FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

O Chalé é uma Ilha Batida de Vento e Chuva

(Chalé é uma Ilha Batida de Vento e Chuva, O, 2018)
Por Francisco Carbone Avaliação:                 8.0
Poesia e distância banhados pela ilha.
imagem de O Chalé é uma Ilha Batida de Vento e Chuva
A diretora baiana Letícia Simões passeia suas lentes pelos rios que circundam a ilha de Marajó, pelos personagens que a vestem, e pelas histórias que a construíram com as cores que vemos hoje. Mas toda essa pesquisa vai além da sociologia pura e simples e se transforma em cinema quando Letícia decide ir além das imagens e promove também a palavra. E não qualquer palavra, mas a voz da empatia - quem tem a construção do resgate do outro hoje em dia? Quem promove os renascimentos necessários da cultura de um país que faz questão de não promover ou resgatar a sua? Letícia, cineasta jovem, faz em seu longa algo que poucos fazem em geral: aproveita o seu momento para jogar luz no próximo.

O próximo em questão vem a ser Dalcidio Jurandir, poeta e escritor esquecido que passa por um processo de revisão histórica e reinterpretação de resgate, e tudo passa por O Chalé é uma Ilha Batida de Chuva e Vento, um longa de urgência humana e cultural. Espécie de primo de Viajo porque Preciso, Volto porque Te Amo, a diretora observa Marajó pela construção do hoje aliada ao olhar do ontem, com a ajuda da sensibilidade de Dalcidio, que nos anos 30 precisou aceitar um emprego de inspetor escolar na região distante para prover sua família em formação. Então Letícia consegue traçar o paralelo entre o modus operandi local na nossa década e lá atrás naquela, com os relatos do poeta sobre sua atividade realçando a vida do povoado nos dias atuais, e promovendo discussão sobre o que de fato mudou em 80 anos.

O pulo do gato da diretora foi querer mais do que o registro social do trabalho de Dalcidio, que obviamente tinha muito mais a oferecer que sua depuração do ambiente pedagógico e costumes locais. De posse de cartas enviadas por ele a sua amada Guiomarina, o filme tem por mérito dar corpo ao homem além do poeta. Com o amor respingando em cada linha, não temos dúvida de cada nova linha narrada no longa, que ao mesmo tempo que realça um homem sensível a bordo de um trabalho quase burocrático, também mergulha numa delicada história de amor provisoriamente a distância, embarreirada pela necessidade dos primeiros anos, ainda sem reconhecimento.

O texto dessas cartas não apenas costura o longa (de montagem competente) como dá o tom da sutileza narrativa proposta por Letícia, que não se arregaça em mais nada que não o amor incondicional desse homem por sua jovem estrutura familiar, com isso mapeando não apenas uma ilha que há 8 décadas atrás apenas simbolizava seu afastamento. O filme traduz o sentimento de uma época, uma ode a luta do homem comum e sem recursos pela manutenção social, que hoje e sempre é tratada sem nenhum florir existencial e, graças ao talento impregnado no filme, consegue tocar e emocionar o espectador com seu suave passeio por aquelas pessoas tão diferentes, as das imagens e as das palavras.

Letícia, que também é escritora publicada e já trabalhou como roteirista e fotógrafa em outros longas, consegue realizar um belo pedaço de cinema através do que já existia. As cartas de Dalcidio Jurandir são extremamente cinematográficas e parecem emoldurar um pedaço de Marajó e do passado, colocando Letícia na posição privilegiada de pintar o que ele construiu. Através da projeção, vemos a narração em off de Letícia sair do registro metódico do profissional até abraçar o afeto que perpassa toda a correspondência e realizar muito mais do que um registro de viagem ou um painel sobre a existência não contemporânea; através das suas imagens e dos registros humanos de Dalcidio, Letícia compõem beleza em registros cotidianos encharcados de amor puro e dor profunda.

Visto no Olhar de Cinema de Curitiba
Por Francisco Carbone, em 18/06/2018
Avaliação:                 8.0
Notas - Equipe
• Francisco Carbone 8.0
•  Média 8.0
Notas - Usuários
aguardando 3 votos
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
#69 Indicados ao Oscar 2019
#68 Creed II
#67 Vidro
#66 Homem-Aranha no Aranhaverso
#65 WiFi Ralph e O Retorno de Mary Poppins
#64 Melhores Filmes de 2018
#63 Duro de Matar
#62 Roma
#61 O Senhor dos Anéis
#60 Scarface
#59 Infiltrado na Klan
#58 Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald
#57 O Legado de Stan Lee
#56 O Roteiro de Cinema
#55 Halloween (2018)
#54 O Primeiro Homem
#53 Nasce Uma Estrela
#52 Musicais no Século XXI
#51 70 anos de John Carpenter
#50 Breaking Bad - 10 Anos
#49 Neorrealismo Italiano
#48 O Exorcista
#47 Wall-E
#46 The Last of Us
#45 60 anos de Tim Burton
#44 Meu Amigo Totoro
#43 Missão: Impossível - Efeito Fallout
#42 Filmes da Sessão da Tarde
#41 Batman: O Cavaleiro das Trevas
#40 100 anos de Ingmar Bergman
#39 Os Incríveis 2
#38 Era Uma Vez no Oeste
#37 Jurassic Park e Jurassic World
#36 O Bebê de Rosemary
#35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
#34 Han Solo: Uma História Star Wars
#33 Deadpool 2
#32 Um Corpo que Cai
#31 Stephen King no Cinema
#30 Vingadores: Guerra Infinita
#29 A Franquia 007
#28 Um Lugar Silencioso
#27 2001: Uma Odisseia no Espaço
#26 Jogador Nº1
#25 Planeta dos Macacos
#24 Quentin Tarantino
#23 75 anos de David Cronenberg
#22 Projeto Flórida
#21 Trama Fantasma
#20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
#19 Oito e Meio de Fellini
#18 A Forma da Água
#17 The Post e os filmes de Jornalismo
#16 Indicados ao Oscar 2018!
#15 20 Anos de Titanic
#14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
#13 Melhores de 2017
#12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
#11 Especial Natalino
#10 Assassinato no Expresso Oriente
#9 Onde os Fracos Não Têm Vez
#8 Liga da Justiça
#7 Stranger Things
#6 45 anos de O Poderoso Chefão
#5 Branca de Neve e os Sete Anões
#4 Halloween
#3 Blade Runner / Blade Runner 2049
#2 De Volta Para o Futuro
#1 Os Goonies
#0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Chalé é uma Ilha Batida de Vento e Chuva, O
(Chalé é uma Ilha Batida de Vento e Chuva, O, 2018)
• Direção:
- Letícia Simões
• Elenco Principal:
- • Sinopse: Baseado na vida e a obra do escritor paraense Dalcídio Jurandir, o filme elabora uma sensível costura entre tempos, lugares e modos de narrar.
 FILMES RELACIONADOS
• Viajo porque Preciso, Volto porque Te Amo
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2019) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2019)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE
Apoiadores
Promobit: O site para encontrar aquela promoção imperdível