FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Lizzie

(Lizzie, 2018)
Por Rafael W. Oliveira Avaliação:           5.0
Facetas mal exploradas.
imagem de Lizzie
Muito mais do que motivada pelos resultados de movimentos como o #MeToo e Time’s Up e as histórias de protagonismo feminino, esta revisitação à notória história de Lizzie Borden e o assassinato de seus pais igualmente se justifica pelo fascínio que o acontecido, que se tornou parte do imaginário folclórico estadunidense, ainda exerce devido às suas discussões e indagações centenárias sobre quem teria cometido o crime e tirado as vidas do casal Borden. Da mesma forma, Lizzie deseja, após versões para o cinema, TV e até mesmo teatro, abordar nesta suposta versão definitiva o relacionamento ocasionado pela aproximação entre Lizzie (Chloë Sevigny) e a empregada da família, Bridget (Kristen Stewart).

E quando uso a palavra “suposta”, é mais para refletir a forma como o diretor Craig William McNeill (de O Garoto Sombrio), a partir do roteiro de Bryce Kass, enxerga o potencial óbvio de sua história, seja na desenvoltura dramática, seja na aproximação da produção como um retrato pró-feminista (ou mesmo feminista, já que a própria Sevigny é uma das produtoras) de uma catarse protagonizada por duas mulheres. Para um fato histórico tão controverso, McNeill deixa boa parte da desenvoltura em suas mãos pelo meio do caminho, e condena Lizzie ao retrato superficial.

Ambientado numa Inglaterra sombria do século XIX, à beira dos assassinatos de ‘Jack, O Estripador’, a vontade em abordar o extremo machismo daquele momento e a reclusão da figura feminina em relação aos homens seria algo de se esperar, em especial pelo reforço que essa opção encontraria na figura de Lizzie, rebelde e inconformada com as imposições paternas, e que tomava atitudes consideradas ousadas em sua época como ir ao teatro sozinha. O roteiro ensaia explorar essa faceta forte de Lizzie até o momento definitivo dos assassinatos, mas mal dá conta de todas as outras vertentes que o texto acaba encontrando.

A direção de McNeill deixa explicita suas fragilidades especialmente na narrativa esquemática e pretensiosa em relação ao caso, que se inicia com Lizzie encontrando o corpo dos pais e gritando pela ajuda de Bridget para, logo em seguida, se apoiar num gigantesco flashback que tentará justificar as atitudes das duas mulheres dentro de um cotidiano abusivo e autoritário. E mesmo neste caso, a aproximação entre as duas mulheres é burocrática e quase dispensável, encontrando pouquíssimo reflexo num desfecho carente de envolvimento dramático, uma vez que McNeill se sustenta muito mais no quê de mistério e suspense sobre os assassinatos, por mais que a previsibilidade se faça presente. 

Fotografado com um distanciamento incômodo por Noah Greenberg, Lizzie ao menos nos satisfaz com uma recriação de época competente, de figurinos fechados que exemplificam  a repressão social da época, e uma direção de arte, assinada por Elizabeth J. Jones, que justificam a frieza com que a família Borden se trata mesmo dentro de uma residência suntuosa. A sutileza da trilha sonora de Jeff Russo, variando bem entre o suspense o os momentos mais intimistas, fecha o pacote de um filme que, ao menos tecnicamente, deixa pouco a desejar.

E se Kristen Stewart encontra dificuldades para transcender as exigências de um papel que lhe limita e pouco desafia, é Chloë Sevigny a chave para que Lizzie desperte alguma empatia ao compor uma figura feminina completa, complexa e pesada, e é nela que encontramos justificativas para a construção de uma catarse, por mais que esta também seja mal entregue ao público. A longa sequência dos assassinatos, em especial, é o momento chave para a atriz demonstrar sua força e carisma em cena. Mas ainda é pouco, pouco para um filme que falha tanto no próprio desenvolvimento, que é falho no retrato de uma sociedade que julgava as pessoas através de sua posição social, e que parece ter medo de se aprofundar num dos principais elementos usados para vender o filme: o relacionamento entre Lizzie e Bridget. É um filme frouxo em quase todos os caminhos que deseja trilhar.
Por Rafael W. Oliveira, em 05/01/2019
Avaliação:           5.0
Notas - Equipe
• Rafael W. Oliveira 5.0
•  Média 5.0
Notas - Usuários
6.1/10 (7 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
#69 Indicados ao Oscar 2019
#68 Creed II
#67 Vidro
#66 Homem-Aranha no Aranhaverso
#65 WiFi Ralph e O Retorno de Mary Poppins
#64 Melhores Filmes de 2018
#63 Duro de Matar
#62 Roma
#61 O Senhor dos Anéis
#60 Scarface
#59 Infiltrado na Klan
#58 Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald
#57 O Legado de Stan Lee
#56 O Roteiro de Cinema
#55 Halloween (2018)
#54 O Primeiro Homem
#53 Nasce Uma Estrela
#52 Musicais no Século XXI
#51 70 anos de John Carpenter
#50 Breaking Bad - 10 Anos
#49 Neorrealismo Italiano
#48 O Exorcista
#47 Wall-E
#46 The Last of Us
#45 60 anos de Tim Burton
#44 Meu Amigo Totoro
#43 Missão: Impossível - Efeito Fallout
#42 Filmes da Sessão da Tarde
#41 Batman: O Cavaleiro das Trevas
#40 100 anos de Ingmar Bergman
#39 Os Incríveis 2
#38 Era Uma Vez no Oeste
#37 Jurassic Park e Jurassic World
#36 O Bebê de Rosemary
#35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
#34 Han Solo: Uma História Star Wars
#33 Deadpool 2
#32 Um Corpo que Cai
#31 Stephen King no Cinema
#30 Vingadores: Guerra Infinita
#29 A Franquia 007
#28 Um Lugar Silencioso
#27 2001: Uma Odisseia no Espaço
#26 Jogador Nº1
#25 Planeta dos Macacos
#24 Quentin Tarantino
#23 75 anos de David Cronenberg
#22 Projeto Flórida
#21 Trama Fantasma
#20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
#19 Oito e Meio de Fellini
#18 A Forma da Água
#17 The Post e os filmes de Jornalismo
#16 Indicados ao Oscar 2018!
#15 20 Anos de Titanic
#14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
#13 Melhores de 2017
#12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
#11 Especial Natalino
#10 Assassinato no Expresso Oriente
#9 Onde os Fracos Não Têm Vez
#8 Liga da Justiça
#7 Stranger Things
#6 45 anos de O Poderoso Chefão
#5 Branca de Neve e os Sete Anões
#4 Halloween
#3 Blade Runner / Blade Runner 2049
#2 De Volta Para o Futuro
#1 Os Goonies
#0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Lizzie
(Lizzie, 2018)
• Direção:
- Craig William Macneill
• Elenco Principal:
- Kristen Stewart
- Chloë Sevigny
- Kim Dickens
• Sinopse: A história por trás dos terríveis assassinatos na família Borden, em 1892.
 FILMES RELACIONADOS
• O Garoto Sombrio
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2019) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2019)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE
Apoiadores
Promobit: O site para encontrar aquela promoção imperdível