FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

O Destino de uma Nação

(Darkest Hour, 2017)
Por Francisco Carbone Avaliação:         4.0
Debruçados sobre uma única luz.
imagem de O Destino de uma Nação
Lembram de Joe Wright? O talentoso jovem cineasta britânico surgido na década passada com incríveis adaptações de Jane Austen e Ian McEwan explodiu nas telas trazendo frescor e vigor a produções de época que constantemente eram (na verdade são até hoje) associadas à vontade única e irrestrita de faturar prêmios. Wright apareceu com os pés na porta, como se dissesse que os prêmios poderiam até vir, mas seriam através da visão muito enérgica dele, com uma autoralidade e uma mão firme para não se curvar a clássicos, apenas respeitá-los e torná-los atraentes e excitantes. Sempre aliado a roteiristas que entregavam trabalhos à altura de sua pegada, parecia uma questão de tempo a sua ascensão a um patamar híbrido muito difícil de alcançar, agradando as mentes mais antiquadas e dominantes e também ao novo quadro geracional. Então resolveu diversificar, e fez filme de ação, adaptação de Tolstoi, nova versão de Peter Pan, atirou para muitos lados, sempre com uma certa assinatura. Mas talvez nesse percurso algo tenha mostrado para Wright a passagem do tempo, e hoje ele entrega um filme onde ele parece um detalhe.

O Destino de uma Nação em tudo parece um típico produto 'made for awards' que Wright sempre teve nas mãos para subverter, mas, cada vez mais, a subversão que antes lhe era cara hoje não passa de uma picardia momentânea. Com roteiro do mesmo Anthony McCarten de A Teoria de Tudo, o longa é mais um produto em que esse rapaz se envolve onde tudo é melhor que o trabalho dele, aqui ainda inferior; num projeto onde a oratória é uma característica do protagonista, ter diálogos infanto-juvenis pendendo para o clichê/brega vez por outra é no mínimo frustrante, e faz o diretor se ver num lugar onde ele raramente esteve, o de depender exclusivamente de si para contar sua história em imagens. Ao lado de Wright está Bruno Delbonnel no desenho de luz da fotografia, e juntos eles conseguem captar grandes momentos imagéticos, na maioria das vezes onde o diálogo é supérfluo. Mas a verdade é que o protagonista do filme atende pelo nome de Winston Churchill, um homem reconhecido pela eloquência e ferocidade na língua. Como colocar tolices na boca desse personagem?

O roteiro ainda comete outros pecados. Na ânsia de se debruçar embevecido pela figura de Churchill, o filme reduz um momento de sua vida a algo muito pequeno, uma coisa boba chamada Segunda Guerra Mundial. O filme não me parece nem um pouco interessado em radiografar aquele momento, muito embora exiba datas em cartelas a cobrir toda a imagem projetada a cada passagem de tempo; qual a função da passagem de tempo se tudo o que o roteiro quer é perseguir Churchill para trás e para adiante, indiscriminadamente, e relega suas colocações macro a meros artifícios apêndices? Além disso, há toda uma construção de personagens a seu redor apresentados como importantes e dignos (sua esposa Clementine, o rei da Inglaterra George VI, sua nova secretária Elizabeth Layton, seu rival no Parlamento Halifax) que são tratados com desleixo coletivo e terminam sem qualquer função dramática a não ser a de suporte a Churchill nas cenas, compondo planos ou existindo para o personagem simplesmente não falar sozinho. Não duvido que numa possível adaptação teatral essa produção conseguisse claramente se transformar num monólogo com nenhuma perda narrativa, tão superficiais e mal tratados são seus coadjuvantes.

O interesse do roteiro de McCarten infelizmente parece ser corroborado por Wright - acredito que ele, enquanto diretor, pudesse direcionar a visão para outro lado, o que nunca acontece. Há uma paixão muito clara ali pela fascinante figura de Churchill, na qual o filme tenta alongar esse fascínio, e que reside também muito na interpretação de Gary Oldman. O filme está debruçado e babando sobre Oldman, e é completamente compreensível já que ele promove algo muito difícil, que vai de uma composição muito aguda a uma muito introspectiva, sempre dando o máximo de humanidade e credibilidade a alguém muito complexo. Não é uma interpretação deslumbrada nunca, pelo contrário; Oldman sempre teve uma queda ao histrionismo em seus tempos de Luc Besson, mas vem criando um ator novo e muito mais interessante desde a década passada, e expõe esse equilíbrio de maneira muito delicada aqui, sempre chamando atenção. Mas se Oldman não é deslumbrado, o filme o é com ele desde sempre, num ritmo de prostrar toda sua maquinaria e disposição apenas a assistir esse grande momento da dramaturgia mundial. Que fique claro que a culpa nunca é do ator, mas da forma como o filme se coloca ao seu redor.

No fim das contas os belos e já citados planos criados por Wright e Delbonnel (como a do elevador escurecido com apenas a figura iluminada de Churchill, ou o primeiro discurso de rádio dele, todo avermelhado por uma lâmpada) acabam sobrando nessa ânsia de se debruçar por um ator - sim, brilhante - que atravanca o resto da produção, que ainda conta com um trabalho preguiçoso de um dos mais brilhantes compositores da atualidade, Dario Marianelli, em notas sem qualquer inspiração. Agora pense no quadro geral, uma produção imersa na preguiça de ideias do seu diretor, que repete planos em câmera lenta da população e tomadas aéreas a cada 15 minutos a ponto de esgotar a validade do recurso, e quando seu roteirista volta a demonstrar um desenvolvimento de pouca qualidade do material objetificado. Sobra um Gary Oldman genial, e só.
Por Francisco Carbone, em 09/01/2018
Avaliação:         4.0
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 5.0
• Daniel Dalpizzolo 4.0
• Silvio Pilau 7.5
• Heitor Romero 4.0
• Marcelo Leme 5.5
• Francisco Carbone 4.0
• Cesar Castanha 5.5
• Rafael W. Oliveira 4.0
• Felipe Leal 5.0
•  Média 4.9
Notas - Usuários
6.2/10 (131 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (2)
Por Letícia , em 03/03/2018 | 11:34:10 h
quando tentei assistir pela primeira vez dormi na metade
na segunda foi uma penúria
uma pena os talentos desperdiçados nesse longa
Por Matheus Darswik, em 17/02/2018 | 23:33:36 h
Discordo da crítica e ao meu ver, todas as pessoas envolvidas no filme estão de parabéns, Gary Oldman está extraordinário e o filme é ótimo.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #45 60 anos de Tim Burton
• #44 Meu Amigo Totoro
• #43 Missão: Impossível - Efeito Fallout
• #42 Filmes da Sessão da Tarde
• #41 Batman: O Cavaleiro das Trevas
• #40 100 anos de Ingmar Bergman
• #39 Os Incríveis 2
• #38 Era Uma Vez no Oeste
• #37 Jurassic Park e Jurassic World
• #36 O Bebê de Rosemary
• #35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
• #34 Han Solo: Uma História Star Wars
• #33 Deadpool 2
• #32 Um Corpo que Cai
• #31 Stephen King no Cinema
• #30 Vingadores: Guerra Infinita
• #29 A Franquia 007
• #28 Um Lugar Silencioso
• #27 2001: Uma Odisseia no Espaço
• #26 Jogador Nº1
• #25 Planeta dos Macacos
• #24 Quentin Tarantino
• #23 75 anos de David Cronenberg
• #22 Projeto Flórida
• #21 Trama Fantasma
• #20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
• #19 Oito e Meio de Fellini
• #18 A Forma da Água
• #17 The Post e os filmes de Jornalismo
• #16 Indicados ao Oscar 2018!
• #15 20 Anos de Titanic
• #14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
• #13 Melhores de 2017
• #12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
• #11 Especial Natalino
• #10 Assassinato no Expresso Oriente
• #9 Onde os Fracos Não Têm Vez
• #8 Liga da Justiça
• #7 Stranger Things
• #6 45 anos de O Poderoso Chefão
• #5 Branca de Neve e os Sete Anões
• #4 Halloween
• #3 Blade Runner / Blade Runner 2049
• #2 De Volta Para o Futuro
• #1 Os Goonies
• #0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Destino de uma Nação, O
(Darkest Hour, 2017)
• Direção:
- Joe Wright
• Elenco Principal:
- Gary Oldman
- Kristin Scott Thomas
- Ben Mendelsohn
• Sinopse: Winston Churchill (Gary Oldman) está prestes a encarar um de seus maiores desafios: tomar posse do cargo de Primeiro Ministro da Grã-Bretanha. Tudo isso em plena 2º Guerra Mundial, em relação a qual ele toma medidas para resolver diretamente o confl...
 FILMES RELACIONADOS
• A Teoria de Tudo
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE