FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Não Devore Meu Coração

(Não Devore Meu Coração, 2017)
Por Heitor Romero Avaliação:           5.0
Corações roubados.
imagem de Não Devore Meu Coração
O novo filme de Felipe Bragança, Não Devore Meu Coração (idem, 2017), mistura dois cinemas distintos em um só. De um lado, uma trama com um fundo de denúncia e análise social sobre a vida de brasileiros e guaranis em uma cidade fronteiriça do Mato Grosso do Sul; do outro, um filme de ação, com ares de anos 1980, comandado por motoqueiros em constantes rachas na disputa de poder. A maldição que assombra a região há séculos, desde antes da Guerra do Paraguai, causa divisões e barreiras geopolíticas, sociais, culturais e linguísticas entre os brasileiros e paraguaios, em especial entre fazendeiros e índios. Ainda hoje, tanto tempo após os conflitos que deram início a essa rivalidade, permanece certo rancor entre os lados, alimentando constantes disputas menores entre civis. O rio Apa, divisa natural da fronteira e um dos elementos de culto da cultura indígena, marca o alegórico embate que serve de fundo para a história entre uma índia guarani chamada Basano e um pré-adolescente brasileiro chamado Joca, filho de um fazendeiro. 

A narrativa se fragmenta diante da visão dos conflitos filtrada ora pelo olhar das crianças que herdaram todo o ódio dos antepassados, ora pelo núcleo adulto de gangues de motoqueiros que vivem medindo forças em corridas ilegais. Os dois polos se cruzam a fim de oferecer perspectivas distintas sobre os mesmos temas, residindo na percepção infantil a esperança de conciliação que há muito foi perdida no local. Indo além, Bragança constrói toda uma unidade de ações comandadas por personagens masculinos, a fim de criticar a estrutura patriarcal que origina grande parte das mazelas que assolam o local, de modo a contrastar com três personagens femininas e o combate direto e indireto de cada uma contra esse estado das coisas. Flertando com o cinema de gênero, os anos 1980 de Walter Hill e similares é lembrado no acabamento estético e na trilha sonora. 

Embora seja uma proposta interessante, o cruzamento dessas muitas ideias resulta em um filme pouco fluente, carente de uma atmosfera capaz de envolver tudo em algo orgânico, com encaixe. Bragança tem muita afetação e uma necessidade recorrente de procurar por um lirismo e uma poesia em cada singular cena e, na maior parte delas, nunca os alcança de fato. Os dramas e conflitos entre os personagens também são estabelecidos de forma muito expositiva através de um roteiro que não confia nas imagens e a todo o momento explica em pormenores o que está acontecendo, o que cada um sente, qual o passado que os assombra. Enquanto o elenco de não atores, em maior parte indígena, confere muita autenticidade, quase todos os atores brasileiros se encontram deslocados e Marco Lori simplesmente destoa em uma composição caricatural. 

O destaque positivo nesse meio todo é justamente as três personagens femininas que contrapõem aquele sistema patriarcal. Bosano, Lucía e Joana simplesmente não se encaixam naquele universo, são propositalmente deslocadas e dessa forma expõem o quanto essa rivalidade é retrógrada, desnecessária e causadora dos maus que acometem a região há séculos. Por não se curvarem ao ciclo vicioso masculino de competição, corridas e infindáveis revanches e represálias, elas oferecem uma perspectiva muito realista e racional, cientes de que aquilo não terá fim, porém distantes o suficiente para não se deixarem fazer parte. Joca, garoto jovem e esperançoso, que teve seu coração devorado por Bosano, será o fio condutor numa jornada em que começará criança e terminará abatido pelo inevitável que continua a sugar todos os rapazes que passaram por isso antes dele. 

O acerto de Bragança é conseguir transitar entre os dois lados e nunca defender ou acusar nenhum, o que seria desastroso. Ainda que errante e perdido em procura de uma identidade visual que o diferencie, o diretor tem o tato de não cair na inocência de trazer respostas a um conflito entre brancos e índios que, por essência, é raiz da história de nosso país e até hoje reverbera nas relações sociais modernas. Ainda são muitos os corações roubados e abandonados no rio Apa, e aquelas águas sagradas ainda hão de lavar o sangue de muitos inocentes antes que possa surgir uma solução. Até lá, o fio de esperança repousa no olhar tão adulto da menina índia que aos 15 anos parece carregar em seu peito o vazio do mundo. 
Por Heitor Romero, em 20/11/2017
Avaliação:           5.0
Notas - Equipe
• Heitor Romero 5.0
• Rafael W. Oliveira 5.0
•  Média 5.0
Notas - Usuários
aguardando 3 votos
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #10 Assassinato no Expresso Oriente
• #9 Onde os Fracos Não Têm Vez
• #8 Liga da Justiça
• #7 Stranger Things
• #6 45 anos de O Poderoso Chefão
• #5 Branca de Neve e os Sete Anões
• #4 Halloween
• #3 Blade Runner / Blade Runner 2049
• #2 De Volta Para o Futuro
• #1 Os Goonies
• #0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Não Devore Meu Coração
(Não Devore Meu Coração, 2017)
• Direção:
- Felipe Bragança
• Elenco Principal:
- Cláudia Assunção
- Adeli Benitez
- Zahy Guajajara
• Sinopse: Joca é uma criança brasileira de 13 anos; Basano La Tatuada é uma garota indígena do Paraguai que vive na divisa entre os dois países, marcada pelas águas do Rio Apa. Joca está "apaixonado" por Basano e lutará pela sua atenção.
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE