FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

No Portal da Eternidade

(At Eternity's Gate, 2018)
Por Rodrigo Torres Avaliação:                 8.0
Contradições de uma mente genial.
imagem de No Portal da Eternidade
Recém-chegado a Arles, sul da França, Vincent Van Gogh é perguntado pela Madame Ginoux o que lê. “William Shakespeare”, responde ele, então explicando o motivo de seu fascínio pelo Bardo do Avon (“porque ele é misterioso”) e do que trata sua obra: “Homens e mulheres. Deuses e reis. Amor e ódio”. Esse fragmento de diálogo resume a lógica essencial de No Portal da Eternidade, porque sintetiza o próprio artista biografado: mistério, dualidade, contradição. E uma genialidade que só seria aceita décadas mais tarde, mas baseada em uma complexidade — dentro de si e em sua relação com o exterior — e uma singularidade reconhecidas em vida e que, por isso, serão a base desse novo projeto de Julian Schnabel.

Corroteirista ao lado da estreante (e namorada) Louise Kugelberg e do veterano Jean-Claude Carrière (O Discreto Charme da Burguesia), o cineasta de O Escafandro e a Borboleta instaura esse conceito desde a primeira sequência. Após uma narração poética em que o protagonista conversa consigo mesmo (e com o espectador), a tela escura se rompe para uma câmera subjetiva em tom solar, expondo uma forma acalorada de enxergar o mundo que se choca com sua alma e seus pensamentos sombrios. No instante seguinte, uma camponesa o encara (e ao espectador) com uma expressão amedrontada que destoa totalmente do cenário idílico que toma o quadro e da fragilidade que Van Gogh transmite em palavras. No Portal da Eternidade é um filme todo baseado no paradoxo que marcou o artista — um gênio imortal que viveu como um pária.

O roteiro é inteligente, caprichando na dramaturgia e dando margem à imagem para apresentar a obra, a influência e a psique de Van Gogh. O principal elemento a serviço disso é um brinde da História: a relação entre o biografado e Paul Gauguin. Interpretado de modo vibrante por Oscar Isaac, o pintor francês é o perfeito contraponto de Van Gogh: firme, idealista, racional, um artista de sucesso que atua empenhado em liderar uma nova revolução cultural. Van Gogh é inseguro, visceral, pinta segundo sua intuição e tem a certeza de que seu valor será um dia reconhecido, embora resignado de que somente após sua morte. Os embates entre Van Gogh e Paul Gauguin descortinam as personalidades e o processo criativo de cada um, em sequências em que Julian Schnabel tem a extrema felicidade de atrelar esse bom conteúdo à forma.

“A pintura deve ser feita rápido”, diz Van Gogh, e vemos sua impulsividade em cena, com o personagem abrindo seu cavalete às pressas, mal organizando as tintas e se pondo a pintar de maneira febril (o que explica seu impressionante número de telas). Do mesmo modo, uma câmera delirante e vertiginosa, que passeia pelo chão, se junta aos corpos, está sempre sem eixo e ora serve ao campo onírico evoca, pontualmente, a mente confusa de Van Gogh. Combinada com uma incrível trilha sonora ao piano e uma direção de arte crua e imersiva em seu tempo passado, a fotografia deslumbrante de Benoît Delhomme muito explora a câmera subjetiva como forma de ilustrar a visão de Van Gogh enquanto pessoa (atormentada) e artista (um talento incompreendido que via arte em cada choque do olhar com o exterior, e a vertia em pintura como ninguém). Não à toa, por diversas vezes, Julian Schnabel brinca de criar planos que emulam quadros icônicos do pintor holandês. É essa riqueza estética e narrativa, em perfeita consonância com a matéria-prima artística da cinebiografia, que sustenta a sessão nos (vários) momentos em que o longa-metragem se arrasta. E faz jus à estupenda atuação de Willem Dafoe.

No auge da carreira, o ator norte-americano incorpora o personagem e interpreta todas as suas contradições com uma propriedade impressionante. Nas calorosas discussões entre Gauguin e Van Gogh, Dafoe imprime tamanha fragilidade e inocência que ele próprio até soa (assim como o protagonista em relação ao pintor francês) mais novo que Isaac, 24 anos mais jovem. No clímax do filme, em verdadeiro duelo sobre arte, religião, filosofia de vida e modo de ver o mundo com o pastor vivido por Mads Mikkelsen (em participação curta e grandiosa), o ator se expressa com uma lucidez não vista antes na projeção justo no momento em que Van Gogh veste uma camisa de força — momento este em que surge um bonito paralelo entre as trajetórias de Vincent e Jesus. A atuação complexa de Willem Dafoe, enriquecedora da ambiguidade do personagem, representa com perfeição os autoproclamados "defeitos e qualidades” que moviam o caótico pulso criativo do autor de A Noite Estrelada.

No Portal da Eternidade só termina após os créditos finais, com uma linda cena que integra rima visual com a abertura do filme e todos os momentos em que Van Gogh, em voice over sobre tela negra, discorria sobre si, sua visão, seus temores, seus demônios. Aqui é Gauguin, em um plano singular (talvez único no cinema, de narração sobre uma tela completamente amarela) no qual reconhece o talento do amigo como tão poucos fizeram à época. Somente Aurier foi tão enfático, em crítica publicada na Mercure de France em janeiro de 1890, a seis meses da morte de Vincent Van Gogh. O texto disseca a arte e a personalidade do gênio holandês, profetiza seu ingresso na eternidade e ainda serve como descrição do sucesso de Julian Schnabel em sua cinebiografia sobre Vincent Van Gogh:

Uma estranha natureza, ao mesmo tempo verdadeiramente verdadeira e quase sobrenatural, uma natureza excessiva em que tudo, seres e coisas, sombras e luzes, formas e cores, se subleva, se levanta numa vontade raivosa de gritar sua própria e essencial canção, no timbre mais intenso, mais ferozmente agudo… é a matéria, a natureza inteira retorcida de maneira frenética, elevada ao paroxismo, erguida aos ápices da exacerbação; é a forma se tornando o pesadelo, a cor se tornando labaredas, lavas e pedras preciosas, a luz se fazendo incêndio, a vida febre ardente…

Filme visto no Festival de Cinema do Rio de Janeiro
Por Rodrigo Torres, em 10/02/2019
Avaliação:                 8.0
Notas - Equipe
• Silvio Pilau 8.0
• Rodrigo Torres 8.0
• Bernardo D.I. Brum 8.0
• Rafael W. Oliveira 10.0
•  Média 8.5
Notas - Usuários
7.4/10 (39 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (1)
Por Bernardo D.I. Brum, em 18/02/2019 | 17:40:35 h
Deus tá vendo Academia desprezar um ator sensacional que nem Dafoe em nome de lobby. Depois vai querer dar Oscar honorário ou sei lá o quê hahaha

Se esse concorresse a melhor filme no lugar de Vice, Green Book ou Bohemian Rhapsody a seleção ficaria tão melhor...
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
#69 Indicados ao Oscar 2019
#68 Creed II
#67 Vidro
#66 Homem-Aranha no Aranhaverso
#65 WiFi Ralph e O Retorno de Mary Poppins
#64 Melhores Filmes de 2018
#63 Duro de Matar
#62 Roma
#61 O Senhor dos Anéis
#60 Scarface
#59 Infiltrado na Klan
#58 Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald
#57 O Legado de Stan Lee
#56 O Roteiro de Cinema
#55 Halloween (2018)
#54 O Primeiro Homem
#53 Nasce Uma Estrela
#52 Musicais no Século XXI
#51 70 anos de John Carpenter
#50 Breaking Bad - 10 Anos
#49 Neorrealismo Italiano
#48 O Exorcista
#47 Wall-E
#46 The Last of Us
#45 60 anos de Tim Burton
#44 Meu Amigo Totoro
#43 Missão: Impossível - Efeito Fallout
#42 Filmes da Sessão da Tarde
#41 Batman: O Cavaleiro das Trevas
#40 100 anos de Ingmar Bergman
#39 Os Incríveis 2
#38 Era Uma Vez no Oeste
#37 Jurassic Park e Jurassic World
#36 O Bebê de Rosemary
#35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
#34 Han Solo: Uma História Star Wars
#33 Deadpool 2
#32 Um Corpo que Cai
#31 Stephen King no Cinema
#30 Vingadores: Guerra Infinita
#29 A Franquia 007
#28 Um Lugar Silencioso
#27 2001: Uma Odisseia no Espaço
#26 Jogador Nº1
#25 Planeta dos Macacos
#24 Quentin Tarantino
#23 75 anos de David Cronenberg
#22 Projeto Flórida
#21 Trama Fantasma
#20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
#19 Oito e Meio de Fellini
#18 A Forma da Água
#17 The Post e os filmes de Jornalismo
#16 Indicados ao Oscar 2018!
#15 20 Anos de Titanic
#14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
#13 Melhores de 2017
#12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
#11 Especial Natalino
#10 Assassinato no Expresso Oriente
#9 Onde os Fracos Não Têm Vez
#8 Liga da Justiça
#7 Stranger Things
#6 45 anos de O Poderoso Chefão
#5 Branca de Neve e os Sete Anões
#4 Halloween
#3 Blade Runner / Blade Runner 2049
#2 De Volta Para o Futuro
#1 Os Goonies
#0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 No Portal da Eternidade
(At Eternity's Gate, 2018)
• Direção:
- Julian Schnabel
• Elenco Principal:
- Willem Dafoe
- Oscar Isaac
- Rupert Friend
• Sinopse: Um olhar sobre o período em que Vincent van Gogh morou em Arles.
 FILMES RELACIONADOS
• O Discreto Charme da Burguesia
• O Escafandro e a Borboleta
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2019) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2019)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE
Apoiadores
Promobit: O site para encontrar aquela promoção imperdível