FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

O Gigante de Ferro

(Iron Giant, The, 1999)
Por Rodrigo Cunha Avaliação:                 8.0
A bonita história de amizade entre um robô gigante de ferro e um pequeno garoto simples do interior.

Muito antes de Os Incríveis, já era possível perceber como o diretor Brad Bird é um tremendo viciado em super-heróis com este O Gigante de Ferro, seu primeiro longa metragem. Claramente inspirado em filmes como Guerra dos Mundos (o antigo) e O Dia em que a Terra Parou (que alguns podem até considerar um plágio), Bird construiu uma bela mensagem anti-guerra e um retrato de como o ser humano pode ser irracional com coisas que desconhece. Nada de novo, mas um “nada de novo” extremamente gostoso de se acompanhar, principalmente porque não se fazem mais animações tradicionais assim, leves de se assistir e sem os maneirismos de época irritantes, que apenas servem para datar os filmes em questão, e com um conteúdo bom o suficiente para causar um bom papo entre pais e filhos ao término do longa.

A história, baseada no livro escrito por Ted Hughes, passa-se em 1958, quando o jovem Hogarth Hughes (Eli Marienthal) conhece um robô gigante vindo do espaço e passa a cultivar uma amizade com o grandão. Comedor de metais e esforçado para aprender nossa língua (bem, no caso, "nossa língua" refere-se ao ingês), vamos acompanhando aos poucos a aproximação dos dois, desde a chegada do gigante até o desfecho do filme, quando sua mensagem se completa. Só que, com a chegada do governo ao local, as coisas parecem se complicar para nosso querido de ferro. A linha que liga esses dois pontos é marcada por grandes momentos, seqüências marcantes que ajudam um filme a se destacar dos demais e ganhar, com o passar do tempo, seus status de arte – veja, por exemplo, o momento em que Hughes está no carro, logo após o primeiro encontro com o gigante, sentado assustado e, lá no fundo, confundindo-se com as árvores, a silhueta de seu mais novo próximo amigo. Uma cena simplesmente linda.

O desenvolvimento é tranqüilo e não tem o ritmo frenético dos desenhos atuais; estética que, inclusive, Os Incríveis compartilha. Tudo é mais calmo, mais clássico, lembrando até os grandes trabalhos da antiga Disney. E, assim como os da empresa citada, o filme acaba resguardando alguns defeitos dessa estética. Alguns dos exemplos clássicos são os furos de roteiro que, para acelerar o longa, acabam acontecendo. Não são nem furos em si, mas forçadas de barra para deixar o filme mais rápido e menor – a média clássica é uma hora e meia, mas hoje em dia é fácil uma animação chegar a quase duas horas de duração. São cenas que o filme coloca como "é assim e pronto". Um dos exemplos claros desses “furos” é o controle que liga e desliga a energia de uma usina elétrica inteira se encontrar na parte externa da construção, podendo ser acionado até mesmo por um garoto com pouco mais de 10 anos; outro é simplesmente vermos a pressa com que o robô aprende a falar a língua local, uma vez que simplesmente não há cenas o suficientes no filme que convençam que ele realmente poderia ter aprendido tão rápido a falar.

Isso poderia ser uma tragédia em bola de neve se não fossem pelos acertos do longa, que encobrem totalmente suas pequenas falhas. O sentimento construído ao longo de toda sua duração é sempre sincero, com um robô carismático a beça e com situações bem simples, que ajudam a construir um clima extremamente simpático ao longo de toda a sua duração. Acabamos gostando de tudo por sua extrema simplicidade, mas que com uma analisada mais profunda, conseguimos achar o “algo a mais” que faz a obra ser rica – e esse algo a mais são os detalhes, as pequenas coisas que se interligam e fazem tudo parecer maior do que uma primeira visita pode mostrar. Mas, ainda assim, a obra continua simples como a cidade onde toda a história se passa.

Há ainda as metáforas claras, algumas novas (como não comparar o imenso gigante, de ferro, com o fato dele ter sentimento; coração de ferro, chamam os insensíveis, uma grande e inteligente ironia, que explica bem o porquê do gigante ser daquele material), outras nem tanto (essa história dos homens tratarem com violência aquilo que desconhecem já foi explorado em excesso por outras obras de ficção). Porém, como constantes heróis conhecidos por todos são citados ao longo de todo o filme, a impressão que fica é de tudo não passa de uma grande homenagem aos filmes e histórias em quadrinho que fizeram Brad Bird crescer como um contador de histórias. Ao contrário de Os Incríveis, que é uma sátira bem sacada dos super-heróis, aqui o filme é mais sério e engajado, com seus momentos de diversão descontraída.

Encabeçando a lista de dubladores, temos uma Jennifer Aniston um pouco apagada como a mãe do garoto, já que o foco principal de tudo é mesmo entre o jovem Eli Marienthal (que fez o irmão de Stifler em American Pie 2 - A Segunda Vez é Ainda Melhor) e um Vin Diesel pré-Velozes e Furiosos e Triplo X, dublando o grandão de ferro. Banhado com boa trilha musical, um filme muito bonito que utiliza de algumas forçadas de barra para brilhar mais. Forçadas intencionais que, quando bem utilizadas, acabam servindo apenas de meio para um bem maior.

Por Rodrigo Cunha, em 14/10/2006
Avaliação:                 8.0
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 7.0
• Rodrigo Cunha 8.0
• Silvio Pilau 7.0
• Marcelo Leme 9.0
•  Média 7.8
Notas - Usuários
8.1/10 (256 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (2)
Por Luiz Fernando de Freitas, em 17/04/2015 | 15:14:09 h
Somente uma das melhores animações de todos os tempos.
Por David Nascimento, em 17/04/2015 | 15:09:06 h
Acho que os "furos", em animações, podem ser relevados. É tão difícil acreditar no controle da usina elétrica quanto em um gigante de ferro de outro mundo. Nada disso me incomodou quando assisti ao filme.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
#49 Neorrealismo Italiano
#48 O Exorcista
#47 Wall-E
#46 The Last of Us
#45 60 anos de Tim Burton
#44 Meu Amigo Totoro
#43 Missão: Impossível - Efeito Fallout
#42 Filmes da Sessão da Tarde
#41 Batman: O Cavaleiro das Trevas
#40 100 anos de Ingmar Bergman
#39 Os Incríveis 2
#38 Era Uma Vez no Oeste
#37 Jurassic Park e Jurassic World
#36 O Bebê de Rosemary
#35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
#34 Han Solo: Uma História Star Wars
#33 Deadpool 2
#32 Um Corpo que Cai
#31 Stephen King no Cinema
#30 Vingadores: Guerra Infinita
#29 A Franquia 007
#28 Um Lugar Silencioso
#27 2001: Uma Odisseia no Espaço
#26 Jogador Nº1
#25 Planeta dos Macacos
#24 Quentin Tarantino
#23 75 anos de David Cronenberg
#22 Projeto Flórida
#21 Trama Fantasma
#20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
#19 Oito e Meio de Fellini
#18 A Forma da Água
#17 The Post e os filmes de Jornalismo
#16 Indicados ao Oscar 2018!
#15 20 Anos de Titanic
#14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
#13 Melhores de 2017
#12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
#11 Especial Natalino
#10 Assassinato no Expresso Oriente
#9 Onde os Fracos Não Têm Vez
#8 Liga da Justiça
#7 Stranger Things
#6 45 anos de O Poderoso Chefão
#5 Branca de Neve e os Sete Anões
#4 Halloween
#3 Blade Runner / Blade Runner 2049
#2 De Volta Para o Futuro
#1 Os Goonies
#0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Gigante de Ferro, O
(Iron Giant, The, 1999)
• Direção:
- Brad Bird
• Elenco Principal:
- Jennifer Aniston
- Vin Diesel
- Harry Connick Jr.
• Sinopse: Um robô gigante cai na Terra e é encontrado e consertado pelo jovem Hogarth Hughes. Mas agora Hogarth tem um problema: “como manter em segredo um gigante de ferro?”, uma vez que um agente do governo está à procura do gigante.
 FILMES RELACIONADOS
• Guerra dos Mundos
• O Dia em que a Terra Parou
• Os Incríveis
• Velozes e Furiosos
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE