FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Milla

(Milla, 2017)
Por Pedro Tavares Avaliação:                   9.0
À hiper-realidade de Chantal.
imagem de Milla
Desvincular o conjunto de remitências de Valérie Massadian ao cinema de Chantal Akerman em Milla é tarefa ingrata. O rigor que a diretora impõe é indigesto e parte do famoso conceito do “nada acontece”, tão citado nos estudos do cinema de Chantal Akerman. Em Milla, a inércia antes e pós-trauma servirá como suporte máximo à estrutura narrativa em um filme minimalista que estabelece com a rigidez de seus planos a alusão à dramaticidade do cotidiano. 

Milla é dividido em dois extremos: primeiro, acompanha os hábitos de um casal que segue o contrafluxo de regras e valores sociais num jogo de sobrevivência pautado pela coragem adolescente e suas inconsequências. Ainda que a sugestão seja de um suposto descontrole por parte destes jovens, não sabendo o dia de amanhã, a noção do que se vê é de um controle completo do espaço, da relação – com seus prós e contras – entre marido e esposa e a entrega do futuro ao vazio. É um jogo de repetições, de submissão ao tempo e para Valérie, a de repetição do formalismo, que consiste na mais simples maneira de filmar – como mais uma inclinação ao tédio.

Quando a ruptura chega – muito bem condensada por parte de Valérie -, os hábitos vistos agora são de uma dona de casa, de uma mãe; ao contrário de Jeanne Dielmann - o mais próximo de uma comparação que Valérie e Chantal podem chegar - as ações não estão na íntegra, mas boa parte na duplicidade do close e do plano geral. Milla amamenta, brinca com a criança, limpa a casa. Ao redor, solidão, medo, o futuro a chegar. É a sensação imutável que Milla traz a cada plano, a consistência do desconhecido, de um fantasma a bater à porta. 

Neste completo desequilíbrio emocional, impressiona o rigor de Valérie Massadian em não mudar o tom. A impressão é de ver a via crucis imposta pela protagonista a si; o conformismo de uma nova vida, agora tão imutável quando a possibilidade da primeira. Um filme cercado por dimensões de presença e ausência, Milla respeita a percepção de uma personagem extremamente humana, de fragilidades e abismos possíveis a qualquer um e assim, opta pela simples observação, de ações e tempos elásticos, sugerindo aproximação à realidade.

Ao contrário dos contornos dados por Chantal a Jeanne Dielmann que muitas vezes se aproximam de voyeurismo, o filme de Valérie Massadian assume seus limites narrativos; está preocupada com a representação de sua protagonista e por vezes diminui os espaços, agigantando Milla na tela, mas a diminuindo em seus sentimentos. A cada vez que Valérie entrega a imagem à protagonista, ela é engolida. Essa dicotomia de imagem e sentimentos é mais explícita, acabando com qualquer possibilidade de um filme de mera observação. 

O interesse  do filme está na sensação de asfixia, de uma vida a base de ar rarefeito e de tempo amorfo. Pois a longevidade é subjetiva e o mesmo serve para marcas e legados deixados – talvez a única forma de se alcançar o futuro, de fato. 
Por Pedro Tavares, em 07/11/2017
Avaliação:                   9.0
Notas - Equipe
• Pedro Tavares 9.0
•  Média 9.0
Notas - Usuários
aguardando 3 votos
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
#49 Neorrealismo Italiano
#48 O Exorcista
#47 Wall-E
#46 The Last of Us
#45 60 anos de Tim Burton
#44 Meu Amigo Totoro
#43 Missão: Impossível - Efeito Fallout
#42 Filmes da Sessão da Tarde
#41 Batman: O Cavaleiro das Trevas
#40 100 anos de Ingmar Bergman
#39 Os Incríveis 2
#38 Era Uma Vez no Oeste
#37 Jurassic Park e Jurassic World
#36 O Bebê de Rosemary
#35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
#34 Han Solo: Uma História Star Wars
#33 Deadpool 2
#32 Um Corpo que Cai
#31 Stephen King no Cinema
#30 Vingadores: Guerra Infinita
#29 A Franquia 007
#28 Um Lugar Silencioso
#27 2001: Uma Odisseia no Espaço
#26 Jogador Nº1
#25 Planeta dos Macacos
#24 Quentin Tarantino
#23 75 anos de David Cronenberg
#22 Projeto Flórida
#21 Trama Fantasma
#20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
#19 Oito e Meio de Fellini
#18 A Forma da Água
#17 The Post e os filmes de Jornalismo
#16 Indicados ao Oscar 2018!
#15 20 Anos de Titanic
#14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
#13 Melhores de 2017
#12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
#11 Especial Natalino
#10 Assassinato no Expresso Oriente
#9 Onde os Fracos Não Têm Vez
#8 Liga da Justiça
#7 Stranger Things
#6 45 anos de O Poderoso Chefão
#5 Branca de Neve e os Sete Anões
#4 Halloween
#3 Blade Runner / Blade Runner 2049
#2 De Volta Para o Futuro
#1 Os Goonies
#0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Milla
(Milla, 2017)
• Direção:
- Valérie Massadian
• Elenco Principal:
- Séverine Jonckeere
- Luc Chessel
- Ethan Jonckeere
• Sinopse: Os jovens Milla e Leo fogem para uma cidade portuária ao norte da França, onde dividem uma casa e sua rotina, buscando construir uma vida juntos.
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE