FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

O Caminho dos Sonhos

(Der traumhafte Weg, 2016)
Por Bernardo D.I. Brum Avaliação:             6.0
Lente de aumento.
imagem de O Caminho dos Sonhos
Diretora, roteirista e atriz conhecida por Marselha (2004), Angela Schanelec está na ativa desde a década de 90 e construiu um cinema muito particular e à parte das grandes agitações cinematográficas: longe das grandes provocações que arrebatam prêmios, burburinho e controvérsia, seus filmes lançados de tantos em tantos anos continuam mais do que característicos e alheios às grandes ambições, filmando vidas e jornadas frustradas com seu olhar contemplativo inalterável.

É o caso de O Caminho dos Sonhos, que reforça a comparação admitida com a maior influência de Schanelec, Robert Bresson. O diretor de filmes como O Batedor de Carteiras e A Grande Testemunha marcou a história do seu cinema com seu estilo lento, repleto de situações de caráter observativo e atuações pouco compostas, algo que se vê muito nessa história envolvendo as relações entre um casal de músicos de rua formado por uma violonista sonhadora e um cantor viciado em heroína, que se separa quando a mãe do homem sofre um acidente. Ao mesmo tempo, é explorada a sua relação remota e espelhada na figura de uma atriz e um antropologista casados há décadas em vias de separar.

Schanelec está menos interessada na psicologização da história e mais nos instantes capturados, nas pequenas expressões dos atores. A impressão é reforçada por muitos planos captarem os personagens que conhecemos a vida mas que não possuem relação entre si de maneira aberta e impessoal, como em lugares públicos onde estão cruzado por acaso. Cada um está em um momento da vida e jamais conhece o outro. Mas nós sim, e somos obrigados a participar de suas intimidades os vendo chorar, resmungar, ajudar e cortarem laços uns com os outros. 

Para a câmera de Schanelec, que recorta e amplia a realidade objetiva, não há coisa como anonimato pois cada vida é única. Os planos gerais generalizam seus personagens e os tornam desconhecidos na mesma medida que seus planos individuais revelam seus demônios interiores, seus ritos pessoais, suas esperanças e sua maneira de lidar com a vida. E praticamente sem diálogos: o silêncio predominante do campo diegético acompanha seus personagens de uma forma narrativa que nos compete inferir que sentimentos estão em ebulição ali. Acompanhado, um personagem pode ver a mãe acidentada com um rosto vazio e na sequência seguinte irá chorar copiosamente enquanto almoça. Tudo em um terreno atmosférico de enquadramento, luz e som distante e árido.

Se há um problema no filme é justamente sua falta de foco narrativo. As histórias começam, se desenvolvem, mudam de personagens e são retomadas com pouca clareza da encenação. Muitas cenas, nesse sentido, parecem despropositadas, bem como as elipses falham em costurar uma história, parecendo na maior parte do tempo apenas uma longa repetição de movimentações cotidianas sem muito propósito. 

O problema a ser encarado é o quão bem o filme consegue executar sua proposta: se era para cair no terreno do puro abstracionismo, das imagens ligadas a um tema mas não narrativamente, aí poderíamos analisar o filme por outro viés. Mas não é o caso, o filme realmente conta uma história com início, meio e um fim muitas vezes amargo para seus personagens.

Nesse ínterim, pode-se argumentar que uma história elíptica não precisa, necessariamente, dar todas as respostas aos seus espectadores e guiá-los pela mão. Mas há de haver um mínimo de coesão, entender o que está sendo falado, e interromper dramas para focalizar grupos totalmente novos de pessoas - como a rotina do filho do casal divorciado, nadando em um clube junto com amigos e se acidentando em casa. Mostrada como a personagem mais empática do elenco, é a única personagem que vai e volta da trama de uma maneira mais satisfatória, explorando limites com os amigos e em casa e vendo no que seus pais transformaram, no único arco que ajuda a fortalecer o simbolismo do choque entre a questão do sonho versus realidade, a distância entre o que deseja e o que se tem.

No todo, a forma de O Caminho dos Sonhos é consistente, fruto de um cinema extremamente pessoal, um distanciamento do realismo pesado e mais uma exploração dos silêncios do drama de cada pessoa que vemos na rua e julgamos ordinária. É algo positivo que um filme assim chegue aqui, ainda que imperfeito, mostrando ser fruto de uma carreira discreta e um trabalho quase artesanal. Definitivamente uma experiência.
Por Bernardo D.I. Brum, em 15/06/2018
Avaliação:             6.0
Notas - Equipe
• Bernardo D.I. Brum 6.0
•  Média 6.0
Notas - Usuários
aguardando 3 votos
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
#69 Indicados ao Oscar 2019
#68 Creed II
#67 Vidro
#66 Homem-Aranha no Aranhaverso
#65 WiFi Ralph e O Retorno de Mary Poppins
#64 Melhores Filmes de 2018
#63 Duro de Matar
#62 Roma
#61 O Senhor dos Anéis
#60 Scarface
#59 Infiltrado na Klan
#58 Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald
#57 O Legado de Stan Lee
#56 O Roteiro de Cinema
#55 Halloween (2018)
#54 O Primeiro Homem
#53 Nasce Uma Estrela
#52 Musicais no Século XXI
#51 70 anos de John Carpenter
#50 Breaking Bad - 10 Anos
#49 Neorrealismo Italiano
#48 O Exorcista
#47 Wall-E
#46 The Last of Us
#45 60 anos de Tim Burton
#44 Meu Amigo Totoro
#43 Missão: Impossível - Efeito Fallout
#42 Filmes da Sessão da Tarde
#41 Batman: O Cavaleiro das Trevas
#40 100 anos de Ingmar Bergman
#39 Os Incríveis 2
#38 Era Uma Vez no Oeste
#37 Jurassic Park e Jurassic World
#36 O Bebê de Rosemary
#35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
#34 Han Solo: Uma História Star Wars
#33 Deadpool 2
#32 Um Corpo que Cai
#31 Stephen King no Cinema
#30 Vingadores: Guerra Infinita
#29 A Franquia 007
#28 Um Lugar Silencioso
#27 2001: Uma Odisseia no Espaço
#26 Jogador Nº1
#25 Planeta dos Macacos
#24 Quentin Tarantino
#23 75 anos de David Cronenberg
#22 Projeto Flórida
#21 Trama Fantasma
#20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
#19 Oito e Meio de Fellini
#18 A Forma da Água
#17 The Post e os filmes de Jornalismo
#16 Indicados ao Oscar 2018!
#15 20 Anos de Titanic
#14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
#13 Melhores de 2017
#12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
#11 Especial Natalino
#10 Assassinato no Expresso Oriente
#9 Onde os Fracos Não Têm Vez
#8 Liga da Justiça
#7 Stranger Things
#6 45 anos de O Poderoso Chefão
#5 Branca de Neve e os Sete Anões
#4 Halloween
#3 Blade Runner / Blade Runner 2049
#2 De Volta Para o Futuro
#1 Os Goonies
#0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Caminho dos Sonhos, O
(Der traumhafte Weg, 2016)
• Direção:
- Angela Schanelec
• Elenco Principal:
- Miriam Jakob
- Thorbjörn Björnsson
- Maren Eggert
• Sinopse: Um casal na Grécia, em 1984, tem sua relação abalada após a mãe do rapaz sofrer um acidente. Trinta anos mais tarde, uma atriz de televisão se separa de seu marido antropólogo. Essas duas histórias eventualmente se cruzarão.
 FILMES RELACIONADOS
• A Grande Testemunha
• Marselha
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2019) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2019)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE