FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

O Ornitólogo

(Ornitólogo, O, 2016)
Por Gabriel Papaléo Avaliação:                 8.5
As fábulas do extracampo.
imagem de O Ornitólogo
Existe uma diferença primordial entre a ação e a observação? Um corpo no espaço que vigia o outro atua diretamente nele ou não? A arquitetura de muitos filmes de suspense é construída nessa dinâmica de ponto de vista, na qual um elemento do quadro pode trair o conforto de percepção que um plano passa; seria essa dinâmica uma ação observacional do personagem, e por isso também do espectador?

Quem vê os primeiros 20 minutos de O Ornitólogo pode achar que o filme tem esse foco quase procedural na dualidade da observação e do observado, à medida que Fernando, vivido por Paul Hamy, passa seu dia catalogando aves com seu binóculo, e elas devolvem o olhar. O esforço do diretor João Pedro Rodrigues em conceber aquele cotidiano de trabalho, no qual seu personagem é um homem adaptado ao ambiente, cria uma cumplicidade do espectador com o personagem que é crucial para esse diálogo de percepção.

O jogo de perspectiva continua nas soluções visuais que o português usa para ver Fernando, um ser cujas ações têm grandeza maior que o esperado: quando conversa com as chinesas sobre a floresta e elas o elegem um "homem apto a nos ajudar", as sombras são capturadas na pedra como se fossem pinturas rupestres. Essa dimensão primitivista imagética progride junto a trama, surgindo em sombras e cores nas barracas, e é o primeiro sinal evidente de que O Ornitólogo é uma fábula na qual o surgimento do homem se dá pelo confronto com a natureza.

À princípio, a floresta é apresentada como um terreno assimilado, de proporções razoavelmente delimitadas, que o scope do diretor organiza através da profundidade de campo e da relação do pedaço de terra com a água do rio. Não por acaso O Ornitólogo lembra tanto Um Estranho no Lago nessa espacialização inicial; são filmes que jogam com a repetição para ocultar o desconhecido no extracampo, para então os revelar como um elemento perigoso para seus protagonistas. O ceticismo de Fernando é testado quando ele perde um pássaro de vista e cai rio adentro desse extracampo antes desconhecido - um rito de passagem eficaz para a mudança radical que o filme faz.

Querer dominar o natural - e por dominar a observação entra como ação, uma vez que é também uma forma de apreensão - é uma frustração anunciada ao longo do filme, e a comparação de Fernando com santo Antônio ao longo da narrativa dá sinais da jornada que o personagem segue. Nesses momentos, a troca súbita de Paul Hamy com João Pedro Rodrigues no personagem evidencia a visão distinta que aqueles seres naturais e mágicos têm do homem terreno pro homem mito (e não escapam didatismos deslocados, como a queima das impressões digitais como meio de despersonalização; nada que atrapalhe, porém). Essa dimensão barroca do homem com a narrativa que a Bíblia lhe reserva o aproxima muito de O Cântico das Criaturas, curta de Miguel Gomes que conta a trajetória de São Francisco de Assis dessa mesma maneira que tenta conciliar a historia do santo com os rastros que suas pregações deixaram no mundo. O medo pelo plano maior é reflexo direto do extracampo que o início do filme já construía.

E nessa busca pela assimilação do desconhecido, o personagem sofre ao se deparar com a imprevisibilidade que não esperava da natureza. A perdição é sobretudo uma questão básica de comunicação: as viajantes falam mandarim, os ritualistas falam mirandês, o pastor do gado é surdo-mudo, as amazonas falam latim. A única forma de se comunicar sem a hostilidade do caos é ser absorvido pelo extracampo, pelo misticismo, que pode ser bíblico mas não é diferente de fábula alguma. Mesmo Jesus no filme é um mistério romântico extremamente interessado na observação, no estudo de como chegar ao outro.

Não é como se O Ornitólogo fosse, porém, uma releitura de Coração nas Trevas como Aguirre; os dilemas enfrentados sobre o misticismo daquele lugar e o peso histórico do conjunto de memórias ocultas que ele guarda aproximam o filme do cinema de Apichatpong, colocando elementos folclóricos tradicionais com mitos de diversas outras culturas (nesse caso, a Bíblia) para testar a fé de quem não adere ao plano simbólico de um ambiente tido como inexplorado. As consequências das ações de Fernando são medidas a cada nova dissonância com o ambiente, a cada vez que a natureza se impõe como destino implacável. É como se as memórias místicas de fato encarnassem nos vivos.

A comunhão social pode então ser consumada quando se entende o quanto um lugar age sobre um alguém, ainda mais em um espaço revestido por tradições que se esgotam e se reinventam, como culturas que se aproximam para permanecer relevantes e agentes nos que ousam passá-las para o próximo.

Por Gabriel Papaléo, em 02/05/2017
Avaliação:                 8.5
Notas - Equipe
• Daniel Dalpizzolo 6.0
• Gabriel Papaléo 8.5
• Felipe Leal 8.5
•  Média 7.7
Notas - Usuários
7.1/10 (20 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #002 De Volta Para o Futuro
• #001 Os Goonies
• #000 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Ornitólogo, O
(Ornitólogo, O, 2016)
• Direção:
- João Pedro Rodrigues
• Elenco Principal:
- Paul Hamy
- Chan Suan
- João Pedro Rodrigues
• Sinopse: Fernando, um solitário ornitólogo, está procurando por cegonhas negras quando é carregado pela correnteza. Resgatado por peregrinos chineses, ele adentra uma estranha e sombria floresta, tentando voltar ao seu caminho.
 FILMES RELACIONADOS
• Um Estranho no Lago
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE