FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
CRÍTICA

O Cantor de Jazz

(Jazz Singer, The, 1927)
Por Rodrigo Cunha Avaliação:               7.0
O primeiro filme falado da história pode não ser o melhor, mas é uma belíssima curiosidade para os amantes do cinema.

Talvez, se os irmãos Warner não tivessem apostado suas últimas fichas em O Cantor de Jazz, o primeiro filme da história a utilizar o invento do som no cinema, ficássemos sem alguns dos grandes clássicos da história. Isso porque este foi o filme que salvou a Warner Bros. da falência, em 1927, graças a inovação que trouxe às telas. As pessoas adoram novidades. O filme foi um estouro e, se não ajudou a firmar o advento da nova técnica, pelo menos foi o pioneiro, quem deu o primeiro importante passo para sua consolidação nos anos a seguir.

Isso porque alguns importantes cineastas, como Chaplin ou Eisenstein, posicionaram-se contra a implementação do som, com medo de que ele apenas deixasse tudo mais relaxado. O russo, inclusive, chegou a escrever um "Manifesto do Som", em que dizia que o som não deveria ser usado para a ambigüidade da imagem, e sim que ele deveria trazer algo novo à construção das seqüências. Ele queria dizer que o som não deveria reproduzir exatamente aquilo que a imagem estava mostrando, como por exemplo a imagem de uma arma disparando e o seu som; e sim que o recurso deveria ser utilizado para expandir os limites que ela possuía, não ser redundante.

Com o tempo, aprendemos que o som aumentou os limites do filme dos quatro cantos da tela, pois, graças a ele, temos a possibilidade de saber algo que está acontecendo fora das quatro linhas que determinam a imagem. Se há um grito, um tiro ou qualquer outro efeito sonoro óbvio fora da imagem, e o personagem reage a ele, sabemos o que está acontecendo. Isso expandiu o espaço. Não seria mais necessário colocar a imagem de uma arma disparando, cortar para um personagem reagindo a ela e assim por diante. Agora, através apenas da imagem de uma pessoa se retorcendo, somado ao ruído anterior de tiro, saberíamos que ela havia sido baleada.

O Cantor de Jazz ainda não utilizava desses complexos - e hoje comuns - efeitos do som. Ele aposta no básico do básico para trazer uma novidade e assim dar o primeiro passo à um novo mundo. O som é totalmente redundante a imagem, mas ele traz algo mais: a magia das músicas. Um espetáculo da Broadway, por exemplo, poderia ser quase perfeitamente transposto para a tela (ainda não tínhamos cores). E aí está o ponto forte de O Cantor de Jazz: mesmo sendo o primeiro filme falado da história, sabe usar muito bem, a seu favor, as sensações que belas canções do gênero podem trazer a um filme.

Ele conta a história de uma tradicional família de cantores religiosos que têm um filho que não está seguindo os mesmos passos das cinco gerações anteriores. O seu sonho é se tornar um grande cantor de jazz, algo que choca o seu pai. Expulso de casa, ele depende apenas de seu talento para subir na vida. É a já contada e recontada história feijão com arroz do preconceito, da quebra de estigmas e todas as conseqüências que tem de sofrer quem o faz.

Apesar de ser o primeiro filme falado, não ache que tem a estética de produções de alguns filmes de 30, 40, quando o som já estava dominando a área. Toda sua estrutura básica vem dos filmes mudos, inclusive com os tradicionais letreiros de diálogos. Há apenas um único diálogo entre os personagens durante todo o filme, o que é assustador, devido sua sincronia e verossimilhança - lembrando que o som direto só chegou ao cinema nos anos 50, 60.

Há uma frase, que se tornou marca do filme, dita entre uma canção e outra. É, sem dúvida, a melhor cena do filme. O personagem de Al Jolson vira para a tela e, com convicção, diz: "acalmem-se, vocês não viram nada ainda", logo após uma das primeiras seqüências musicais do longa. Aliás, é em suas costas que o filme inteiro está. Ele convence não apenas nas seqüências mudas, pois é um ator absurdamente expressivo - a cena que ele chora quando está pintado de negro é incrivelmente sensível. Mas o seu carisma na hora do espetáculo é tão grande que fica difícil não se contagiar e reagir à música que está sendo cantada.

Se hoje em dia já não é a obra-prima que fora na época, pelo menos é uma 'curiosidade obrigatória' para os amantes do cinema. Para quem não tem saco para assistir um filme mudo com leves traços de canções, fica a dica para tentar achar o longa sutilmente adicionado ao último filme de Martin Scorsese, O Aviador. Ele faz sua pontinha, uma pequena participação na história do magnata da aviação. Se o cinema há muitos anos já transmitia suas mensagens, com a chegada de O Cantor de Jazz ele ganhou um leque enorme de outras opções. Agora ele podia falar, cantar, gritar, sussurrar...

Por Rodrigo Cunha, em 22/04/2005 Avaliação:               7.0
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 6.0
• Rodrigo Cunha 7.0
•  Média 6.5
Notas - Usuários
7.6 (26 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Cantor de Jazz, O
(Jazz Singer, The, 1927)
• Direção:
- Alan Crosland
• Elenco Principal:
- Richard Tucker
- Al Jolson
- May McAvoy
• Sinopse: Jakie Rabinowitz (Al Jolson) desafia o seu pai e sai de casa para tentar conquistar o seu sonho: ser cantor de jazz. Sua família sempre teve tradição na música, porém Jackie teve que seguir seu próprio caminho por gostar de um ritmo diferente do que ...
 FILMES RELACIONADOS
• O Aviador
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2014) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
MAPA DO SITE
ANUNCIE CONOSCO