FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

O Grande Gatsby

(Great Gatsby, The, 1974)
Por Marcelo Leme Avaliação:             6.5
A glória que o amor roubou.

Charmosa, talvez essa seja uma definição adequada para o que o diretor Jack Clayton fez ao adaptar pela terceira vez no cinema o clássico da literatura O Grande Gatsby, de F. Scott Fitzgerald, lá em 1974. Somos transportados para a época retratada, a primavera de 1922, com seus grandes carros, mansões e luxuosos figurinos. O filme representa, entre outras coisas, o Estados Unidos, o sonho americano, seu crescimento econômico após a guerra e o capitalismo soberano. Não obteve o prestígio merecido do ponto de vista narrativo. A crítica foi rude. Foi adaptada outras vezes para o cinema, em 1926 foi realizado por Herbert Brenon – alguns dizem tratar da versão mais fiel –, em 1949 foi a vez de Elliott Nugent construir sua versão. Em 2000, Robert Markowitz adaptou para a televisão e, agora, em 2013, está nas mãos de Baz Luhrmann. 

Narrado pelo personagem Nick Carraway, primo de Daisy e vizinho de Gatsby, a história se inicia com certa frieza, timidamente. Ouvimos de Nick, sem julgamentos e com uma consciência avassaladora, discursos sobre o estranho vizinho, um homem aparentemente inacessível, organizador de festas majestosas, mas que jamais comparece a elas. No jardim ao lado, em frente ao casarão magnânimo, noites são viradas com música, dança e pessoas que aparecem entusiasmadas por convites ou por ouvirem falar sobre o novo rico situado promovendo diversão. Era o tipo de gente que Carraway reprovava. Este conta sobre suas insatisfações e de como conhecera o vizinho. O tal Gatsby só vem aparecer definitivamente após mais de 30 minutos de projeção. Igualmente aos habitantes da cidade, apenas ouvimos falar, ou o assistimos rapidamente, surgindo em algum lugar como uma sombra. Quando a protagonista, Daisy Buchanan, ouve seu nome, pergunta: Gatsby? Qual Gatsby? Um zoom expande a feição da intérprete Mia Farrow empalidecida. Aí a história toma um rumo. 

Tempos do pós guerra com os Estados Unidos dirigindo-se para a crise. Um homem ostentado, um estranho cuja fortuna provém do desconhecido. Jay Gatsby, vivido com altivez por Robert Redford, é uma incógnita romântica. Um grande personagem. Este nos é insólito já que custamos para alcançar seu íntimo. Ele se revela junto aos seus desejos pairados sobre a Long Island, separando sua mansão de seu afeto. Tudo é desejo, o império conquistado fora motivado por ele e os anos que lhe manteve afastado da paixão omissa foram pela busca por uma conquista orgulhosa, obsessiva, almejada pela cobiça de uma ilusão.

Uma cena, aquela a qual Gatsby lança camisas sob o olhar encantado de Daisy, ficou marcada em sua época, como se banhasse a moça com luxuria. Mia Farrow está exuberante vivenciado a moça encantada, sua personagem aparece a princípio esquisita, afetada, com nuances artificiais que nos faz questionar seu papel. Tudo isso, por sua vez, é face de sua figura tão bem construída, uma fraude enquanto mulher, vislumbrando unicamente o triunfo. O passado negado mutilado, esquecido como um flerte dissoluto, retorna no presente como interesse libertário, engajador de sua condição torpe numa sociedade cujos homens ricos exibem troféus com pomposos vestidos.

A narração é lógica, segue um arco dramático bem definido, mantendo o segredo de seu misterioso protagonista. As consequências da primeira grande guerra ainda estão sendo superadas, jovens heróis aproveitam à fama. A juventude da época, os bonificados, gozavam das regalias econômicas com grandes eventos. O trabalho de direção artística é preciso ao reconstituir esmeradamente os imensos casarões e os caminhos por onde os carros desfilavam. Em contrapartida, a rua da oficina, onde o outdoor com os grandes olhos observa tudo que acontece numa onipresença imaginária, é dominado por cores escuras. É o local para se manter distante, escondido, onde os pecados são mantidos enterrados.   

Não é tão extraordinário quanto o romance de Fitzgerald. Foi o que a crítica mais questionou. É muita injustiça comparar. Enquanto filme, tornou-se referência e é constantemente lembrado. A versão de 74 é a mais relevante, roteirizado por Francis Ford Coppola, responsável pela trilogia “O Poderoso Chefão”. É exuberante em forma e na disciplina de seus atores em retratar com competência a dupla central. Emergimos naquele universo, observando tudo tal como o personagem objetal, o outdoor envelhecido. A direção exagera deixando a história à deriva em detrimento do visual. Entre obsessões e crimes, entre a beleza da sociedade burguesa de mentira e a lápide do tempo que finda em troca de conveniência e desprezo, a obsessão por conquistas fez de vítima a consciência daquele o qual o amor cegou.

Por Marcelo Leme, em 11/06/2013
Avaliação:             6.5
Notas - Equipe
• Rodrigo Cunha 6.0
• Régis Trigo 4.0
• Silvio Pilau 4.0
• Marcelo Leme 6.5
•  Média 5.1
Notas - Usuários
6.4/10 (66 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (3)
Por Thiago Lopez, em 12/06/2013 | 13:41:20 h
Parabéns pelo texto! Fiz a crítica da versão de 2013 e to aguardando aprovação, gostei bastante do filme mais atual também, mesmo com o exageros de Luhrmann.
Por Adriano Augusto dos Santos, em 12/06/2013 | 08:06:21 h
É um filmaço.Envolve,tem boa historia e Redford em alta.
Excelente mesmo.
Por Shin Chan, em 12/06/2013 | 06:54:58 h
Eu ainda acho esta versao bem melhor do Baz Lurham,por ser fiel a epoca em que a historia se passa.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
#55 Halloween (2018)
#54 O Primeiro Homem
#53 Nasce Uma Estrela
#52 Musicais no Século XXI
#51 70 anos de John Carpenter
#50 Breaking Bad - 10 Anos
#49 Neorrealismo Italiano
#48 O Exorcista
#47 Wall-E
#46 The Last of Us
#45 60 anos de Tim Burton
#44 Meu Amigo Totoro
#43 Missão: Impossível - Efeito Fallout
#42 Filmes da Sessão da Tarde
#41 Batman: O Cavaleiro das Trevas
#40 100 anos de Ingmar Bergman
#39 Os Incríveis 2
#38 Era Uma Vez no Oeste
#37 Jurassic Park e Jurassic World
#36 O Bebê de Rosemary
#35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
#34 Han Solo: Uma História Star Wars
#33 Deadpool 2
#32 Um Corpo que Cai
#31 Stephen King no Cinema
#30 Vingadores: Guerra Infinita
#29 A Franquia 007
#28 Um Lugar Silencioso
#27 2001: Uma Odisseia no Espaço
#26 Jogador Nº1
#25 Planeta dos Macacos
#24 Quentin Tarantino
#23 75 anos de David Cronenberg
#22 Projeto Flórida
#21 Trama Fantasma
#20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
#19 Oito e Meio de Fellini
#18 A Forma da Água
#17 The Post e os filmes de Jornalismo
#16 Indicados ao Oscar 2018!
#15 20 Anos de Titanic
#14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
#13 Melhores de 2017
#12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
#11 Especial Natalino
#10 Assassinato no Expresso Oriente
#9 Onde os Fracos Não Têm Vez
#8 Liga da Justiça
#7 Stranger Things
#6 45 anos de O Poderoso Chefão
#5 Branca de Neve e os Sete Anões
#4 Halloween
#3 Blade Runner / Blade Runner 2049
#2 De Volta Para o Futuro
#1 Os Goonies
#0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Grande Gatsby, O
(Great Gatsby, The, 1974)
• Direção:
- Jack Clayton
• Elenco Principal:
- Robert Redford
- Mia Farrow
- Bruce Dern
• Sinopse: Um novo rico chega à vizinhança, e seu estilo de vida – despreocupado, festeiro e com passado misterioso – gera curiosidade e fascínio.
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE