FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS HOME CINEMA TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
CRÍTICA

O Cozinheiro, o Ladrão, sua Mulher e o Amante

(The Cook the Thief His Wife & Her Lover, 1989)
Por Roberto Ribeiro Avaliação:               7.5
Um filme que dividiu críticos, ainda assim vale a pena ser assistido por quem adora o cinema.

Formulaico: um jargão dos mais manjados na crítica cinematográfica, definindo filmes realizados por um modus operandi igualmente batido e sem criatividade onde apenas mudam-se os nomes em histórias já 1000 vezes antes feitas e que, por mais desgastadas que pareçam estar, sempre aparece alguém pronto a refazê-las. É sinônimo de dinheiro fácil, os estúdios adoram e prontamente liberam verba para a produção, sabendo que o que vende o filme não são idéias, mas propaganda. Não que eles não tenham um fundo de razão, mas por vezes aparecem, contrariando todas as regras do mundo executivo, produções de baixo custo e completamente experimentais que quebram o lobby dos blockbusters e são sucessos tanto de crítica quando público, revelando junto com eles cineastas que estavam fadados aos guetos e transformando-os celebridades.

Apesar de já ter uma extensa carreira no cinema, incluindo filmes magníficos como A Zed and Two Noughts e Drowning by Numbers, o sucesso e aclamação veio há tempo com a flamboyant poesia do pânico de O Cozinheiro... A história é tão simples quanto o título a elucida; temos um criminoso rude e violento que visita diariamente o restaurante que ajuda a bancar (de seu chef favorito), com sua mulher Georgina a qual, acostumada às grosserias e bizarrices de seu marido, arruma um sofisticado colecionador de livros como amante, e se encontram às escondidas nas idas e vindas no restaurante, com o cozinheiro acobertando o caso. Seguindo o mesmo exemplo de Um Condenado à Morte Escapou de Bresson, a história aqui – um tanto banal e auto-explicativa – é a menor das preocupações do filme; Greenaway sempre fora um cineasta das sensações, priorizando a forma sobre o conteúdo, chegando inclusive a dizer uma vez que quem quisesse contar histórias, que escrevesse um livro. O cinema é o domínio das imagens, dos sons e, no caso do filme em questão, todos os outros sentidos.

Seguindo uma veia mais artesanal de Godard, este filme é um experimento em vários sentidos, a começar pelo que mais chama atenção, a experiência estética. Dono de uma sensualidade ímpar, mesmo nos momentos mais grotescos (e não são poucos), o filme opera num nível de delicadeza e maestria teatral impecável, obedecendo à sua lógica interna; cenários orquestrados, um figurino que muda de cor de acordo com o ambiente que adentra, a própria encenação das personagens, perfeitamente ritmada com a forte melodia de fundo zanzando por toaletes, cozinhas e salões, tudo muito grandioso e registrado por uma steadycam paralela à ação, funcionando como uma subjetiva do público, que assiste aqui à uma ópera. A reação, por vezes exagerada das personagens, nada mais reflete que o caráter absurdo da situação, que cresce descontroladamente em um tour de force cíclico entre provocações e mentiras, até o chocante ato final.

Se, por um lado, o filme mostra toda a beleza angustiante em meio a tanto caos, como o pequeno copeiro andrógino entoando a mesma canção fora de tom ou o aspecto refinado da grande arte no salão principal, das pinturas antigas, música clássica e culinária francesa, também mostra o lado obscuro que sustenta tamanho luxo, cujo frágil limite se resume à entrada da cozinha, onde todos deixam sua pose social e abraçam seus instintos. A educada Georgina, que cuidadosamente flerta com seu amante de sua mesa cativa enquanto este lê seus livros, transa loucamente na despensa e no frigorífero entre cabeças de porcos penduradas, embalada no ritmo da orgia gastronômica do cozinheiro, enquanto o criminoso Albert Spica (em maravilhosa atuação de Micheal Gambon), já naturalmente desbocado e agressivo, transforma-se numa besta sádica e enfurecida, que só piora à medida em que se afasta da copa para o beco nos fundos do restaurante, um lugar imundo rondado por vira-latas que serve de palco para as piores torturas e atrocidades (não por acaso a cena inicial se dá lá). Porém, este equilíbrio é quebrado quando Albert, tomado pelo desejo de vingança, despeja sua brutalidade num local indigno de tal, uma extensa biblioteca que supostamente deveria emanar o melhor do ser humano com sua aura mística do conhecimento milenar e artístico; isto impulsiona Georgina a retornar na mesma moeda, invadindo o aposento de serenidade de Albert durante o gran finale.

Deixando os críticos na época divididos, alguns o considerando por demais bizarro e perturbador, outros enaltecendo suas inúmeras qualidades artísticas, sendo visto como uma obra matematicamente concebida, uma crítica à política Thatcher ou uma história vazia sobre quatro pessoas, não diria que é um filme para poucos mas certamente muitos o irão odiar; um filme que personifica bem o ditado “falem bem, falem mal, mas falem de mim”. Ainda assim, é imprescindível ser visto por todos que tenham algum interesse em cinema e debatido à exaustão, mesmo que seja apenas como desculpa para iniciar uma conversa de bar.

Por Roberto Ribeiro, em 06/03/2006 Avaliação:               7.5
Notas - Equipe
• Daniel Dalpizzolo 6.0
• Demetrius Caesar 8.5
• Silvio Pilau 6.0
•  Média 6.8
Notas - Usuários
7.8 (47 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Cozinheiro, o Ladrão, sua Mulher e o Amante, O
(The Cook the Thief His Wife & Her Lover, 1989)
• Direção:
- Peter Greenaway
• Elenco Principal:
- Tim Roth
- Michael Gambon
- Helen Mirren
• Sinopse: Um criminoso rude e violento, que visita diariamente o restaurante que ajuda a bancar de seu chef favorito, com sua mulher Georgina a qual, acostumada às grosserias e bizarrices de seu marido, arruma um sofisticado colecionador de livros como amante,...
 FILMES RELACIONADOS
• Um Condenado à Morte Escapou
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2014) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
MAPA DO SITE
ANUNCIE CONOSCO