FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Mulher-Maravilha

(Wonder Woman, 2017)
Por Rodrigo Cunha Avaliação:               7.0
Ingenuidade de aventura clássica.
imagem de Mulher-Maravilha
Não é de se estranhar a receosa expectativa que todos estavam com relação a esse Mulher Maravilha (Wonder Woman, 2017), afinal, tanto Batman vs Superman: A Origem da Justiça (Batman v Superman: Dawn of Justice, 2016) quanto Esquadrão Suicida (Suicide Squad, 2016) foram filmes muito aquém do que poderiam ter sido e colocaram em cheque a possibilidade desse mundo expandido da DC funcionar. Diferente da Marvel, sua principal concorrente, que aposta em uma ação mais crua e menos dramática, com humor pontuando o ritmo dos filmes, e, portanto, tornando mais fácil sua identificação com o público, os filmes da DC são mais pesados, densos, algo que ainda está presente em Mulher Maravilha, mas acompanhado de uma novidade que faltava nas outras obras e que aqui faz tudo funcionar: equilíbrio.

Voltamos no tempo para conhecer a história de Diana, uma amazona diferenciada protegida pela mãe Rainha para não entrar em batalhas, porém seu instinto a leva àquilo a qual existe: proteger a humanidade. Em época de Guerra, um aviador cai na belíssima e isolada ilha onde as guerreiras vivem e isso basta para dar início a sua jornada, o que a leva a Londres e à luta contra uma Alemanha teoricamente influenciada pelo Deus da Guerra na mitologia grega Ares.

É tudo muito bem balanceado: primeiro, conhecemos como tudo começou, depois partimos para o conflito entre sua inocência com a realidade do mundo - aproveitando esse choque para inserir pontuais momentos de humor e criticar o que as mulheres passaram de modo delicado e elegante -, para depois irmos ao campo de batalha e chegarmos até à conclusão do filme. É um ritmo tão perfeito, e ao mesmo tempo tão surpreendente, que nem notamos as mais de duas horas e vinte de duração. Isso também por ser um filme de origem, onde há muita coisa a ser apresentada, desde novos personagens a motivações e vilões, o que pode ser tanto um mérito quanto uma armadilha para um filme inaugural, mas que Mulher Maravilha tira de letra. Nem o querido Batman - O Cavaleiro das Trevas (The Dark Knight, 2008), com aquele Duas Caras inserido do nada, é tão redondinho assim.

Até mesmo as sequências de luta, que geralmente se estendem por longos e tediosos minutos de efeitos especiais, aqui acontecem no tempo certo e, por serem muito bem coreografadas, empolgam até quem não é muito acostumado a curtir esse tipo de cena, com esses efeitos servindo como ferramenta ao invés de serem a atração principal. Essa, sem sombra de dúvidas, é a estrela protagonista Gal Gadot. Visualmente, ela é de uma pureza inacreditável, mulher poderosa, de boa postura e presença de tela, engolindo até rostos conhecidos como Chris Pine. Sua composição mais inocente, mas ao mesmo tempo agressiva, convence e se torna um dos principais motivos de toda aquela história funcionar. Além, é claro, de ser visualmente deslumbrante e combinar 100% com a personagem.

Claro que toda sua importância histórica como mulher é aproveitada pelo timing do longa: ela nunca foi tão maravilhosa e é a primeira vez que uma diretora comanda um filme sobre heróis, a competente Patty Jenkins. Em certo momento, Diana invade uma reunião de líderes - apenas homens - e é a mais sensata entre todos eles; ao notar a incredulidade com que é tratada, dá para ver o quanto mudou dos anos 20 para cá, onde ela ocupa importante posição no museu mais tradicional do mundo. É bonito ver uma personagem feminina salvando a pele de tantos homens em combate também, fazendo o que, para eles, é impossível. E não a toa a ilha povoada apenas pelas amazonas é muito mais colorida e convidativa do que a Londres cinzenta e cheia de dor onde os homens governam. É uma pena enorme que a vilã, a gênia dos gases Maru, não tenha a mesma profundidade de desenvolvimento do que a heroína, pois sempre defendo que grandes vilões tornam os heróis maiores, vide Coringa, mas aqui ela é tratada mais como vítima coadjuvante do Deus Ares. Uma pena, pois poderia ser um embate muito mais interessante.

Entre explosões, diálogos e atitudes previsíveis, desnecessários slow motions, reviravoltas manjadas e aquilo que já vimos em outros filmes de heróis menos corretos, temos um filme redondo legal pra caramba e de boa intenção. É importante por sua representatividade perante à luta feminina, mas também tem um coração enorme ao trazer uma mensagem simples, bonita, direta, universal. E, porque não, ingênua, como as grandes aventuras eram antigamente e hoje foram deixadas de lado por jornadas cada vez mais cínicas e pessimistas. Não é perfeito, mas faz bonito no gênero e deixa uma impressão muito melhor para a Liga da Justiça que está se formando aos poucos.
Por Rodrigo Cunha, em 31/05/2017
Avaliação:               7.0
Notas - Equipe
• Daniel Dalpizzolo 5.0
• Rodrigo Cunha 7.0
• Silvio Pilau 7.5
• Heitor Romero 7.0
• Bernardo D.I. Brum 7.5
• Guilherme Bakunin 5.0
• Rafael W. Oliveira 5.0
•  Média 6.3
Notas - Usuários
7.1/10 (114 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (6)
Por leonardo neves moreira, em 05/06/2017 | 13:25:23 h
Caro Douglas, por isso escrevo dizendo que "para MIM, foi uma grande decepção", tem gente que prefere seguir com a manada e fechar os olhos a todas as incongruências da obra; no meu caso, tentei refletir sobre o que vi.

Mas vamos lá, escreva algumas linhas dizendo o que o filme tem de bom, contribuiria muito mais do que falar sobre meu "coração".
Por Douglas Rodrigues de Oliveira, em 04/06/2017 | 14:49:10 h
Laço da verdade, Leo: Seu coração é um pêssego murcho de 3 semanas e você não se entregou ao filme com esse pêssego aberto. Mas alegre-se, você é exceção.
Por leonardo neves moreira, em 02/06/2017 | 16:24:21 h
Muitas críticas positivas e a audiência também depondo a favor do filme. Mas, para mim, foi uma grande decepção.

Um show de horrores que só não é pior por conta da entrega da Gadot e do esforço do Chris Pine, você vê que são sérios. Fato é que foram sacaneados por uma produção de texto horrível, risível, um roteiro porco e direção inexistente.

Não há um segundo de lucidez nessa película, colocam a heroína para circular como uma imbecil na Londres do início do século XX, montar equipe com personagens desimportantes, servir de coadjuvante para o personagem do Chris Pine.

Em alguns momentos me lembrou a Dori do procurando Nemo, "onde estou?", "o que estou fazendo aqui?", "acabar com a guerra", "só o amor salva". Muito ruim.

Sentimentos rasos, câmera lenta de dar sono, imagem acelerada que faz rir, flechas contra rifles, vilões que soam como pink e cérebro.

Laço da verdade: nem o sorriso magnifíco da Gadot salva esse filme.

Nota 5. Sendo gente boa.
Por Rodrigo Cunha, em 02/06/2017 | 11:50:07 h
Achei a conclusão dele muito precipitada.
Por Lucas Nunes , em 02/06/2017 | 11:10:27 h
"Nem o querido Batman - O Cavaleiro das Trevas (The Dark Knight, 2008), com aquele Duas Caras inserido do nada, é tão redondinho assim."

O arco do Duas Caras foi o meu favorito do filme, mas tudo bem.
Por Douglas Rodrigues de Oliveira, em 31/05/2017 | 14:12:14 h
"[...] e deixa uma impressão muito melhor para a Liga da Justiça que está se formando aos poucos."

Creio que esse é o ponto principal do filme, logo após claro da importância dessa glorificação (finalmente) da figura feminina no Cinemão, e o tratamento justo do filme com o ícone. Bela crítica, Cunha, singela e objetiva tal o filme parece ser.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #002 De Volta Para o Futuro
• #001 Os Goonies
• #000 O Piloto
 LEIA TAMBÉM

 FICHA DO FILME

 Mulher-Maravilha
(Wonder Woman, 2017)
• Direção:
- Patty Jenkins
• Elenco Principal:
- Gal Gadot
- Chris Pine
- Connie Nielsen
• Sinopse: Antes de ser Mulher-Maravilha, ela era Diana, princesa das Amazonas, treinada para ser uma guerreira invencível. Criada em uma isolada ilha paradisíaca, ela é levada para o mundo real quando um piloto americano cai na terra das Amazonas e conta a ela...
 FILMES RELACIONADOS
• Batman - O Cavaleiro das Trevas
• Batman vs Superman: A Origem da Justiça
• Esquadrão Suicida
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE