FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Limite

(Limite, 1931)
Por Rodrigo Cunha Avaliação:                 8.0
Um dos melhores filmes brasileiros da história é lá da época muda do cinema brasileiro, com a mais absoluta certeza.

Antes de começar a falar sobre o filme Limite em si, gostaria de lhes contar um gosto pessoal que vai fazer com que minha opinião sobre o filme fique ainda mais forte: gosto de muita pouca coisa da época muda do cinema. Não que eu negue o seu valor, pois reconheço que as raízes de tudo o que vemos no cinema atual nasceu lá, está registrado, não há como negar. É que simplesmente nunca tive muita paciência para aturar duas horas de filmes que necessitam serem interpretados a todo instante, o que os torna pesado e, na maioria das vezes, cansativos.

Lógico que isso é só minha opinião, há muita gente que discorda (e pode até se ofender com o que escrevi), mas além de Chaplin, apenas dois filmes conseguiram driblar essa barreira pessoal sobre o cinema mudo que possuo: O Encouraçado Potenkim e Limite, o filme em questão (não estou incluindo o expressionismo alemão, que tem forte influencia sobre Limite, e que não acho de jeito nenhum). Ou seja, mesmo não curtindo muito o estilo em que o filme se encontra, ele conseguiu me contagiar de uma maneira que já o considero como um dos melhores filmes brasileiros da história.

Mário Peixoto assina essa obra que, por muitos, é considerado o filme mais importante já feito no Brasil. Na época, apesar de pouco assistido, ganhou dimensões internacionais, chegando a ser elogiado por cineastas importantes, como o russo Sergei Eisenstein. Ao lado de Ganga Bruta, de Humberto Mauro, representa a maior obra já produzida em nosso país (se bem que não gosto de Ganga, acho muito chato). No início da década de 80, Saulo Pereira de Mello restaurou a única cópia existente no Brasil do filme, dando a nós a oportunidade de assistir e, como hoje, avaliar tudo o que esta rica obra poderia nos oferecer. Foi filmado quando Mário Peixoto tinha apenas 22 anos, e é uma pena que um diretor tão promissor quanto ele, com essa sua obra de estréia, nunca tenha feito um segundo filme (até tentou, mas nunca o terminou).

O enredo de Limite parece ser simples: um homem e duas mulheres estão confinados em um barco em meio a imensidão do oceano e vão contando suas histórias, logo após uma tempestade. A maior diferença de Limite para os outros filmes da época é o modo de contar a sua história, que foge totalmente dos padrões clássicos narrativos do cinema norte-americano, por exemplo. Temos, em forma de construção e não como um recurso, o uso freqüente de flashbacks para contar a história de cada um, fazendo na verdade um profundo estudo sobre o comportamento do ser humano e sobre os seus dramas existenciais.

Há uma interação rítmica de imagens para expressar o que os personagens estão sentindo. A realidade nunca é consumada, nada é descritivo. Com isso o filme ganha uma identidade pessoal de cada narrador conforme vamos conhecendo suas histórias. Os planos somavam-se para criar um sentido ao invés de cada um responder por si só, exatamente o método de montagem que Eisenstein defendia. Os personagens mesmo, cada um tem um ícone significativo dentro da obra, como a mulher que é o símbolo do ânimo, o homem da desistência e há a terceira mulher, que desistiu de viver. É um filme bem triste, macabro, pesado. É muito mais do que ele mostra, muito mais profundo, pode-se dizer até que ele revela sentimentos.

O que mais me chamou atenção em Limite, no entanto, foram os ousados ângulos de câmera usados por Mário, levando em consideração que elas não tinham o peso e a mesma facilidade de movimentação das que temos hoje. Os movimentos encontrados no filme classificam-se como extraordinários, uma vez que há constantes travellings (como a câmera que gira em torno da mulher em certo momento), enquadramentos ousados (como por cima de toda a ação; ou em outro momento a câmera que é posta de lado, paralelamente ao chão; ou então quando a câmera simplesmente não enquadra o personagem, e sim o cenário, deixando-o no espaço off da tela!), e muitos outros planos bem pensados e que ajudam muito a criar essa poesia visual que Limite tenta alcançar.

A fotografia também é uma das mais belas. O modo como a natureza é usada, transformando-a em parte do filme, é dos mais belos não só da época, mas até hoje mesmo. Lembro de cada tomada do mar, de árvores, das pequenas coisas da vida, como uma fita métrica ou a tesoura para ligarmos a imagem dos objetos aos personagem que os utilizam. Enfim, nenhum plano é gratuito, mesmo que você não entenda o seu significado. Tudo é uma metáfora. Quando digo que a realidade tornou-se parte do filme, estou me referindo a força da interação personagem-realidade que o filme ganha com o modo como ela é exposta. Se você um dia precisar estudar fotografia de filmes, não precisa ir muito longe não, como Rússia, EUA, França ou outros países Tenha a certeza de que tudo o que você precisar para um estudo está aqui, nesse filme. Esteticamente, sem medo de errar, posso dizer que o filme é simplesmente perfeito.

É interessante também compararmos reações dos personagens para os diferentes tipos de confinamento que se encontram, como falei em um pedaço do texto um pouco mais atrás. Tomando por exemplo a primeira personagem do filme a contar sua história, que trocou as grades reais da prisão por um isolamento ainda pior, a liberdade do mar que, em toda sua extensão azul, cria grades ainda mais fortes do que onde ela se encontrava antes. O modo desordenado com que a história vem sendo contada nos transmite uma certa sensação de perdição, desequilíbrio, desespero: exatamente o que nossos personagens estão sentindo.

O elenco do filme é de se fazer inveja a qualquer superprodução. Além do próprio Mário, temos nomes fortes como Iolanda Bernardes, Edgar Brasil (que trabalhou com Humberto Mauro no já citado Ganga Bruta e em Sangue Mineiro, outro grande sucesso brasileiro), Olga Breno (Um Beijo Roubado) e a bombástica Carmen Santos, ícone do cinema brasileiro, que merece até um capítulo a parte. Ela produziu muitos filmes, mas nenhum conseguiu ser finalizado de fato, seja por incêndios 'acidentais' ou por problemas técnicos. Uma mulher de força e ousadia em plenos anos 20, 30.

Limite é grande, delicioso de se assistir e com muitas metáforas ao nosso dispor. Tem um clima pesado triste que eu adorei. Fechou com chave de ouro a participação brasileira no cinema mudo, uma vez que o sonoro já estava invadindo mundo afora e dominando o seu espaço. Como o próprio nome do filme diz, é uma análise sobre até onde o ser humano pode chegar em seu esforço, e o modo como a história nos é contada coloca Limite no patamar dos melhores filmes brasileiros já feitos. Se tiver a oportunidade de ver, não pense duas vezes.

Por Rodrigo Cunha, em 22/10/2003
Avaliação:                 8.0
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 6.0
• Rodrigo Cunha 8.0
• Heitor Romero 8.0
• Marcelo Leme 7.0
• Léo Félix 5.0
•  Média 6.8
Notas - Usuários
7.8/10 (72 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #45 60 anos de Tim Burton
• #44 Meu Amigo Totoro
• #43 Missão: Impossível - Efeito Fallout
• #42 Filmes da Sessão da Tarde
• #41 Batman: O Cavaleiro das Trevas
• #40 100 anos de Ingmar Bergman
• #39 Os Incríveis 2
• #38 Era Uma Vez no Oeste
• #37 Jurassic Park e Jurassic World
• #36 O Bebê de Rosemary
• #35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
• #34 Han Solo: Uma História Star Wars
• #33 Deadpool 2
• #32 Um Corpo que Cai
• #31 Stephen King no Cinema
• #30 Vingadores: Guerra Infinita
• #29 A Franquia 007
• #28 Um Lugar Silencioso
• #27 2001: Uma Odisseia no Espaço
• #26 Jogador Nº1
• #25 Planeta dos Macacos
• #24 Quentin Tarantino
• #23 75 anos de David Cronenberg
• #22 Projeto Flórida
• #21 Trama Fantasma
• #20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
• #19 Oito e Meio de Fellini
• #18 A Forma da Água
• #17 The Post e os filmes de Jornalismo
• #16 Indicados ao Oscar 2018!
• #15 20 Anos de Titanic
• #14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
• #13 Melhores de 2017
• #12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
• #11 Especial Natalino
• #10 Assassinato no Expresso Oriente
• #9 Onde os Fracos Não Têm Vez
• #8 Liga da Justiça
• #7 Stranger Things
• #6 45 anos de O Poderoso Chefão
• #5 Branca de Neve e os Sete Anões
• #4 Halloween
• #3 Blade Runner / Blade Runner 2049
• #2 De Volta Para o Futuro
• #1 Os Goonies
• #0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Limite
(Limite, 1931)
• Direção:
- Mário Peixoto
• Elenco Principal:
- Iolanda Bernardes
- Edgar Brasil
- Olga Breno
• Sinopse: Um homem e duas mulheres estão confinados em um barco em meio à imensidão do oceano. Eles vão contando suas histórias de como chegaram até ali, logo após uma intensa tempestade tê-los isolado do mundo.
 FILMES RELACIONADOS
• Ganga Bruta
• Sangue Mineiro
• Um Beijo Roubado
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE