período, esquivando-se de posicionar-se contra ou a favor de quaisquer personagens. O filme se esquiva também de colocar adultos como opressores e/ou vozes de infinita sabedoria, evitando o lugar comum em filmes coming of age. Embora sejam tratados como coadjuvantes, a todos os personagens adultos é dada a oportunidade de tornarem-se pouco mais complexos, investidos cada qual dos seus medos e vontades.

A ideia de não contrapor personagens adolescentes a personagens adultos é especialmente importante porque o filme não trata do conflito entre gerações, mas do conflito do indivíduo contra ele mesmo – e as circunstâncias que os cercam. Não é sobre a rebeldia de uma garota adolescente cheia de problemas inventados, mas um olhar real sobre aquilo que nos limita e nos aliena do resto das pessoas. É contextualizado, mas ao mesmo tempo universal.

Por isso o coração e a alma de Lady Bird está na relação de Christine com sua mãe. É tempestuosa e violenta, repleta de agressões verbais. Porém, as atuações de Ronan (Lady Bird) e Metcalf (Marion) são tão poderosas que a presença do amor entre mãe e filha, embora invisível, esteja indiscutivelmente presente. O relacionamento entre ambas é profundamente marcado pelo fracasso – da mãe, em ter conseguido conquistar tão pouco na vida, em termos de metas profissionais, e da filha, em se enxergar tão limitada e pouco apta para enfrentar o mundo como uma pessoa adulta. O fracasso gera temor, o temor gera o embate e o embate gera ressentimento. E ao redor disso, todas as outras ações e micro-ações retratadas ao longo do filme que se adicionam umas às outras, tornando a convivência entre as duas cada vez mais instável e distante.

Lady Bird é acima de tudo isso um intricado jogo de reflexos e projeções camuflados em um roteiro verborrágico. É uma sucessão de enxergar-se de maneiras diversas, no outro, em você ou em lugar nenhum. É projetar sua consciência em cima do outro, obrigando-o a lidar com frustrações e desejos que dizem respeito a você. E é viver no meio de tudo isso, buscando decifrar o código que esconde sua própria individualidade. Ao final do filme, Christine (recusando a alcunha autoproclamada de Lady Bird), agora já morando em Nova York, telefona para a mãe. Não conseguindo contato, resolve deixar uma mensagem de voz, na qual evoca lugares e sensações da cidade de Sacramento, num ato claro de reconciliação. Aqui, Gerwig investe a ação da personagem de símbolo mais uma vez. Não se trata apenas da reconciliação da garota com sua cidade natal, mas da filha com a mãe e, ainda, da filha com ela mesma.
Por Guilherme Bakunin, em 30/01/2018
Avaliação:               7.0
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 7.0
• Daniel Dalpizzolo 6.0
• Rodrigo Cunha 7.0
• Régis Trigo 6.0
• Silvio Pilau 7.5
• Heitor Romero 7.5
• Marcelo Leme 7.0
• Bernardo D.I. Brum 7.5
• Guilherme Bakunin 7.0
• Léo Félix 8.0
• Felipe Leal 5.0
•  Média 6.9
Notas - Usuários
7.4/10 (219 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #45 60 anos de Tim Burton
• #44 Meu Amigo Totoro
• #43 Missão: Impossível - Efeito Fallout
• #42 Filmes da Sessão da Tarde
• #41 Batman: O Cavaleiro das Trevas
• #40 100 anos de Ingmar Bergman
• #39 Os Incríveis 2
• #38 Era Uma Vez no Oeste
• #37 Jurassic Park e Jurassic World
• #36 O Bebê de Rosemary
• #35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
• #34 Han Solo: Uma História Star Wars
• #33 Deadpool 2
• #32 Um Corpo que Cai
• #31 Stephen King no Cinema
• #30 Vingadores: Guerra Infinita
• #29 A Franquia 007
• #28 Um Lugar Silencioso
• #27 2001: Uma Odisseia no Espaço
• #26 Jogador Nº1
• #25 Planeta dos Macacos
• #24 Quentin Tarantino
• #23 75 anos de David Cronenberg
• #22 Projeto Flórida
• #21 Trama Fantasma
• #20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
• #19 Oito e Meio de Fellini
• #18 A Forma da Água
• #17 The Post e os filmes de Jornalismo
• #16 Indicados ao Oscar 2018!
• #15 20 Anos de Titanic
• #14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
• #13 Melhores de 2017
• #12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
• #11 Especial Natalino
• #10 Assassinato no Expresso Oriente
• #9 Onde os Fracos Não Têm Vez
• #8 Liga da Justiça
• #7 Stranger Things
• #6 45 anos de O Poderoso Chefão
• #5 Branca de Neve e os Sete Anões
• #4 Halloween
• #3 Blade Runner / Blade Runner 2049
• #2 De Volta Para o Futuro
• #1 Os Goonies
• #0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Lady Bird: A Hora de Voar
(Lady Bird, 2017)
• Direção:
- Greta Gerwig
• Elenco Principal:
- Saoirse Ronan
- Laurie Metcalf
- Tracy Letts
• Sinopse: Marion McPherson é uma enfermeira que vai morar na Califórnia com o seu marido que acabou de perder o emprego e sua filha rebelde, Christine. Quanto mais ela trabalha para sustentar os três, mais a sua relação com a filha se aproxima do caos total. F...
 FILMES RELACIONADOS
• Frances Ha
• Toy Story 2
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE