FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Mulher do Pai

(Mulher do Pai, 2015)
Por Marcelo Leme Avaliação:                 8.0
Longe demais das capitais.
imagem de Mulher do Pai
Em meios às bucólicas paisagens gaúchas interioranas, em um lugar em que as horas parecem mais duradouras, uma adolescente desperta a novos interesses e curiosidades, descobrindo paixões e diversões enquanto vê crescer a vontade em ultrapassar as fronteiras da pequena cidade onde vive, a fim de ver os lugares que por ali sempre ouviu falar. É a libertação das amarras ambicionada, representada por uma menina, a jovem Nalu, a poucos passos de um mundo de possibilidades prometido, mas de difícil alcance a alguém tão jovem. Há responsabilidades que lhe impedem de vencer as fronteiras. 

Coprodução entre Brasil e Uruguai, esse Mulher do Pai é contado com dedicada ternura pela diretora Cristiane Oliveira, experiente como assistente de direção e produtora em Nove Crônicas para um Coração aos Berros (Idem, 2012) e Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa (Idem, 2013). Cristiane releva a imagem de planícies em volta de uma pequena cidade esquecida no interior do Rio Grande do Sul, bem próxima do Uruguai. Nela coloca personagens envelhecidos que se conhecem por nome; e jovens idealizando ir embora para os grandes centros. As novidades locais são as pessoas que passam trazendo histórias.

O filme é nutrido por sensações, sendo a de solidão onipresente. A cidade é solitária; as pessoas que vivem nela são solitárias. Há ausências sentidas e o roteiro explana a falta com sensatez em diálogos expositivos e na disposição dos atores na fotografia, ora separando-os com portas e paredes; ora unindo-os num pequeno espaço, como uma cozinha ou numa casinha onde funciona uma tecelagem. Os símbolos visuais são perceptíveis e contribuem com o desenvolvimento da história. Os trilhos que somem na paisagem são observados sintetizando o desejo pela retirada daquele lugar, no entanto são encarados como quadros de uma paisagem qualquer, passível unicamente de admiração. 

Nalu vive com o pai, Ruben, um tecelão que perdeu a visão. A relação entre ambos cresce após um luto e encontra conflitos quando percebem-se distanciados devido a presença de outras pessoas que aos poucos ocupam os espaços vazios da deteriorada casa onde residem. Ciúmes e discórdias sucedem dias de inconformidades, naturalizando a relação sem questionar certo e errado, mas buscando revelar em cena os conflitos particulares da dupla estremecida: o pai que perde a mãe que tanto lhe ajudava e a filha que ganha a atribuição de cuidar do pai, temendo que esse encargo signifique a renúncia de seus sonhos de não mais estar ali. 

É ótimo ver a dinâmica entre a dupla de atores Maria Galant e Marat Descartes. Esse último, um nome muito importante do cinema brasileiro contemporâneo, transmite toda a dureza de ter de se redescobrir adulto e aprender a dar conta da vida após perder a visão e mais tarde a mãe, seus olhos até então. Num mesmo processo de descoberta está Nalu, representada por Galant que convence com ingenuidade adolescente, sempre condizente ao drama íntimo de seus questionamentos e desejos revelados entre finas paredes. São dois ótimos personagens que impulsionam ainda mais o filme e, tal como na tecelagem, ajustam-se, fio por fio, tempo por tempo, experiência por experiência. 
Por Marcelo Leme, em 20/06/2017
Avaliação:                 8.0
Notas - Equipe
• Marcelo Leme 8.0
•  Média 8.0
Notas - Usuários
aguardando 3 votos
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #002 De Volta Para o Futuro
• #001 Os Goonies
• #000 O Piloto
 LEIA TAMBÉM

 FICHA DO FILME

 Mulher do Pai
(Mulher do Pai, 2015)
• Direção:
- Cristiane Oliveira
• Elenco Principal:
- Maria Galant
- Marat Descartes
- Verónica Perrotta
• Sinopse: A adolescente Nalu precisa cuidar do pai cego, após a morte da avó que os criou como irmãos. Quando Ruben percebe o amadurecimento da filha, surge uma desconcertante intimidade entre eles. Mas, com a chegada de Rosário, o ciúme ganhará espaço na vida...
 FILMES RELACIONADOS
• Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE