FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Na Praia à Noite Sozinha

(Bamui Haebyun-eoseo Honja, 2017)
Por Vlademir Lazo Avaliação:                 8.0
A rotina tem seu encanto.
imagem de Na Praia à Noite Sozinha
Foi o cineasta e escritor Jean Cocteau que afirmou, mais ou menos nesses termos, que o cinema só seria uma forma de arte na acepção mais ampla quando o material que os realizadores dependessem para fazer seus filmes fosse tão acessível quanto é a pena ou o pincel para literatos e pintores. O constante e progressivo barateamento dos custos e meios de produção que aconteceu no decorrer de todo o cinema moderno, por outro lado, gerou infindáveis rebentos a fazer qualquer coisa nem sempre relevante com uma câmera sobre os ombros ou à simples altura dos olhos, num desperdício de oportunidades e facilidades. 

Por profissionais que sejam as realizações do sul-coreano Hong Sang Soo, é a ele que remete de maneira fulgurante e positiva a definição mais acima. Os filmes de Hong fluem e se fazem em grande quantidade, como equivalentes a uma produção em série originada das mãos de um pintor em seu ateliê, ou do músico a delinear as partituras de suas obras. Filmes aos quais sobram harmonia, beleza, variedade, melodias e cores.

São vinte e cinco em duas décadas, dezoito nos últimos dez anos. Não é o primeiro nem o maior exemplo de diretor prolífico na história do cinema, porém em termos de temática a sua filmografia prossegue como um universo fechado e ao mesmo tempo sempre em expansão, como se acompanhássemos episódios de várias temporadas de um seriado com personagens diferentes episódio a episódio, num circulo fiel a esse universo perseguido pelo cineasta, ainda longe de apresentar sinais de esgotamento. De um prazer estético e dramatúrgico sempre renovado e com algo novo. As comparações com seriados terminam aqui: por maiores que sejam os esforços de muitos em defender que a televisão de nossa época pode ser igual ou superior ao cinema, os filmes de Hong em nada contribuem para confundir ambos os veículos. Ainda bem. 

Na Praia à Noite Sozinha poderia ser o filme em que o diretor mais se expõe, por invocar o caso extraconjugal com a atriz Kim Min-hee, de presença constante nos seus filmes recentes, o que provocou escândalo envolvendo a esposa do realizador. Hong, entretanto, esquece-se de si mesmo, e se dedica à sua musa, reimaginando-a na pele de Younghee, uma jovem atriz à espera do amante, que pode ou não aparecer (”Ele sabe onde me encontrar”). Um filme sedutor desde o prólogo, com Younghee na sacada de um apartamento, em Hamburgo (Alemanha), com a amiga mais velha também sul-coreana e de desejos reprimidos que parece confinada a uma cela particular. 

Duas formas de solidão que se encontram, é o que o filme vai nos mostrar, ainda que uma sufocando menos suas paixões, e não hesitando em sonhar e esperar por elas. É o mínimo que a vida parece lhe exigir. A prisão de Younghee parece ser a da superfície de sua beleza, que tantos incômodos e ilusões podem lhe trazer, como efeitos colaterais de uma grande benesse, e aqui o contraste com a amiga sem atrativos no começo sugere ponto de partida para o que ainda vai adquirir maior ressonância. 

Em tempos que parecem tomados pelo politicamente correto, Na Praia à Noite Sozinha mostra sua protagonista fumando compulsivamente, ou bebendo bastante cerveja com amigos na segunda parte (de volta a Coréia), ou ainda beijando uma outra amiga numa reunião fraternal. Nunca como uma provocação ao espectador, com uma placidez não só no filmar, mas em como seus corpos se movem e na elegância com que dialogam. Conversa-se sobre o amor, o envelhecimento, a iminência da morte. Não se distingue a ação dos diálogos; aqui, toda ação se dá com um falatório que nunca é desperdício ou supérfluo, mas uma soma a mais ao conjunto de elementos mesmerizantes no universo cinematográfico de Hong. Exceção às cenas de Younghee em seus passeios frente ao mar, só ela e a própria realidade, na sua totalidade, e no conjunto de suas possibilidades finitas ou infinitas, como a enxergar-se a si própria sem mediação ou subterfúgios urbanos ou da contemporaneidade. A natureza que restaura energias é também a que escancara o próprio ser. Há muitos exemplos no filme além das cenas na praia, com o aproveitamento de bosques e outras paisagens minimamente idílicas em meio ao que o espaço das metrópoles permite. 

É comum na sabedoria tipicamente oriental uma filosofia de saber olhar para si mesmo, para o cotidiano, e para a natureza ao redor que sugere nos esmagar e acolher como uma ameaça sempre presente e ao mesmo tempo tão confortante. Por mais justificadas que sejam as comparações com Eric Rohmer e John Cassavetes (e é bom que em cada época exista um cineasta que faça jus ao estilo de cinema imortalizado por esses dois realizadores, posição que o sul-coreano desempenha com imensa dignidade), a essência do cinema de Hong está presa sobremaneira a influências culturais e humanas do continente em que vive. Daí sua filmografia se impondo mais rica aos nossos olhos a cada titulo com que nos presenteia. Poucos cineastas contemporâneos conseguem utilizar tão bem a vida como matéria-prima na hora de fazer ficção. A rotina pode ter suas dores e decepções. Mas ela também tem seu encanto. 
Por Vlademir Lazo, em 10/12/2017
Avaliação:                 8.0
Notas - Equipe
• Daniel Dalpizzolo 8.5
• Rodrigo Cunha 8.0
• Régis Trigo 5.5
• Vlademir Lazo 8.0
• Heitor Romero 8.0
• Marcelo Leme 8.0
• Bernardo D.I. Brum 8.5
• Felipe Leal 8.0
•  Média 7.8
Notas - Usuários
8.0/10 (34 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
• #13 Melhores de 2017
• #12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
• #11 Especial Natalino
• #10 Assassinato no Expresso Oriente
• #9 Onde os Fracos Não Têm Vez
• #8 Liga da Justiça
• #7 Stranger Things
• #6 45 anos de O Poderoso Chefão
• #5 Branca de Neve e os Sete Anões
• #4 Halloween
• #3 Blade Runner / Blade Runner 2049
• #2 De Volta Para o Futuro
• #1 Os Goonies
• #0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Na Praia à Noite Sozinha
(Bamui Haebyun-eoseo Honja, 2017)
• Direção:
- Sang-soo Hong
• Elenco Principal:
- Min-hee Kim
- Jae-yeong Jeong
- Seong-kun Mun
• Sinopse: Desiludida com sua carreira, uma jovem atriz viaja por cidades próximas do litoral na tentativa de superar o término do relacionamento com um cineasta casado.
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE