FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

O Lar das Crianças Peculiares

(Miss Peregrine's Home for Peculiar Children, 2016)
Por Heitor Romero Avaliação:           5.0
De peculiar, apenas o título.
imagem de O Lar das Crianças Peculiares
No universo bizarro de O Lar das Crianças Peculiares (Miss Peregrine’s Home for Peculiar Children, 2016) há uma garota que de tão leve, precisa usar sapatos de chumbo para não sair voando; um rapaz capaz de dar vida a bonecos e seres inanimados; uma jovem que coloca fogo em tudo o que toca; uma menininha de aparência adorável que esconde na nuca, por baixo dos cachos dourados, uma bocarra faminta, enquanto outra possui uma força descomunal para sua idade e tamanho. Responsável por um lar que abriga essas crianças “peculiares”, a Srta. Peregrine (Eva Green) também é portadora de poderes especiais, sendo capaz de manipular o tempo e se transformar num pássaro. Quando o jovem Jacob (Asa Butterfield) acaba conhecendo essas pessoas após a misteriosa morte de seu avô, ele descobre um universo paralelo através de uma fenda temporal que o transporta para o País de Gales em plena Segunda Guerra Mundial. 

A sinopse baseada num best-seller infantojuvenil de 2011 indica um material farto para Tim Burton se esbaldar em seu cinema adepto do exagero e do bizarro. As crianças peculiares que habitam esse orfanato nada mais são do que personagens muitos próximos do universo do diretor, que sempre procurou retratar em seus filmes jovens sensíveis e de bom coração, porém incompreendidos e isolados por uma sociedade homogeneizada incapaz de ver com bons olhos o que é fora de padrão. Se a beleza desse cinema sempre esteve na capacidade de Burton em encaixar esses corpos estranhos de maneira muito orgânica e natural dentro de situações e cenários cotidianos, é estranho ver como o diretor parece ter desaprendido e feito de O Lar das Crianças Peculiares um filme tão fragmentado, forçado, sem conjunção e desprovido de qualquer autenticidade.

Após a década de 1990, Burton foi aos poucos diminuindo o ritmo e perdendo a sinceridade de sua visão para uma comodidade frouxa, deixando pra trás toda a anarquia, inconsequência e real sensibilidade que fez de seu primeiro cinema algo tão autoral e marcante. O Lar das Crianças Peculiares é contaminado pela linguagem pobre, simplista e formulaica do cinema infantojuvenil comercial de hoje, seguindo uma cartilha previsível que subestima a inteligência do seu público-alvo e recorre a muitas concessões de roteiro, soluções preguiçosas, personagens estereotipados e elenco fora de sintonia (Samuel L. Jackson e Judi Dench, em especial, só pagam mico). Nem a costumeira concepção visual fantástica de Burton se mostra inspirada aqui, sendo até hoje o seu filme menos autêntico, esteticamente falando. 

O subtexto envolve alegorias sobre os horrores da guerra, seus fantasmas, seus monstros e seus traumas, e isso tudo se reflete na condição isolada e especial das crianças, órfãs desses males e frutos de uma geração corrompida pela violência, desumanidade e preconceito. As idas e vindas no tempo permitem o sonho de uma realidade alternativa em que a guerra nunca de fato alcança os inocentes. Mas a falta de inspiração resulta num filme comandado por personagens que são bizarros apenas por ser e toda a peculiaridade deles é somente mero chamariz de público, uma desculpa para carregar em efeitos especiais vazios, fazendo deles apenas protótipos ocos, sem alma e coração, como num circo de horrores. Burton separa muito categoricamente o estranho do normal, de forma que as várias realidades do filme jamais se encaixam ou formam uma conclusão coesa e orgânica, o que acaba fragmentando todo o trabalho em atos incongruentes e uma notável falta de ritmo. Ao mesmo tempo, ele não se decide entre o tom infantil e o adulto, soando ora condescendente e moralista, ora violento, gráfico, anárquico e grosseiro. 

O que vai valer de consolo para os admiradores do diretor são os vários diálogos que ele estabelece com seus filmes anteriores - os arbustos esculpidos e o personagem que dá vida a humanoides tal qual Vincent Price em Edward Mãos de Tesoura (Edward Scissorhands, 1990), a mocinha Emma (Ella Purnell) que evoca em aparência e sobrenome a jovem Sandra Bloom (Alison Lohman) de Peixe Grande e Suas Histórias Maravilhosas (Big Fish, 2003), e Eva Green quase que remontando um tipo de Willy Wonka particular. Mas embora deliciosas, essas referências só reforçam que o Burton que todos amam ficou para trás, nesses filmes antigos, e hoje é apenas uma sombra do que foi, consumido pelo excesso de apelo comercial, entregando histórias desprovidas de qualquer ternura ou senso narrativo e personagens que nem de longe representam o outsider que ele sempre foi. 

Por Heitor Romero, em 03/10/2016
Avaliação:           5.0
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 3.0
• Rodrigo Cunha 6.0
• Silvio Pilau 4.5
• Heitor Romero 5.0
• Marcelo Leme 6.0
• Felipe Leal 4.5
•  Média 4.8
Notas - Usuários
6.0/10 (132 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (4)
Por Arthur Brandão, em 05/10/2016 | 02:19:48 h
Tim Burton não me surpreende mais.

Belo texto Heitor!
Por Luis Gustavo Wistuba, em 04/10/2016 | 14:30:53 h
Achei a nota um pouco alta ahahhaha.
Um detalhe: não acho que ele tenha colocado os arbustos em forma de animais para homenagear o Edward. É porque, no livro, eles aparecem também.
Por Conde Fouá Anderaos, em 04/10/2016 | 07:38:30 h
Excelente texto. Só que sempre achei o diretor irregular. No meu entender, seu cinema sempre foi marcado por esses altos e baixos. Vou, apesar da recepção fria até então, conhecer essa obra também.
Por Rodrigo Cunha, em 03/10/2016 | 19:08:31 h
Excelente crítica.

Só discordo da apresentação, que estava achando fantástica. Mas quando a história engrenou, deu para ver que era uma besteira só. As ameaças são ridículas e, como você disse, as características especiais são muito mal exploradas e a ligação dos mundos inútil.

Uma pena, tinha tudo para ser um novo clássico da fantasia moderna.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
• #34 Han Solo: Uma História Star Wars
• #33 Deadpool 2
• #32 Um Corpo que Cai
• #31 Stephen King no Cinema
• #30 Vingadores: Guerra Infinita
• #29 A Franquia 007
• #28 Um Lugar Silencioso
• #27 2001: Uma Odisseia no Espaço
• #26 Jogador Nº1
• #25 Planeta dos Macacos
• #24 Quentin Tarantino
• #23 75 anos de David Cronenberg
• #22 Projeto Flórida
• #21 Trama Fantasma
• #20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
• #19 Oito e Meio de Fellini
• #18 A Forma da Água
• #17 The Post e os filmes de Jornalismo
• #16 Indicados ao Oscar 2018!
• #15 20 Anos de Titanic
• #14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
• #13 Melhores de 2017
• #12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
• #11 Especial Natalino
• #10 Assassinato no Expresso Oriente
• #9 Onde os Fracos Não Têm Vez
• #8 Liga da Justiça
• #7 Stranger Things
• #6 45 anos de O Poderoso Chefão
• #5 Branca de Neve e os Sete Anões
• #4 Halloween
• #3 Blade Runner / Blade Runner 2049
• #2 De Volta Para o Futuro
• #1 Os Goonies
• #0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Lar das Crianças Peculiares, O
(Miss Peregrine's Home for Peculiar Children, 2016)
• Direção:
- Tim Burton
• Elenco Principal:
- Asa Butterfield
- Ella Purnell
- Eva Green
• Sinopse: Quando o querido avô de Jake deixa para ele pistas sobre um mistério que se estende por diferentes mundos e tempos, o garoto encontra um lugar mágico conhecido como "o lar das crianças peculiares". Mas o mistério e o perigo se aprofundam quando ele ...
 FILMES RELACIONADOS
• Edward Mãos de Tesoura
• Peixe Grande e Suas Histórias Maravilhosas
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE