FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

O Dia do Atentado

(Patriots Day, 2016)
Por Rodrigo Cunha Avaliação:               7.0
Atentado em segundo plano; o Dia dos Patriotas.
imagem de O Dia do Atentado
É bem verdade que a carreira de Peter Berg não é lá muito atrativa, mas desde que o diretor decidiu deixar de lado produções fantasiosas e abraçou um tom quase que documental de histórias baseadas em fatos reais em seus últimos três filmes – todos protagonizados por Mark Wahlberg – ele parece ter encontrado um estilo, uma identidade. E não é que tem se saído melhor assim? São trabalhos que, se não se destacam pelo brilhantismo na direção ou pela qualidade como cinema construído, pelo menos possuem coração e temáticas relevantes o suficientes para receberam certa dose de atenção.
 
No caso de O Dia do Atentado (Patriots Day, 2016), o diretor revive os dias de horror que Boston viveu em abril de 2013, durante sua tradicional maratona, quando duas bombas caseiras explodiram perto da linha de chegada e causaram três mortes – entre elas uma criança de apenas oito anos - e deixaram mais de duzentos e cinquenta feridos, muitos amputados. Wahlberg assume a personalidade de Tommy Saunders, um policial que está no último dia de trabalhos mais simples forçados como uma punição administrativa, mas assume uma função de ligar a toda forma narrativa que o filme busca em tantas histórias reais paralelas como um personagem fictício.
 
Isso é um acerto: ao apresentar seus personagens desde cedo, mesmo que eles só venham a ter alguma função dentro da trama lá na frente, o filme humaniza aquelas pessoas, nos fazendo conhecer suas rotinas, seus planos, seus sonhos, tonando os momentos de tensão mais eficientes, afinal, sabemos o que eles podem ganhar ou perder com aquilo que está em tela. Então, quando vemos Jeffrey Pugliese (J.K. Simmons) comprando muffins e donuts no começo para a esposa ou então o jovem policial Sean Collier (Jake Picking) finalmente tomando coragem de chamar uma pretendente para sair ganha-se peso dramático com os destinos que eles encontrarão quando os terroristas cruzarem os seus caminhos.

O que poderia ser uma ode à potência militar norte-americana mostra-se um filme muito mais sensível do que isso. É simples: o terror é imprevisível, ainda mais quando parte de duas pessoas que agem por iniciativa própria, sem nenhum grupo radical por trás, apenas idealismos, o que torna ainda mais difícil rastreá-los senão pela casualidade. Quando Berg passeia com sua câmera pelas ruas labirínticas da cidade em uma tomada superior, vemos as imensas possibilidades e a dificuldade da tarefa. É aí que a cidade torna-se um importante membro da história: mesmo com toda sua tecnologia, toda a sua potência bélica, foi a população de Boston uma das principais peças chaves para que tudo não tomasse uma proporção ainda pior. Dependeu-se de um chinês de perninhas curtas correndo em um determinado momento ou então de um senhor mais atento. Não muito mais.

Quando o filme dialoga a favor da população, e não das iniciativas militares, fica um pouco mais fácil entender o personagem de Wahlberg: ele é a população. Provavelmente com uma punição administrativa por agir mais com o coração do que com a cabeça, como muitos cidadãos agiriam nessas situações, ele tem momentos chaves por conhecer bem aquele local, ligar pessoas totalmente desconhecidas através das informações em comum e estar presente em todos os momentos que todo mundo gostaria de estar quando querem agir pela justiça. É um policial comum, nada heroico, com um certo problema com sua esposa e um joelho que o impede de ser o estereótipo atlético que estamos acostumados a ver nesse tipo de filme. Ele é uma pessoa comum.
 
Para nós, brasileiros, fica ainda mais fácil criticar o patriotismo que os norte-americanos têm diante dessas situações, afinal, vivemos em um país em paz, com muitos problemas internos mas praticamente alheio a tudo o que acontece de violência no mundo, vide Copa do Mundo e Olimpíadas sem um caso sequer registrado de terrorismo. Mas para os norte-americanos, mesmo que em um filme direto demais, meio meloso aqui ou ali, adotando postura documental em legendas e em montagens de imagens que misturam o real e a ficção sem muita distinção, com fotografias que flutuam entre imagens em HD, imagens de arquivo e de câmeras de segurança, é um filme registro importante e orgulhoso, pois poderia ter sido muito pior. Poderia ter sido mais uma ferida no orgulho, mas deu ainda mais força a esse Dia dos Patriotas.

Por Rodrigo Cunha, em 12/05/2017
Avaliação:               7.0
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 6.0
• Rodrigo Cunha 7.0
• Rafael W. Oliveira 7.0
•  Média 6.7
Notas - Usuários
6.8/10 (11 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #002 De Volta Para o Futuro
• #001 Os Goonies
• #000 O Piloto
 LEIA TAMBÉM

 FICHA DO FILME

 Dia do Atentado, O
(Patriots Day, 2016)
• Direção:
- Peter Berg
• Elenco Principal:
- Mark Wahlberg
- John Goodman
- Kevin Bacon
• Sinopse: O comissário de polícia Ed Davis narra os fatos que levaram ao atentado na maratona de Boston em 2013 e seus desdobramentos, incluindo a caçada aos terroristas responsáveis pelo ataque.
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE