FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Logan

(Logan, 2017)
Por Silvio Pilau Avaliação:                 8.0
Mais que um filme de super-herói, um filme ousado e dramaticamente denso protagonizado por um.
imagem de Logan
Embora tenha sido consistentemente o personagem mais interessante da série X-Men, Logan/Wolverine jamais teve seu potencial devidamente explorado nas telonas. Houve tentativas, claro, como nos dois filmes solo do mutante, o único do grupo a receber tal honraria, mas, infelizmente, ambos os esforços revelaram-se, no mínimo, decepcionantes. Em algum lugar, no entanto, mesmo que apenas nas mentes do diretor James Mangold e de Hugh Jackman, havia uma história a ser contada que fizesse jus à ferocidade e à personalidade complexa do homem de adamantium. Logan, para alívio dos fãs, é essa história.

Logo em sua primeira cena, Mangold (que também havia comandado Wolverine – Imortal) faz questão de deixar claro ao espectador que este é um filme bastante diferente daqueles vistos até então na série. Assim que Logan crava suas famosas garras no queixo de um bandido, e o cineasta mostra tudo de maneira gráfica, sem poupar no sangue, surge o primeiro sinal de que o que virá a seguir é, ao menos, um filme adulto, longe da assepsia e da esterilidade comuns a filmes de super-heróis. Mais do que isso, aliás: o que essa primeira cena esclarece é que se trata de um filme com a intenção de traduzir em tela as principais características do protagonista: seu lado sombrio, seu instinto animalesco e sua explosiva brutalidade.

E essa abordagem faz toda a diferença. Jamais seria possível abraçar tudo o que o personagem tinha a oferecer se a história envolvesse novamente outra dezena de heróis e ficasse escondida sob uma tonelada de inofensivos e duvidosos efeitos especiais. Apoiado pelo sucesso de Deadpool (que difere muito em tom, mas mostrou que é possível um filme fazer sucesso trazendo sangue), Mangold e seus roteiristas Scott Frank e Michael Green optaram por realizar uma obra artisticamente ambiciosa, que busca priorizar personagens e suas relações, e principalmente verdadeira com seu personagem, entregando as doses de violência que fazem parte de sua vida.
Não é por acaso que, em certo momento da produção, o Professor Xavier assiste a Os Brutos Também Amam na cama de um hotel. Assim como Shane, protagonista daquele clássico, o Wolverine de Logan é um homem (no caso, um mutante) cansado que busca deixar para trás uma vida de violência, embora este sempre acabe o reencontrando. Cansado e doente, vivendo em um mundo onde os mutantes não mais existem, Logan carrega nas costas o peso de tudo aquilo que já fez, não importando se todas as pessoas que matou tenham merecido seu destino – e sua resposta à jovem Laura quando ela aponta exatamente isso é significativa: “Dá no mesmo”.

Dessa forma, o personagem assume aqui uma característica que jamais teve antes: a vulnerabilidade. Pela primeira vez, Logan/Wolverine não é mais aquele mutante indestrutível, imortal, que irá se regenerar a qualquer ataque. A própria composição visual lembra constantemente o espectador desse fato: rosto enrugado, cheio de cicatrizes, barba por fazer e olhos vermelhos, cansados. Esse novo Logan é abraçado por Hugh Jackman com a fome de quem deseja explorar ao máximo as novas facetas de um personagem que parecia esgotado: o ator adota um andar trôpego e uma voz desgastada, mas jamais esquece da intensidade e irascibilidade do mutante, fazendo de Wolverine um personagem pelo qual é possível sentir pena, mas que jamais deixa de exalar perigo e ameaça.
 
Com a vulnerabilidade de Logan, o filme ganha um senso de urgência inédito e impensável até então na série; afinal, Wolverine pode se machucar e morrer. Assim, as cenas de ação deixam de ser apenas sequências que mais parecem tiradas de um videogame, mas se transformam em momentos de tensão e violência que realmente podem ter consequências. James Mangold, aliás, conduz a ação com habilidade, jamais permitindo que o excesso de cortes torne tudo aquilo confuso – e o cenário levemente distópico ainda permite que o diretor beba na fonte do recente sucesso de Max Max: Estrada da Fúria em ao menos uma sequência passada no deserto.

Porém, mesmo funcionando razoavelmente bem como um filme de ação, o fato é que Logan se destaca realmente por seu peso dramático. Se não chega a ser emocionalmente exaustivo como Batman – O Cavaleiro das Trevas, a produção desenvolve com surpreendente profundidade seus temas de culpa, dor e até mesmo família, encontrando ternura e ressentimento na relação entre o protagonista e o Professor Xavier (mais uma vez, defendido de maneira nobre por Patrick Stewart). O acréscimo da pequena Laura, uma assustadora mini-Wolverine, interpretada com carisma e energia por Dafne Keen, traz um toque especial a esse aspecto da trama, que resulta em cenas capazes de despertar emoção genuína na plateia.

Mas Logan não é desprovido de sua parcela de problemas, embora nenhum deles seja suficiente para estragar o quadro geral. Se o roteiro acerta na estrutura de road trip (gênero propício para o desenvolvimento dos personagens) e traz algumas boas ideias (o momento em que uma cruz vira um X é belíssimo), também peca em outras escolhas, como no tratamento unidimensional dado aos vilões, no apego a algumas convenções do gênero e na pouca explicação referente a determinadas questões. Sim, excesso de exposição sempre incomoda, mas algumas ideias poderiam ter sido melhor desenvolvidas, como, por exemplo, a relação entre Logan e Calliban, o evento causado por Xavier no passado e até mesmo a natureza da doença que aflige o protagonista.

Não obstante esses deslizes, o fato é que, em uma época na qual os filmes de super-herói se tornaram excessivos e genéricos, Logan chega para se somar a Deadpool e mostrar que é possível arriscar, e que a plateia está preparada para projetos mais densos. Em outras palavras, Logan é uma esperança de que os estúdios produzam cada vez menos filmes genéricos de super-heróis, e cada vez mais filmes ousados e dramaticamente ambiciosos que, por um detalhe, são protagonizados por eles.

Joey, não há como viver com... com um assassinato. 
Não há como voltar disso. Certo ou errado, é uma marca.
Uma marca permanece. Não há como voltar.
Diálogo de Os Brutos Também Amam

Por Silvio Pilau, em 03/03/2017
Avaliação:                 8.0
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 6.0
• Daniel Dalpizzolo 5.0
• Rodrigo Cunha 8.0
• Régis Trigo 6.5
• Silvio Pilau 8.0
• Marcelo Leme 8.0
• Rafael W. Oliveira 7.0
• Léo Félix 7.0
•  Média 6.9
Notas - Usuários
7.7/10 (334 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (8)
Por Ted Rafael Araujo Nogueira, em 05/03/2017 | 17:24:04 h
Nem entendi o motivo da discussão frente ao óbvio ululante.
Por Luiz Fernando de Freitas, em 05/03/2017 | 15:24:06 h
É sério que tem gente que não entendeu o título da crítica...
Por Bernardo D.I. Brum, em 05/03/2017 | 03:01:32 h
O que o título quer dizer é: não é um filme do "gênero" super-herói, é um drama protagonizado por um super-herói.
Por Italo, em 04/03/2017 | 22:44:02 h
Deadpool não é infantil é para adultos hue
Por Laécio Lima dos Santos, em 04/03/2017 | 19:41:58 h
Realmente um excelente filme (um adjetivo pouco usado em filmes dos X-Men). Não me incomodou a falta de explicação entre a relação entre o Logan e o Caliban, ou da descrição do evento envolvendo o professor Xavier. Como se trata de um filme futurístico, com um longo hiato entre o tempo atual, cheio de mutantes e o do filme, começar a explicar muita coisa deixaria o filme desnecessariamente longo. O ritmo do filme é ótimo.
Por Daniel Borges, em 04/03/2017 | 12:54:25 h
ótima análise silvio. se todo filme de super-heroi fosse levado a sério como esse...
acabei de assistir e vim aqui ler sua crítica, e da mesma forma que você disse o que mais gostei foi sua atmosfera de perigo real, finalmente conduzido pra valer em um filme de super-heroi. já cansou ver um bando de herois lutando contra inimigos muito mais fortes, de outros mundos, e você saber que no fim todos estarão bem. como se envolver assim? você acaba não dando importância pras sequências de lutas genéricas, e daí?? mas aqui desde o primeiro instante percebe-se que o protagonista está vulnerável, e isto deixa o filme todo com uma sensação angustiante. bom passatempo!
Por Davi de Almeida Rezende, em 04/03/2017 | 02:51:55 h
Não entendi direito o jogo de palavras que você quis fazer sobre um herói ter protagonizado um filme de super-herói.

Mas enfim, ainda não assisti o longa, e você parecia fazer um relato sincero dele, escrevendo bem, até detonar o texto fazendo comparação esdrúxula com um filme RUIM e INFANTIL que foi Deadpool. Bom, como não sei se Logan é bom ou ruim, se for ruim, na verdade seu texto fará sentido. No entanto, se o filme for bom como você afirmou, a comparação é completamente descabida e sem sentido e comprometeu seriamente seu texto bem escrito.

Obs: quando for fazer comparações com outros filmes, tenha muita certeza do que está escrevendo. As vezes uma comparação completamente sem noção destrói um texto inteiro.
Por Kerlan T., em 04/03/2017 | 02:01:27 h
wow
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
• #34 Han Solo: Uma História Star Wars
• #33 Deadpool 2
• #32 Um Corpo que Cai
• #31 Stephen King no Cinema
• #30 Vingadores: Guerra Infinita
• #29 A Franquia 007
• #28 Um Lugar Silencioso
• #27 2001: Uma Odisseia no Espaço
• #26 Jogador Nº1
• #25 Planeta dos Macacos
• #24 Quentin Tarantino
• #23 75 anos de David Cronenberg
• #22 Projeto Flórida
• #21 Trama Fantasma
• #20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
• #19 Oito e Meio de Fellini
• #18 A Forma da Água
• #17 The Post e os filmes de Jornalismo
• #16 Indicados ao Oscar 2018!
• #15 20 Anos de Titanic
• #14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
• #13 Melhores de 2017
• #12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
• #11 Especial Natalino
• #10 Assassinato no Expresso Oriente
• #9 Onde os Fracos Não Têm Vez
• #8 Liga da Justiça
• #7 Stranger Things
• #6 45 anos de O Poderoso Chefão
• #5 Branca de Neve e os Sete Anões
• #4 Halloween
• #3 Blade Runner / Blade Runner 2049
• #2 De Volta Para o Futuro
• #1 Os Goonies
• #0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Logan
(Logan, 2017)
• Direção:
- James Mangold
• Elenco Principal:
- Hugh Jackman
- Patrick Stewart
- Dafne Keen
• Sinopse: Em 2029, Logan e Prof. Xavier vivem dias sofridos no deserto do Texas. Uma doença degenerativa acomete o Professor, Logan está sendo envenenado pouco a pouco por seu próprio adamantium, e trabalha como motorista para sobreviver. Mas quando Logan relu...
 FILMES RELACIONADOS
• Deadpool
• Os Brutos Também Amam
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE