FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
CRÍTICA

Longe Dela

(Away From Her, 2006)
Por Geo Euzebio Avaliação:                 8.5
Uma delicada história sobre os meandros e dificuldades do amor, mesmo quando maduro.

É difícil imaginar ao ver as primeiras cenas de Longe Dela que Fiona (Julie Christie) esteja "começando a desaparecer", como ela mesma diz. Sua vida junto com o marido Grant (Gordon Pinsent) parece tão tranqüila e ao mesmo tempo ativa, incluindo passeios na neve, leituras e jantares. Tudo muito agradável, até o momento em que uma frigideira vai parar no freezer e o sinal vermelho é ativado: algo de errado está começando.

Impressiona também perceber a determinação da personagem em internar-se numa clínica para tirar do marido a grande responsabilidade que é cuidar de uma pessoa com Alzheimer, ao mesmo tempo em que a perda da memória vai aos poucos denegrindo as certezas do passado, e conseqüentemente os laços familiares. Até uma piadinha com a própria condição de esquecida ela se dá ao luxo de fazer, de tão segura e consciente de sua nova condição. Na cena em eles vão ao médico procurar entender o que realmente está se passando com ela, percebam a interpretação da atriz. Claro e óbvio que se trata de uma interpretação, já que temos ali a representação de um personagem. Mas notem cuidadosamente algo a mais nessa cena. Algo que remeta à idéia de uma interpretação dentro da interpretação. E não direi mais nada para não comprometer as surpresas que virão.

É assim que Fiona entra na clínica, despedindo-se de Grant sem muitas delongas, depois de 44 anos de um casamento nunca interrompido por sequer um mês de separação. E um mês é o tempo de adaptação ao lugar, pré-determinado em contrato. Um tempo em que ambos precisarão manter-se afastados para que ela não se perturbe com as idas e vindas do marido, ao passo que ela ficará sempre lá, talvez sem entender o que se passa.

Muito diferente disso, ao retornar à clínica depois do tempo previsto, o que Grant encontra é realmente perturbador: sua Fiona entretida num jogo de cartas ao lado de outro homem. Ao perceber que ela até o reconhece sem, no entanto, fazer grande questão dele, é aí que se instala o drama de Grant, através de cujo olhar saberemos e ouviremos o desenrolar dessa história.

Fazendo uma reflexão sobre o resultado do Oscar, agora entendo os que disseram que Marion Cotillard poderia perder sua estatueta para o talento e experiência de Julie Christie: numa atuação impecável ela reproduz com grande habilidade o papel da mulher de temperamento único e beleza viva que é Fiona Anderson, aquela cujo declínio nem nós e muito menos Grant podemos aceitar como dado, como algo natural. Cheia de vida e mesmo doente ela mantém sua docilidade e firmeza originais, desviando seu afeto a Aubrey, interpretado por Michael Murphy, também muito digno no papel de coadjuvante.

E é através dele que entra na história a personagem de Olympia Dukakis, numa das melhores interpretações que já vi da atriz. Ela interpreta Marian, a esposa de Aubrey, que de alguma forma consegue construir um personagem quase oposto ao de Fiona: uma mulher cansada e prática, com menos brilho e glamour do que a protagonista, mas ainda assim tão interessada pela vida quanto ela.

E se foco minhas atenções a falar de maneira mais detida a respeito das interpretações é porque são delas a importância maior dentro da história, um filme conduzido como suporte às interpretações, exigindo portanto que delas fosse extraído o melhor. Li inclusive que Sarah Polley, a jovem e competente diretora e roteirista, adaptou o conto de Alice Munro (The Bear Came Over the Mountain) especificamente para a atuação de Julie Christie, com quem havia trabalhado antes em A Vida Secreta das Palavras, de 2005. Só para situar, Sarah Polley é bem conhecida pela protagonista de Minha Vida Sem Mim e ambos os filmes, (Minha Vida Sem Mim e A Vida Secreta das Palavras) foram dirigidos pela catalã Isabel Coixet. Sendo assim e por sua experiência como atriz, Polley pôde-se valer de uma sensibilidade mais aguçada, assim como de generosidade suficiente para focar a beleza de seu filme de estréia justamente nas interpretações.

Delicado até na construção da fotografia, dos diálogos e mesmo dos silêncios, é um filme de ótimos personagens e atuações cativantes, com o qual é impossível não se emocionar ao menos em uma cena. Ainda em se tratando de um filme de estréia, considerando-se a juventude da diretora de 29 anos e a experiência dos atores com os quais estava lidando, é lógico que devemos dar crédito a Sarah Polley. Por isso e por sua história, Longe Dela é um filme que recomendo.

Por Geo Euzebio, em 04/05/2008 Avaliação:                 8.5
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 7.0
• Régis Trigo 5.0
• Demetrius Caesar 8.5
• Silvio Pilau 7.5
•  Média 7.0
Notas - Usuários
7.4 (84 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Longe Dela
(Away From Her, 2006)
• Direção:
- Sarah Polley
• Elenco Principal:
- Julie Christie
- Gordon Pinsent
- Michael Murphy
• Sinopse: Grant e Fiona formam um casal feliz, que tem sua vida abalada quando ela apresenta alguns graves sintomas, como perda de memória. Logo vem a confirmação: Fiona está com o mal de Alzheimer. Relutante a princípio, ela passa a aceitar a doença e se inte...
 FILMES RELACIONADOS
• A Vida Secreta das Palavras
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2014) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
MAPA DO SITE
ANUNCIE CONOSCO