FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

O Círculo

(The Circle, 2017)
Por Felipe Leal Avaliação:         4.5
Do problema à trama, e os círculos da ineficácia.
imagem de O Círculo
Algumas sinopses elaboradas para O Círculo (The Circle, 2017) já me instauram, particularmente, um medo: entregando de bandeja o ponto de virada da trama em que Mae Holland (Watson) passará a filmar a si mesma ostensivamente como parte do protocolo de avanço da empresa que dá título ao filme, é imediatista pensar que o trabalho da ficção-científica é exatamente este: elevar um nervo social exposto e que se vende como preocupante (ou seja: problematiza a si mesmo sem que nos esforcemos) e elevá-lo, por um ato de ficção imaginativa, a uma pontada de extremismo. Por um mesmo enraizamento de mecanismo funcionam as distopias: a conexão com nosso “real” é tão sutil, ainda que bastante íntima, e o grau de projeção no futuro é tão absurdo que só resta pensar: de fato, é para ali que podemos muito bem ir. Qual a proposta da empresa Círculo? A partilha sem limites como chave para maior humanização. E qual o fiasco do filme Círculo? Intoxicar, empanturrar, injetar, alimentar histericamente seu pretexto com a transparência de uma problemática social, até o ponto em que o “filme” ganha aspas, porque tudo nele contido poderia se resumir numa postagem de desabafo de rede social.

Parece-me curioso que o autor da obra em que se baseia o “filme” (vou aspeá-lo até o fim) o tenha co-roteirizado: o espanto não se dá com a proliferação de obras literárias adaptadas para o cinema cujo conteúdo ficcional-especulativo de fato problematize algo – O Conto da Aia (The Handmaid’s Tale) e a franquia Jogos Vorazes (The Hunger Games) são exemplos cristalinos. É até mesmo tolo sugerir que o problema está no gesto crítico. De forma alguma o é. A questão, e aproveito para ligá-la, enfim, a curiosidade do convite ao autor da obra para também roteirizá-la, que afoga O Círculo num oceano de auto-sabotagem é precisamente o sucesso (antes fosse uma tentativa!) paradoxalmente execrável em aliar todo o andamento da trama a uma multiplicação de insights sugestivos sobre a temática do compartilhamento digital e da perda de individualidade, como se estivesse nada disfarçadamente apontando, o tempo inteiro: “vejam como estamos indo mal, mas vejam também como podemos nos atolar cada vez mais”.

Enquanto que o único louro da obra me era, até certo momento, o salto de ultrapassagem no didatismo para uma inserção imediata no que quer que a empresa fosse (a imagem, a princípio, fala por si só, não precisa ser explicada), o “filme” acaba por se tornar o reflexo perfeito de tudo o que a empresa toma ares de ser: o mundo perfeito do panteão publicitário: espertinho, rápido, dinâmico, que entretém, que se positiva irrestritamente. De maneira ainda mais curiosa, e a esperança é que seus criadores disto tenham se apercebido, tudo derroca por funcionar de maneira circular, e, portanto, exaustivamente previsível, num curto espaço de tempo: não há outra circunferência de ação para a protagonista senão o círculo que ela descreve como aliviante: de acordo com certa teoria grotesca e neo-hobbesiana (culparei Eggers, o escritor), assim como o egoísmo e a individualidade levam-na a fazer coisas de maneira solitária, impulsiva e até mesmo errada (?), o fato de que estava sendo observada o tempo inteiro retira de sua escapatória (?) a probabilidade da sorte ou do esforço próprio, afinal, o grande Big Brother sempre estará ali para salvá-la, de maneira que o compartilhamento ininterrupto não só a impedirá de cometer bobagens (?), como não privará pessoas em quaisquer tipos de outras condições de sentirem as coisas com ela; portanto, não há mais egoísmo ou solidão, somente felicidade (?). A resultante, aqui, é que não sei qual dos três elementos é mais pobre: seu pretexto obtuso, sua experiência-prova risível, ou suas conclusões infantis de cientista social.

Mas não há miradas além da própria capacidade apenas na elucubração sociológica: tão previsíveis as estruturas circulares dentro da própria trama, que farão sua protagonista fincar as ações entre o otimismo, a manipulação e o arrependimento, para de novo recomeçar neles, também esperada (tanto quanto era ansiosa a expectativa de que se escapasse deste vício) era a megalomania trans-pessoal a que Hollywood tem se lançado sem freios: não basta agitar as arestas do social, é também preciso ir sempre mais longe, tocar o político, fazer com que a “obra” se enobreça por, digamos, atirar para todas as direções, ter a abrangência falsa (porque ineficaz e pobre) do político, mas só por recair na facilidade do fato que toma para si de que tudo pode muito bem ser político. 

Daí que tudo vira peões. Na escalada do tudo-abarcar, acessorizar se torna um mero detalhe. O designer do programa se torna um fugitivo porque o fascismo tomou conta de sua ideia original (mas o olho-que-tudo-vê de alguma maneira milagrosa não consegue encontrá-lo, e, aliás, seu papel na trama se anuncia e se apaga com velocidade incrível); a amiga que a insere no mundo do Círculo e o suposto par romântico e puro só têm relevância nas vias de empurrar a protagonista (nos círculos emperrantes de seu falso heroísmo), ou seja, e como é esperado no filme de teoria social, não possuem autonomia ou vida própria; toda a ideia de hiper-visualização e partilha sensível do mundo fica adormecida nas obviedades serventes à teoria, até que o grande plot-twist final se dê mais por um decurso óbvio da fluência do rio do que por um arroubo de genialidade do roteiro. E se de alguma lição serve seu final, não é para mostrar o quanto seu caráter inconclusivo não conseguiria sustentar, desde o princípio, a robustez de análise social a que se propõe, mas para provar, de uma vez por todas, que a completa falta de sentido, orientação e motivos é a nova constituição que rege o cinema comercial (falo dele sem nenhum apelo negativo ou dissociativo entre arte-indústria): sua única exclusividade é, já há um certo tempo, o entretenimento puro e impensado. 
Por Felipe Leal, em 30/06/2017
Avaliação:         4.5
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 3.0
• Rafael W. Oliveira 5.0
• Felipe Leal 4.5
•  Média 4.2
Notas - Usuários
5.3/10 (30 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #006 45 anos de O Poderoso Chefão
• #005 Branca de Neve e os Sete Anões
• #004 Halloween
• #003 Blade Runner / Blade Runner 2049
• #002 De Volta Para o Futuro
• #001 Os Goonies
• #000 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Círculo, O
(The Circle, 2017)
• Direção:
- James Ponsoldt
• Elenco Principal:
- Emma Watson
- Tom Hanks
- Karen Gillan
• Sinopse: Mulher envolve-se com um misterioso homem após entrar em um trabalho em uma poderosa empresa de tecnologia.
 FILMES RELACIONADOS
• Jogos Vorazes
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE