FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

O Parque

(Le parc, 2016)
Por Francisco Carbone Avaliação:                     10.0
Poema da reconstrução.
imagem de O Parque
Em seu segundo longa metragem, o francês Damien Manivel não somente é jovem de idade e de ofício. Com um trabalho como o de O Parque, ele estabelece não apenas uma visão de cineasta como também de autoralidade e de liberdade de visão, se distanciando não apenas do cinema francês vigente, como também conseguindo imprimir uma voz diferenciada ante a produção cinematográfica atual. Que voz é essa? Um olhar dissonante não basta para se tornar relevante, mas Manivel radiografa uma potente visão da realidade adolescente atual, comportamento compartilhado não por um segmento da sociedade, mas abrangente a um número cada vez maior de participantes. No mundo real, pessoas podem ou não se interessar umas pelas outras em encontros fortuitos nutridos pela internet; na fantasia, tudo que foi vivido pode ser deletado da existência caso a decepção nos cegue. Manivel vai tratar de embaralhar os mundos.

Após a timidez inicial de um típico encontro nascido na virtualidade, Maxime e Naomie exploram a ambientação como se sobrevoassem por si mesmos. Eles estão em um ambiente onde o bucólico escapa por pouco, ao cruzar com um futebol infantil ou outras representações do amor jovem. Andam fantasmagoricamente a esmo, em busca de aplacar o vazio do hoje. Em breve estarão na jornada do entendimento da pele, por entre as folhas que servirão de camuflagem para o ato e para o próximo ato. Ao desejo adolescente também se seguirá o tédio maduro, o abandono consciente e a dúvida quanto ao passo seguinte, uma vida inteira no ritmo de uma tarde. Jovens no início da tarde e velhos no fim da mesma, o implacável destino que o tempo reserva àqueles que ousam desafiar suas regras. O filme parece decretar a inevitabilidade das relações e abre um leque muito consciente quanto a fugacidade das relações.

É noite, e Maxime partiu. Estaria qualquer um de nós disposto ao recomeço no qual fomos eternamente posicionados? A selva das incertezas guarda a possibilidade de refazer o caminho e apagar ilusões. A partir desse momento, o parque de Manivel se desdobra para mostrar o caráter cruel do fim e do princípio e ingere todas as possibilidades de desconstrução. Através de uma montagem impressionante, o filme experimenta dois tempos de realidade que não apenas se comunicam como também se complementam. Se na primeira parte a ingenuidade, o fascínio pelo novo e os riscos assumidos dão o tom, na segunda nossa protagonista decide apagar as pegadas que levaram a decepção, e para unir dois momentos tão díspares e tornar a experiência impactante, a montagem realiza com precisão os tempos mortos e o compasso de espera no qual vivem os dois protagonistas.

De caráter cada vez mais alegórico conforme avança narrativa pelos seus breves 70 minutos, a narrativa proposta pelo diretor é tão articulada que aparenta não caber em tão curto espaço de tempo a aventura surrealista de Naomie rumo ao início de tudo. Mas no comando da maquinaria está um autor no profundo sentido da expressão e que mesmo tão recém chegado na cadeira já demonstra maturidade e inventividade de um nome que já fez muitos testes e agora apenas afina suas lâminas. Escrito em nova parceria entre ele e Isabel Pagliai, Manivel confiou também suas lentes a Pagliai, o que talvez justifique esse projeto tão centrado na união do poder da imagem, da comunicação e da construção do produto final, e sua transformação nessa pequena imensa joia sobre a jornada humana, entre o florescer e o sucumbir ante o imponderável.

Nada disso seria possível sem o profundo conhecimento da coloquialidade e de como subverter o natural. Se a primeira parte do filme é uma ode à simplicidade do primeiro amor e à urgência implacável do tempo, a segunda além de abrir uma janela para o fantástico ainda reconfigura o tomo inicial, quase como transformando o filme numa ficção científica sobre como mover algo tão inoxeravel como a cronologia. Talvez na ânsia de remediar o passado, Naomie seja um alter ego do próprio Damien Manivel; ambos autores que tentam domar o espaço-tempo, ambos descortinam a veracidade dos fatos para criar e reescrever sua travessia ao contrário. Através dessa reconstrução tão evidenciada do nosso hoje, o filme não fornece possibilidades de mudanças. É apenas um leque que se abre e permite que todo sonho possa ser pensado para além da concretização.
Por Francisco Carbone, em 30/04/2018
Avaliação:                     10.0
Notas - Equipe
• Francisco Carbone 10.0
•  Média 10.0
Notas - Usuários
aguardando 3 votos
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
#49 Neorrealismo Italiano
#48 O Exorcista
#47 Wall-E
#46 The Last of Us
#45 60 anos de Tim Burton
#44 Meu Amigo Totoro
#43 Missão: Impossível - Efeito Fallout
#42 Filmes da Sessão da Tarde
#41 Batman: O Cavaleiro das Trevas
#40 100 anos de Ingmar Bergman
#39 Os Incríveis 2
#38 Era Uma Vez no Oeste
#37 Jurassic Park e Jurassic World
#36 O Bebê de Rosemary
#35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
#34 Han Solo: Uma História Star Wars
#33 Deadpool 2
#32 Um Corpo que Cai
#31 Stephen King no Cinema
#30 Vingadores: Guerra Infinita
#29 A Franquia 007
#28 Um Lugar Silencioso
#27 2001: Uma Odisseia no Espaço
#26 Jogador Nº1
#25 Planeta dos Macacos
#24 Quentin Tarantino
#23 75 anos de David Cronenberg
#22 Projeto Flórida
#21 Trama Fantasma
#20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
#19 Oito e Meio de Fellini
#18 A Forma da Água
#17 The Post e os filmes de Jornalismo
#16 Indicados ao Oscar 2018!
#15 20 Anos de Titanic
#14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
#13 Melhores de 2017
#12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
#11 Especial Natalino
#10 Assassinato no Expresso Oriente
#9 Onde os Fracos Não Têm Vez
#8 Liga da Justiça
#7 Stranger Things
#6 45 anos de O Poderoso Chefão
#5 Branca de Neve e os Sete Anões
#4 Halloween
#3 Blade Runner / Blade Runner 2049
#2 De Volta Para o Futuro
#1 Os Goonies
#0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Parque, O
(Le parc, 2016)
• Direção:
- Damien Manivel
• Elenco Principal:
- Naomie Vogt-Roby
- Maxime Bachellerie
- Sobéré Sessouma
• Sinopse: No verão, dois jovens marcam seu primeiro encontro em um parque e passam o dia se descobrindo e se aproximando.
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE