FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS HOME CINEMA TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
CRÍTICA

O Orfanato

(Orfanato, El, 2007)
Por Alexandre Koball Avaliação:               7.0
Ótimo final e algumas cenas assustadoras fazem de O Orfanato um filme muito bom de terror. Apesar dos clichês.

Dizem as boas línguas que quem faz bom cinema de terror atualmente são os latinos. Após o encanto com os asiáticos ceder um pouco depois de inúmeras frustrações e repetições incessantes do mesmo tema, realmente alguns diretores, sobretudo do México e da Espanha, estão mostrando trabalhos interessantes no gênero. O Orfanato, do espanhol Juan Antonio Bayona, vem sendo aclamado como uma renovação  desse tipo de filme, mas na prática não é para tanto. Porém, dentro de um período de vacas magras, o filme de Bayona excede-se em qualidade, e é isso que tentarei expôr daqui em diante.

Isso porque O Orfanato é uma compilação muito bem feita dos mesmos clichês tão presentes no cinema de terror entediante de Hollywood. Aquele onde o ponto alto é a subida dos créditos finais, após 90 minutos de chateação com tentativas frustradas de fazer o espectador segurar-se na poltrona. Filmes assim vêm aos montes, quase sempre em outubro, por conta das comemorações do Halloween. O Orfanato, então, se não fosse falado em espanhol e tivesse algum rosto mais conhecido, poderia muito bem ser vendido nos multiplexes norte-americanos. Ainda assim, no final das contas, esse terror espanhol consegue terminar bem acima da média do gênero. E por quê?

A começar pelo seu final, engenhoso ao extremo. Desde o início do filme fica claro que será um daqueles trabalhos com uma reviravolta no final. Simples e quase totalmente óbvio (o que certamente decepcionou a muitos, por isso ele não é universalmente bem aceito), o final proporcionado pelo roteiro do também espanhol Sergio G. Sánchez consegue costurar muito bem quase todas as pontas (ainda que de forma um tanto quanto forçada) e salvar o filme da quase total mediocridade. Para chegar a ele, porém, somos submetidos a uma enxurrada de clichês bem desagradáveis. Não que o final seja magistral. Não compare com o final perfeito de O Sexto Sentido, por exemplo, pois não chega nem perto. Ainda assim, é um raro lampejo de criatividade e desconstrução, pois todas as cenas do filme até seu clímax foram feitas, muitas vezes de forma propositalmente confusa, para nos levar a esse momento. Sim, uma enganação ao espectador, mas uma enganação interessante.

Mas ainda bem que não é só pelo ótimo final que O Orfanato consegue se sobrepôr à média do gênero. Aí os méritos não ficam somente no roteiro. O diretor Bayona acabou nos entregando algumas cenas de gelar a espinha. Não são sustos, pois todos os melhores momentos são facilmente antecipáveis e, mesmo assim, fica difícil não sentir um calafrio quando o que você sabe que irá ocorrer de fato ocorre. Nesse sentido, o filme lembra outra obra-prima recente do gênero – Os Outros, também um filme espanhol. Os personagens são secundários (até porque o tema de crianças + fantasmas já está esgotado), o que importa mesmo aqui é o clima proporcionado pelo diretor e pelo roteiro, e o clima aqui é muito bom.

Tecnicamente, O Orfanato é um filme lindíssimo, de fotografia bela e cenários muito bem arranjados, propícios para uma boa história de fantasmas. Mas o destaque vai mesmo para a direção de arte, caprichadíssima, fazendo com que os principais momentos do filme pareçam crepitantes como devem ser. Sonoramente falando, o filme utiliza-se do velho clichê de tentar assustar com acordes agudos e repentinos, mas com uma moderação perfeitamente aceitável, o que garante que ele não chegue a ser irritante nesse sentido. A  montagem é bem tradicional, mas o diretor acerta ao não mostrar muita coisa, provando saber que às vezes a sugestão é melhor do que o real.

Se tivesse sido lançado antes de O Sexto Sentido e Os Outros, mesmo apesar de seus clichês, O Orfanato poderia muito bem ser considerado uma obra-prima do gênero (ou pelo menos algo próximo disso). Mas a existência desses dois filmes em particular certamente diminui a sua importância, pois ele acaba fazendo o que ambos fazem, mas de forma não tão espetacular – porém, ainda assim competente e agradável. É um raro repertório de bons momentos de gelar a espinha, proporcionados por um clima tenso, esporadicamente estragado por clichês primários e irritantes, além de personagens não muito bons. Talvez você não concorde comigo com relação ao final, mas arrisco a recomendação sem ressalvas aos fãs de filmes de suspense e terror.

Por Alexandre Koball, em 31/05/2008 Avaliação:               7.0
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 7.0
• Josiane Ka 7.0
• Régis Trigo 5.0
• Silvio Pilau 9.0
•  Média 7.0
Notas - Usuários
7.5 (364 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões
Comente no Cineplayers (1)
Por Moisés Costa Lins, em 08/04/2013 | 11:12:00 h
Realmente é inevitável uma comparação com O Sexto Sentido, talvez seja isso que enfraquece o filme, pois ele torna-se uma tentativa de cópia.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Orfanato, O
(Orfanato, El, 2007)
• Direção:
- Juan Antonio Bayona
• Elenco Principal:
- Belén Rueda
- Fernando Cayo
- Roger Príncep
• Sinopse: Laura é uma mulher que regressa com sua família ao orfanato onde cresceu. O local desperta a imaginação de seu filho, que começa a se deixar levar por jogos de fantasia cada vez mais intensos. Estes acontecimentos vão inquietando Laura a tal ponto, q...
 FILMES RELACIONADOS
• O Sexto Sentido
• Os Outros
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2014) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
MAPA DO SITE
ANUNCIE CONOSCO