FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Nos Vemos no Paraíso

(Au Revoir Là-Haut, 2017)
Por Bernardo D.I. Brum Avaliação:             6.5
Exagero assumido.
imagem de Nos Vemos no Paraíso
Albert Dupontel começou sua carreira na França como comediante stand-up. Após conseguir uma indicação no César por melhor coadjuvante por A Self Made Hero, estreou na direção com Bernie, que logo de cara ganhou o Grande Prêmio no festival japonês de Yubari. Desde então, atuou no infame Irreversível, de Gaspar Noé e dirigiu (e atuou) em mais seis longas desde então, sendo o último deles o melodrama farsesco (ou farsa melodramática) Nos Vemos no Paraíso

Ambientado na Paris dos anos 20, um dos símbolos dos “Roaring Twenties”, época de grande fervor cultural e consumista onde horrores e dores da primeira guerra eram expurgadas e exorcizadas em uma maratona de luxo, festa e ostentação sem fim, Dupontel abusa da plasticidade da caricatura tanto na construção da misé-en-scene quanto na composição de seu personagem Albert Maillard, um veterano de guerra que tem de tomar conta de Edouard Péricourt, seu bem-nascido porém desfigurado companheiro de pelotão dado como morto por escolha própria. Ambos armam uma fraude de participar do concurso de estátuas do pai do último, vencendo sem entregar o resultado final. Ainda os acossam a família Pericourt, pai e irmã, que buscam lidar com o luto, e Pradelle, galanteador e corrupto ex-oficial do exército.

Dupontel não tem meias medidas, e o que no início parece ser uma espécie de Golpe de Mestre francês logo é contagiado pelo pesado drama de Edouard e seu rosto deformado (perdeu o queixo) e sua válvula de escape, esculpir belas máscaras que revelam seu interior tão sensível quanto perturbado. E da mesma forma caminha sem meias medidas para o clima de farsa, inserindo elementos como uma órfã, que acompanha a dupla e traduz todos os murmúrios do artista e demonstra os trambiques que Maillard, contador antes da guerra, promove no banco que começa a trabalhar. Narrado em forma de depoimento, não nutrir parcialidade é até difícil. 

Na relação dúbia entre Maillard e Péricourt que mora o ouro do filme: todos os outros personagens sofrem a maldição da unidimensionalidade, muitas vezes só tendo um único propósito na trama: a namorada de Maillard é só um interesse romântico sem personalidade ou desejos próprios, Pradelle começa escroque e termina escroque, a menina que acompanha a dupla é desenhada para ser na medida entre hilária e adorável. Niels Arestrup, de O Escafandro e a Borboleta e A Chave de Sarah é o único que, beneficiado pela escrita do roteiro, sai do personagem bem definido e sabe soar tão frio quanto arrependido, tão digno de ódio quanto de pena.

A mão pesada de Dupontel transita com pouca fluidez entre a lágrima e o riso, mas a forma estilizada com que conduz a história, lembrando em um nível superficial o Marcel Carné de O Boulevard do Crime ou Jean Epstein em A Queda da Casa de Usher, carregando as tintas na encenação, nos personagens saídos de sombras, nos horizontes de campo a perder de vista, nos travellings vistosos, a grande movimentação dentro do quadro, os closes expressivos, e até recorrendo a anacrônicas fusões e inserções. Um grande delírio visual, onde o exagero “flamboyant” dos cenários e figurinos também está injetado na direção - para o bem e para o mal. 

Talvez esses sejam tempos cínicos demais para não assistir desconfiado ou fechando um olho para o “maximalismo” (ou abandono total do minimalismo) de Dupontel. Ele valoriza a rica interação entre o mundano Maillard e o atormentado Edouard e a esquisita relação de lealdade e segredo que há entre eles. Não há um clímax para os dois, mas o desfecho para cada um. Mesmo o melhor coadjuvante é reduzido a acessório para completar a história, e personagens ganham o tempo todo razões esdrúxulas para fazer o que fazem mesmo sem devido aprofundamento. Famoso caso de “morder mais do que consegue mastigar”, Nos Vemos no Paraíso tem seus momentos de sensibilidade, mas no final das contas carece de refinamento. 
Por Bernardo D.I. Brum, em 08/07/2018
Avaliação:             6.5
Notas - Equipe
• Bernardo D.I. Brum 6.5
•  Média 6.5
Notas - Usuários
aguardando 3 votos
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #38 Era Uma Vez no Oeste
• #37 Jurassic Park e Jurassic World
• #36 O Bebê de Rosemary
• #35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
• #34 Han Solo: Uma História Star Wars
• #33 Deadpool 2
• #32 Um Corpo que Cai
• #31 Stephen King no Cinema
• #30 Vingadores: Guerra Infinita
• #29 A Franquia 007
• #28 Um Lugar Silencioso
• #27 2001: Uma Odisseia no Espaço
• #26 Jogador Nº1
• #25 Planeta dos Macacos
• #24 Quentin Tarantino
• #23 75 anos de David Cronenberg
• #22 Projeto Flórida
• #21 Trama Fantasma
• #20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
• #19 Oito e Meio de Fellini
• #18 A Forma da Água
• #17 The Post e os filmes de Jornalismo
• #16 Indicados ao Oscar 2018!
• #15 20 Anos de Titanic
• #14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
• #13 Melhores de 2017
• #12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
• #11 Especial Natalino
• #10 Assassinato no Expresso Oriente
• #9 Onde os Fracos Não Têm Vez
• #8 Liga da Justiça
• #7 Stranger Things
• #6 45 anos de O Poderoso Chefão
• #5 Branca de Neve e os Sete Anões
• #4 Halloween
• #3 Blade Runner / Blade Runner 2049
• #2 De Volta Para o Futuro
• #1 Os Goonies
• #0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Nos Vemos no Paraíso
(Au Revoir Là-Haut, 2017)
• Direção:
- Albert Dupontel
• Elenco Principal:
- Nahuel Pérez Biscayart
- Albert Dupontel
- Laurent Lafitte
• Sinopse: Novembro, 1919. Dois soldados, um artista e o outro ex-contador, montam um esquema fraudulento. Mas na França dos anos 1920, as aventuras dos dois poderá ser bastante perigosa.
 FILMES RELACIONADOS
• A Chave de Sarah
• A Queda da Casa de Usher
• Irreversível
• O Boulevard do Crime
• O Escafandro e a Borboleta
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE