FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Millennium: A Garota na Teia de Aranha

(Girl in the Spider's Web, The, 2018)
Por Bernardo D.I. Brum Avaliação:             6.0
Enlatando a saga Millenium.
Criada por Stieg Larsson, a saga de livros Millenium é um sucesso internacional de público e crítica. O autor com sucesso conseguiu aliar dois protagonistas carismáticos - o jornalista Mikael Blomkvist e a hacker Lisbeth Salander - a uma trama de suspense investigativo que lidava com assassinatos em série, tráfico humano e problemas sociais inerentes à Suécia. Uma trilogia feita no país conseguiu despertar o interesse internacional e lançar a atriz Noomi Rapace, mas grande parte do prestígio ao menos com a crítica mundial se deve a Os Homens Que Não Amavam as Mulheres, filme dirigido por David Fincher e estrelado por Daniel Craig e Rooney Mara.

“Ao menos” porque, se o filme foi considerado uma excelente obra, a atmosfera sombria e a metragem extensa não traduziram em grande sucesso de público. Talvez aí que se deva a nova adaptação A Garota na Teia de Aranha, dirigido por Fede Alvarez (Evil Dead, O Homem nas Trevas) e com Claire Foy (The Crown, O Primeiro Homem) no papel de Lisbeth Salander. Filme que já nasce com um diferencial: ao invés de dar sequência ao filme de Fincher, adapta o homônimo quarto livro da série, sequência autorizada pela família de Larson e escrito por David Lagercrantz. Lançado em 2015, era o único que ainda não tinha uma adaptação própria.

Algo salta aos olhos de partida: é uma história muito menos intimista que as anteriores. Se Mikael e Lisbeth antes haviam eviscerado o passado sombrio de uma família sueca e lidado com criminosos ligados ao passado da hacker, em A Garota na Teia de Aranha a questão familiar fica em segundo plano para uma ameaça em escala global: após um rápido flashback que dá conta de como Lisbeth escapou de uma família abusiva, a hacker reparte o tempo entre ser uma vigilante que salva mulheres abusadas e chantageia os agressores e aceitar um trabalho que envolve roubar um software da Defesa americana que dá acesso a um simples computador nuclear a todo o arsenal nuclear do planeta. Com a ajuda de Mikael, deverá lidar com a sinistra organização As Aranhas, que acompanham cada passo seu.

O esmero dos mistérios bem pensados foi quase que completamente embora: o filme recusa o desenvolvimento lento dos anteriores e investe com muito mais dedicação na ação. Aqui Mikael é chutado para escanteio e várias sequências são dedicadas a Lisbeth envolvida em conflitos físicos, perseguições de carro, resgates, tiroteios e invasões. Com o conflito em escala global a ser resolvido, não chega a ser exagero que A Garota na Teia de Aranha parece uma versão feminina da série 007.

Fede Alvarez, como é possível ver em obras anteriores, tem um cinema altamente versado em set-pieces, grandes orquestrações de pequenas unidades dramáticas entrelaçadas por um conflito. A trama de dominação mundial, então, remotamente ligada ao passado de Lisbeth, é decantada em cenas em que Alvarez, acostumado ao terror, filma determinados momentos com especial criatividade para um filme de ação - como quando Lisbeth é sedada e tenta escapar da morte certa. Movimentos de câmera subjetivos e nervosos, perspectivas inusitadas e cortes rápidos de um filme sem muita paciência para compôr imagens criam uma cena de um suspense vibrante, onde muito por causa dos antecedentes do diretor a fisicalidade e o desgaste da ação são muito mais presentes.

Tão diferente de Noomi Rapace e Rooney Mara, Claire Foy pode em um primeiro momento não parecer ter muito a ver com o personagem mas defende com dignidade uma Lisbeth Salander menos “freak”, com visual menos chamativo, com menos acessórios bizarros, com a raiva por abusadores sendo mais fria e menos temperamental. No todo, é uma composição mais sóbria e melancólica do que as anteriores - mais “gótica” e menos “punk”, e também mais madura, o que parece ser um caminho natural para a Lisbeth de Mara, após lutar o crime de alto escalão por tanto tempo.

Claro que não ajuda criar essa conexão quando os filmes tem tão pouco a ver, o de Fincher sendo um perturbador caso de arquivo morto e o novo sendo uma aventura escapista. Mas fatores como a grosseria típica do horror gore e um final até que corajoso para um gênero de filme tão catártico, explorando uma perda da protagonista e não uma conquista, colocam A Garota na Teia da Aranha acima do produto de ação médio - mas ao custo de fazer o “Millenium menos Millenium” já visto.
Por Bernardo D.I. Brum, em 06/11/2018
Avaliação:             6.0
Notas - Equipe
• Bernardo D.I. Brum 6.0
•  Média 6.0
Notas - Usuários
6.5/10 (4 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (1)
Por Kennedy, em 13/11/2018 | 13:35:56 h
A trama em escala global não me agradou muito. Destoa muito do tom da série. Sem falar no final - achei bem nada a ver, meio que enfraqueceu a já enfraquecida história d'As Aranhas.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
#55 Halloween (2018)
#54 O Primeiro Homem
#53 Nasce Uma Estrela
#52 Musicais no Século XXI
#51 70 anos de John Carpenter
#50 Breaking Bad - 10 Anos
#49 Neorrealismo Italiano
#48 O Exorcista
#47 Wall-E
#46 The Last of Us
#45 60 anos de Tim Burton
#44 Meu Amigo Totoro
#43 Missão: Impossível - Efeito Fallout
#42 Filmes da Sessão da Tarde
#41 Batman: O Cavaleiro das Trevas
#40 100 anos de Ingmar Bergman
#39 Os Incríveis 2
#38 Era Uma Vez no Oeste
#37 Jurassic Park e Jurassic World
#36 O Bebê de Rosemary
#35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
#34 Han Solo: Uma História Star Wars
#33 Deadpool 2
#32 Um Corpo que Cai
#31 Stephen King no Cinema
#30 Vingadores: Guerra Infinita
#29 A Franquia 007
#28 Um Lugar Silencioso
#27 2001: Uma Odisseia no Espaço
#26 Jogador Nº1
#25 Planeta dos Macacos
#24 Quentin Tarantino
#23 75 anos de David Cronenberg
#22 Projeto Flórida
#21 Trama Fantasma
#20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
#19 Oito e Meio de Fellini
#18 A Forma da Água
#17 The Post e os filmes de Jornalismo
#16 Indicados ao Oscar 2018!
#15 20 Anos de Titanic
#14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
#13 Melhores de 2017
#12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
#11 Especial Natalino
#10 Assassinato no Expresso Oriente
#9 Onde os Fracos Não Têm Vez
#8 Liga da Justiça
#7 Stranger Things
#6 45 anos de O Poderoso Chefão
#5 Branca de Neve e os Sete Anões
#4 Halloween
#3 Blade Runner / Blade Runner 2049
#2 De Volta Para o Futuro
#1 Os Goonies
#0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Millennium: A Garota na Teia de Aranha
(Girl in the Spider's Web, The, 2018)
• Direção:
- Fede Alvarez
• Elenco Principal:
- Claire Foy
- Sverrir Gudnason
- Cameron Britton
• Sinopse: A hacker Lisbeth Salander e o jornalista Mikael Blomkvist se envolvem numa rede de espionagem, corrupção e ciberterrorismo.
 FILMES RELACIONADOS
• O Homem nas Trevas
• O Primeiro Homem
• Os Homens Que Não Amavam as Mulheres
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE