FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

O Filho de Joseph

(Le Fils de Joseph, 2016)
Por Felipe Leal Avaliação:                 8.5
Eugène Green, o jocoso e o sagrado.
imagem de O Filho de Joseph
Sobre a recepção do Anjo do Mal (Pickup on South Street, 1953), de Samuel Fuller, nos cinemas Parisienses, discutiu-se insistentemente o suposto anti-comunismo presente no filme, que trata de um assalto não-intencional de segredos do governo americano, e ao qual Luc Moullet, então crítico dos Cahiers du Cinéma, rebate com uma discussão a uma problemática crucial ao cinema, que transfiguro aqui num linguajar assumidamente simples: se discordo moral, ética ou ideologicamente de um filme (na verdade, sob qualquer parâmetro) por seu conteúdo, é possível, de acordo com ponto de vista particular, invalidá-lo? Em defesa a Fuller, Moullet discordará, dizendo que ''nem os enquadramentos, nem a mistura, nem a montagem são moscovofóbicos''. Tensiona forma e conteúdo. Mas, dizendo de maneira ainda mais transparente: tratando-se de um tema que não me é caro, diante do qual tenho ojeriza ou cuja representação não tomou os moldes que acredito que deveria ter tomado, é permitido que deteste tal obra? Decerto sim, mas não se fala aqui de gosto ou desgosto. Na verdade, é bem neste ponto onde se quer chegar: apreciação e reconhecimento de valor, por sorte, podem entrelaçar suas mãos, mas pouco provavelmente andarão juntos. 

Tudo o que foi dito na verdade tem pretensões de defender O Filho de Joseph (Le Fils de Joseph, 2016), de Eugène Green. Antes que a crítica possa abraçá-lo pelas vias do maniqueísmo simplista ou da narrativa forçosamente alicerçada pela simbologia cristã, cuja existência discordo para ambos os casos, é preciso tomar Green como autor, e a obra inserida num ponto de refinamento dentro de sua própria filmografia. Mas se se fala em ''refinamento'', este não está necessariamente atrelado a uma elevação estritamente estética das qualidades barrocas, teatrais ou evocativas de uma religiosidade; é certo que os aspectos ainda estão ali, o dualismo de trajetórias e interioridades ainda inspira os personagens (matar ou não matar o pai?, revelar ou não a paternidade ao filho?), o classicismo musical, embora enxotado pelos defensores da arte menos erudita, permanece como assombro de uma sacralidade gestual, declamativa e afetada – só que a religiosidade aurática típica de seu conjunto desce, agora, à trama quase novelesca e não prevista para o diretor.

O impasse narrativo que deixa infiltrar o pano de fundo bíblico, aparentemente emprestado de uma vontade popularesca demais (o garoto que procura o pai e acaba com seu tio ''vagabundo'' e mãe solitária) e, como dita a ordem interpretativa de Green, teatralizado com seus atores sempre recitativos e tesos, com os rostos prestes a atravessar o quadro e olhando diretamente para nós e seus ouvintes ao mesmo tempo; este motivo para o acontecimento fílmico nunca deixou de ser emoldurado, encenado e injetado de uma jocosidade e uma de uma elevação, sendo que este segundo agora só se dará pelos encontros do sagrado com o mais mundano e vulgar possível. Como se Deus descesse dos céus para tocar a tragicomédia de uma família desgraçada pela baixeza de um pater incoerentemente chulo. 

É, aliás, aí que encontramos uma guinada irônica para aquilo que o diretor havia de certa forma só pincelado em A Ponte das Artes (Le Pont des Arts, 2004), devido à falta de abertura quase completa que a obra havia deixado para qualquer sustentação de uma narrativa paralela ou mesmo contaminada sobre o meio artístico erudito parisiense e suas arrogâncias grotescas. O pai, dele e de outros 4 filhos relegados, editor de renome, é a ponta de amarra com a pomposa sociedade literária francesa, decadente, excessivamente maquiada, artificial e fofoqueira, delirante mesmo sobre que autores estão vivos; enquanto do outro lado, os pedaços da família em devir discursam (pois não há falas ou diálogos num sentido convencional em Green) sobre a voz interior de Deus e os desvios de um caminho de bondade. Paralelamente, o quadro do Sacrifício de Isaque, de Caravaggio, repousa no quarto do menino. O anjo que vem pedir a Abraão que não mate seu filho e, na história religiosa, dissolve o conflito interno do velho. Duas faces de um mesmo impasse humano; Abraão bíblico e Vincent, o adolescente ''qualquer''.

Retorno, pois, ao início, à não-obrigatoriedade de uma afinidade com o cristianismo ou a arte erudita para que eu (nós), que olho e faço juízo de valor, me entregue a isto que o cinema, em âmago, propõe: uma história. Porque se há o enquadramento simétrico e diagonalmente angulado numa perfeição das formas, se o olho atravessa a tela para reconhecer que eu existo, se há o corpo rijo e a poesia falada, se as coisas se fazem pelo verbo, como Vincent se faz filho pelo Joseph que assim o denomina, interessa mais que a câmera e sua encenação cristalizem a pequena narrativa tornada bíblica, quer ela me apraza ou não.

Por Felipe Leal, em 02/01/2017
Avaliação:                 8.5
Notas - Equipe
• Daniel Dalpizzolo 7.5
• Rodrigo Cunha 8.0
• Heitor Romero 8.0
• Felipe Leal 8.5
•  Média 8.0
Notas - Usuários
7.7/10 (17 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (1)
Por Douglas Rodrigues de Oliveira, em 02/01/2017 | 09:53:20 h
Grande análise, enriquecedora. Assisti o filme ainda por esta amanhã, meus sentidos pululam e muito provavelmente fazem deste Green meu favorito, por razões pessoais, ao lado de Ponte.

Grande análise, não custa repetir.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #007 Stranger Things
• #006 45 anos de O Poderoso Chefão
• #005 Branca de Neve e os Sete Anões
• #004 Halloween
• #003 Blade Runner / Blade Runner 2049
• #002 De Volta Para o Futuro
• #001 Os Goonies
• #000 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Filho de Joseph, O
(Le Fils de Joseph, 2016)
• Direção:
- Eugène Green
• Elenco Principal:
- Natacha Régnier
- Fabrizio Rongione
- Mathieu Amalric
• Sinopse: É verão em Paris. Vincent, um jovem de 15 anos, se recusa a torturar ratos e a vender esperma pela internet ao lado de seus amigos de escola. Ele vive sozinho com sua mãe e sente vontade de descobrir quem é seu pai. Sua investigação o leva a um famos...
 FILMES RELACIONADOS
• A Ponte das Artes
• Anjo do Mal
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE