FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS HOME CINEMA TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
CRÍTICA

Noé

(Noah, 2014)
Por Heitor Romero Avaliação:             6.0
A arca da fuzarca.

Existem alguns gêneros cinematográficos que foram “morrendo” ao longo dos anos, pelas mais diversas razões, e que vez por outra são ressuscitados por cineastas para alguma releitura ou mesmo tentativa de adaptação para contextos mais contemporâneos. O faroeste, por exemplo, fez sucesso absoluto no cinema americano até meados dos anos 1960, quando foi entrando em declínio de popularidade e praticamente sumiu. Porém, de tempos em tempos, há sempre algum cineasta se arriscando com alguns conceitos, estruturas e estilo herdados pelos faroestes, fora os que de fato o abraçam por inteiro, como recentemente fez Quentin Tarantino. No entanto, até o momento, nenhum cineasta ousou mexer com aquele que talvez tenha sido o gênero mais complicado de se atualizar e tornar comercialmente viável para o público de hoje: o épico bíblico.

Claro que houve diretores que dirigiram épicos bíblicos depois que o gênero deu uma sumida, mas nenhum com tanto senso de espetáculo e delírio de grandeza como Darren Aronofsky em Noé (Noah, 2014). Afinal, os antigos épicos baseados em relatos bíblicos, a exemplo de Sansão e Dalila (Samson and Delilah, 1949) e Os Dez Mandamentos (The Ten Commandments, 1956), ambos de Cecil B. DeMille, tinham todos essa característica de superprodução, e precisaram de um gordo orçamento para ganhar a atenção do público. Aronofsky, uma vez tendo conseguido a credibilidade que tanto lutou para ter, escolheu justamente uma das histórias mais megalônomas da Bíblia, em que Deus ordena a Noé (vivido por Russell Crowe) e sua família que construam uma arca para abrigar todos os animais e pessoas dispostas a aceitar seus mandamentos, antes que um dilúvio de proporções globais engula todo o planeta.

Dada a verba concedida para que Aronofsky filmasse uma história desse porte, não chega a ser o mais importante notar a grandiosidade das sequências de ação, mas sim entender a abordagem que ele faz da história bíblica, agora que adentrou em um terreno que hoje é muito mais difícil transitar do que há 60 anos. Tão difícil, que ninguém sabia exatamente o que esperar do filme. A maioria dos espectadores – fãs, não fãs, indiferentes, e desconhecedores de Aronofsky – não conseguiram sequer medir uma expectativa para Noé. As perguntas foram muitas: será um filme de teor religioso? Questionará a existência ou inexistência de Deus? Será ou não fiel ao relato bíblico? Como vai conciliar o respeito pelos que acreditam na veracidade da Bíblia com os que consideram o relato apenas uma história fantasiosa? As dúvidas foram tantas que o diretor precisou ir até o Vaticano para pedir concessões ao Papa para filmar a história à sua maneira, sem seguir à risca o que a Bíblia diz.

Pois bem, a intenção do diretor foi alcançada, pois seu olhar ateu sobre tudo isso é só questionamento. Ele jamais se propõe a responder qualquer uma dessas questões, apenas junta um amontoado de ideias e reescreve o relato segundo seu olhar de cineasta, não disposto a tomar qualquer lado que seja. O Noé de Aronofsky acaba, por fim, sendo fiel somente ao que qualquer blockbuster se propõe: entreter. Portanto, não é de estranhar que seu relato misture criacionismo a evolucionismo, recorra ao apócrifo livro de Enoque e tire de lá um vilão que se contraponha à figura heróica de Noé, fora uns monstrengos de pedra que tocam o terror, jogue Matusalém (Anthony Hopkins) no meio da salada (sendo que na Bíblia não há relatos da convivência entre os dois), insira uma mensagem ambientalista e interprete as escrituras sagradas conforme suas ideias pessoais. Mesmo o personagem principal acaba se encaixando no perfil de outros protagonistas do cineasta, que luta contra tudo e contra todos, inclusive contra suas próprias convicções, para chegar ao seu objetivo, tal qual a bailarina obcecada pela perfeição em Cisne Negro (Black Swan, 2010), o incansável pugilista de O Lutador (The Wrestler, 2008), e o matemático obstinado de Pi (idem, 1998). Assim sendo, a relação de Noé com Deus se mostra a abordagem mais dúbia e arriscada da produção, já que, nas entrelinhas, se pressupõe que o homem jamais entende e verdadeiramente apóia o plano divino de executar a humanidade – apenas obedece, talvez por uma questão de puro instinto de sobrevivência, talvez pela inabalável fé.

E para sustentar tamanha miscelânea de ideias, ele recorre à pura aventura cinematográfica, que se perde lá pelas tantas, mas que o tempo todo busca tirar o fôlego da plateia (a arca em si foi de fato construída dentro das medidas especificadas pela Bíblia, o que torna tudo muito mais atraente). Se em algum momento nesse longo caminho de duas horas e meia há alguma procura por verdades, tudo acaba sendo literalmente engolido pelas águas do dilúvio, inclusive o próprio Aronofsky. Acertando muito mais quando aposta no puro entretenimento, e dando umas patinadas quando tenta de alguma forma ir um pouco além (como sempre patina, vide Fonte da Vida [The Fountain, 2006]), o diretor acaba provando que seu forte é o cinema pipoca. Ambição ele tem de sobra para tocar esse tipo de cinema, e ao conseguir ressuscitar esse conceito de filme bíblico, adaptá-lo e torná-lo comercialmente viável para um público que hoje é tão mais desconfiado e cético, Aronofsky enfim parece ter se encontrado ali no meio daquela arca em polvorosa.

Por Heitor Romero, em 06/04/2014 Avaliação:             6.0
Notas - Equipe
• Régis Trigo 6.5
• Silvio Pilau 7.0
• Heitor Romero 6.0
•  Média 6.5
Notas - Usuários
6.5 (198 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões
Comente no Cineplayers (11)
Por Rodrigo Giulianno, em 16/08/2014 | 22:00:56 h
filme pipoca? Você já viu Pi e Réquiem para um sonho?
Por Patrick Corrêa , em 22/07/2014 | 12:41:59 h
Filme fraco. Não esperava uma leitura fiel do relato bíblico, mas também não precisava inventar tanta moda, como se fosse pra justificar mais de 2 horas de filme. Ficou tudo relativista demais.
Do ponto de vista das atuações, Crowe defende bem o papel e é de longe o mais interessante em cena.

Quanto à crítica está bem escrita e discordo de poucos pontos, como a sugestão discreta de alguns parágrafos sobre a possibilidade de tudo ser apenas alegórico na passagem de Noé - creio inteiramente na Bíblia.
Por Anderson de Souza , em 11/04/2014 | 22:31:08 h
[2] na Amélia.
Noé foi apenas um blockbuster que Aronofsky se aventurou em filmar, visto que, para trazer sua ideia as telas era preciso um gordo orçamento. Ele fez melhor dentro do cinema independente com suas ideias e estilo. Cisne Negro por exemplo ele tem essa liberdade, e o sucesso de bilheteria, mais de 300, não foi por ser um blockbuster.

Seu texto ta bom apesar de pouco argumentado. E achei sua nota mto baixa lendo os elogios que escreveu hehehe
Por Diogo Cordeiro da Silva, em 11/04/2014 | 18:19:47 h
Tô com Amélia também, é notavel que quando a arca se fecha, parece que o mundo do Aronofsky começa. Ali o filme fica bom de verdade.
Por Luiz Fernando de Freitas, em 10/04/2014 | 13:43:04 h
A Amélia disse tudo.
Por Amélia Kuono, em 09/04/2014 | 15:15:08 h
Seu forte é o cinema pipoca? Acho completamente o contrário. O Aronofsky gosta é de grandes temas existenciais e conflitos internos nos seus personagens. Quando ele tenta fazer cenas entretenimento a la Senhor dos Anéis (que aliás achei muito estranho, deve ter muito dedo de estúdio aí no meio) ele perde bastante a mão. As cenas de "ação" são meio bobas e nada empolgantes. O filme só decola quando o foco passa a ser o conflito interno do Noé, aí sim especialidade do Aronosfky ;)
Por Raphael da Silveira Leite Miguel, em 08/04/2014 | 23:49:58 h
Pelo que andei lendo é bem isso mesmo, um filme que vale como entretenimento, longe das obras-primas do próprio diretor. Pretendo ver hoje e volto a postar a minha impressão aqui.
Por Alexandre Carlos Aguiar, em 07/04/2014 | 11:33:25 h
Um mito muito bem filmado. Vale a diversão.
Por Luiz Fernando de Freitas, em 07/04/2014 | 09:29:33 h
Mas não é um subtítulo, apenas uma "frase de efeito..."
Por Caio Henrique, em 07/04/2014 | 08:51:58 h
Esses subtítulos pioram a cada novo filme.
"O fim do mundo...é apenas o começo"


Puta que o Pariu 10 vezes véi...
Por Guilherme Dorea dos Santos , em 07/04/2014 | 00:57:52 h
o melhor do filme foi a construção do personagem de Noé
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Noé
(Noah, 2014)
• Direção:
- Darren Aronofsky
• Elenco Principal:
- Russell Crowe
- Emma Watson
- Logan Lerman
• Sinopse: Noé vive com a esposa Naameh e os filhos Sem, Cam e Jafé em uma terra desolada, onde os homens perseguem e matam uns aos outros. Um dia, Noé recebe uma mensagem do Criador de que deve encontrar Matusalém. Durante o percurso ele acaba salvando a vida ...
 FILMES RELACIONADOS
• Cisne Negro
• Fonte da Vida
• O Lutador
• Os Dez Mandamentos
• Pi
• Sansão e Dalila
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2014) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
MAPA DO SITE
ANUNCIE CONOSCO