FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

O Filme da Minha Vida

(Filme da Minha Vida, O, 2017)
Por Francisco Carbone Avaliação:             6.0
Diretor, roteirista, ator: os Seltons não se encontram.
imagem de O Filme da Minha Vida
Às vezes de tanto homenagear e buscar referências, e as mesmas não se comunicarem entre si, um cineasta pode começar a encontrar dificuldades em ter uma voz própria, coerente e constante. Não podemos acusar Selton Mello de não ter talento ou de não trabalhar com os melhores profissionais disponíveis no mercado, nada disso seria justo. Na entrega desse seu terceiro longa, o poético O Filme da Minha Vida, Mello vive novo momento de estabilidade profissional, com belos trabalhos como ator paralelos à sua paixão de realizador; sobra paixão em seu novo filme. O que talvez possa começar a ser observado são suas inspirações temáticas e imagéticas, que teimam aqui em não ganhar sentido maior que os de uma homenagem de um fã maravilhado com seus ídolos, alguém talentoso e capaz, mas ainda assim assolado por tanta informação que o excesso delas embaça o roteiro escrito a quatro irmãos mais uma vez, por Mello e seu amigo habitual Marcelo Vindicato. Na ânsia de acertar tantos gols quanto possível, contou com os melhores jogadores a disposição para um jogo que termina sem vitória. 

Em Feliz Natal, a atmosfera amarga de típicas reuniões familiares foi claramente abençoada por Lucrécia Martel e seu O Pântano, um projeto de estreia ousado e seguro de si; com O Palhaço, a infância de Selton foi o alvo, mas não dá pra negar a influência da inocência que Chaplin e Fellini trouxeram à bela atmosfera desse seu grande sucesso, inclusive de bilheteria. O que seu novo filme traz é mais um mergulho no cinema italiano, tanto Fellini quanto o Tornatore de Cinema Paradiso e Malena, numa narrativa que esbanja nostalgia pelo passado e a busca por um entendimento particular de nosso crescimento pessoal, tanto etário quanto emocional. Com elementos estéticos que não apenas situam o filme na década de 60 onde é passado como tentam promover uma viagem visual para lá, Selton tecnicamente entrega o prometido a um projeto que almeja nos situar no passado de maneira onírica e delicada, com um Walter Carvalho mais uma vez assombrando nas lentes. Direção de arte, figurinos e a bela trilha incidental de Plínio Profeta completam o quadro geral, de alcance indiscutível. 

Os excessos começam a ser observados quando se percebe (rapidamente até) que o corpo de canções escolhidas para o filme ocuparão toda a sua extensão, e por mais lindas que sejam as músicas da Jovem Guarda, a voz de Charles Aznavour e tantas outras, não cessarão em toda cena que não houver diálogo. E Selton construiu uma atmosfera de imagens, sons, sentidos e delicadeza que deveriam prescindir a experiência do áudio; quase sentimos o filme clamar pelos acordes suaves de Profeta, quando os microfones não param de trabalhar. O mesmo podemos dizer do trabalho de Carvalho, que ultrapassa o limite da beleza em determinados momentos quando parece chegar no limite de sufocar o todo, imerso numa paleta ostensivamente perfeita, em enquadramentos tão milimétricos que simplesmente abafam a história contada muitas vezes. Uma história que com outras escolhas teria sido muito menos explícita e muito mais sentida, e é aí que percebemos que talvez falte sutileza ao trabalho. 

E aí entra a observação ao roteiro, que nos faz atentar para todo esse entorno; provavelmente se o material escrito correspondesse, o filme não fosse tão sufocante. Se em seu filme anterior Selton deixou a poesia correr solta em imagens e pensamentos, dessa vez a fórmula desandou e produziu cenas canhestras. De estrutura a usar e abusar das metáforas e lições entre seus personagens e situações, Selton verbaliza tudo até esgarçar a narrativa com um sem fim de "poemas" narrados, e explicados, e se não estiver ainda bem entendido, ele ainda os transforma em imagem. A vida do protagonista Toni Terranova (saído do livro de chileno Antonio Skarmeta, 'Um Pai de Cinema') é observada com os olhos da poesia visual e também da forma tradicional, e por mais beleza e doçura que o filme queira nos arremessar, até os possíveis momentos de dor são tão esteticamente elaborados que lá pelas tantas as intenções foram esvaziadas. 

É esse mesmo carinho e talento que salvam o projeto, porque ao final, mesmo de maneira exacerbada, sobra talento a todos os envolvidos e nada é mal feito. Talvez se a atmosfera de sonho atribuída às memórias de Toni forem absorvidas com o mesmo espírito que Selton empregou, talvez se o foco de observação for o lado onírico e apenas ele, talvez se deixar o trabalho do elenco for também ele sentido em seus silêncios particulares... talvez exale alma. Dos olhos de Johnny Massaro, por quem o filme é completamente e assumidamente apaixonado, saem a vida que é atribuída aos tantos diálogos expositivos; dos olhos do ator Selton Mello, em trabalho diametralmente oposto ao do roteirista Selton Mello, saem a sabedoria que faltou ao diretor dessa vez; dos olhos de Bruna Limzmeyer, cujo personagem não condiz com seu talento, saem a inocência e a doçura tão obsessivamente procurada; por fim, dos olhos de Martha Nowill, que não tem 10 minutos de tempo de tela, sai a real poesia, a real beleza e o real encantamento que o filme nos propõe. Se tivesse mergulhado ainda mais nesses olhares, o diretor Selton Mello poderia ter um filme menos bonito para dentro, porém muito mais bonito para fora. 
Por Francisco Carbone, em 01/08/2017
Avaliação:             6.0
Notas - Equipe
• Francisco Carbone 6.0
• Rafael W. Oliveira 5.0
• Léo Félix 7.5
•  Média 6.2
Notas - Usuários
6.8/10 (16 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #002 De Volta Para o Futuro
• #001 Os Goonies
• #000 O Piloto
 LEIA TAMBÉM

 FICHA DO FILME

 Filme da Minha Vida, O
(Filme da Minha Vida, O, 2017)
• Direção:
- Selton Mello
• Elenco Principal:
- Johnny Massaro
- Vincent Cassel
- Selton Mello
• Sinopse: Serras Gaúchas, 1963. O jovem Tony Terranova precisa lidar com a ausência do pai, que foi embora sem avisar à família e, desde então, não deu mais notícias ao filho. Tony é professor de francês num colégio da cidade, convive com os conflitos dos alun...
 FILMES RELACIONADOS
• Cinema Paradiso
• Feliz Natal
• Malena
• O Palhaço
• O Pântano
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE